Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Se pela manhã uma pessoa quiser fazer o mal aos outros, o mal retornará a ela ao anoitecer.
Sabedoria Hindu
16/06/2017

Editorial FSP - ESTAMOS NOS AFASTANDO NÃO SÓ DO DESENVOLVIMENTO, MAS DA CIVILIZAÇÃO

De país do futuro a país outra vez desarvorado quando a economia parecia parar de piorar, as únicas certezas são de que a regressão continua a passos firmes e a saída da crise, que já seria difícil e arrastada sem nenhum novo escândalo, se distancia cada vez mais.

As denúncias se acumulam, e não há surpresa diante de um sistema político em que o governante de turno forma maioria parlamentar mediante o loteamento da gestão pública entre partidos com os quais não tem a mais remota afinidade programática e se compensa carências e lacunas da economia subsidiando a atividade privada em vez de corrigi-las.

A agenda de reformas, parte aprovada no Congresso, como a revisão de regulações anacrônicas, entre elas, as regras de conteúdo nacional e o teto do gasto público, além das reformas da Previdência e da CLT, que vem, ou vinha, tramitando até com celeridade, já não é mais tão segura. Sem elas, os agouros para o Brasil são inquietantes, medonhos, pode-se dizer.

O empresário é otimista de ofício, e reconheço que as condições estruturais do Brasil são ímpares e até superiores às das novas potências que despontam nos rankings de expansão econômica, redução da pobreza e desenvolvimento tecnológico, como China e Índia.

Mas é preciso reconhecer que a crise política seriada nos afastou mais uma vez do que vinha razoavelmente em evolução, mesmo considerando algo reducionista achar que com duas a três reformas tudo se resolve.

Nossos descompassos estão em toda parte, e não só na economia, como revelam as estatísticas sobre os assassinatos no país (60 mil por ano!), sobretudo da população mais jovem. Atrasos na educação, na saúde e na tecnologia não são menos gritantes.

O tamanho da encrenca é enorme. É como se estivéssemos nos afastando não só do desenvolvimento, mas da civilização e do mundo em transformação tecnológica aguda, condenados à mediocridade pela falta de conscientização da sociedade sobre o que se faz necessário e de lideranças capazes de convencê-la.

Tome-se a Previdência. Sua reforma não é contingente, mas crucial, num mundo em que, segundo estudo do World Economic Forum, metade dos jovens nascidos em 2007, ao menos na porção mais rica, já tem a expectativa de viver até 2110, 103 anos em média!

Não há dinheiro para prover aposentadoria a tanta gente. O estudo estima um furo de US$ 400 trilhões de poupança adicional para tais aposentadorias até 2050, o triplo do PIB global. Isso só em oito países pesquisados (EUA, China, Índia, Japão, Reino Unido, Canadá, Austrália e Holanda). Por tamanho do PIB, população e demografia, o Brasil está no mesmo cenário, que será pior se não enfrentado.

Mas o nível dos debates é pífio, estamos todos ligados na próxima denúncia, olhando se Temer fica ou sai. Não há formulação para os desafios que já se colocam quanto mais para os que se avistam. Ao contrário: a agenda sofre interdições políticas, enquanto o país anda para trás nas principais dimensões.

Em 1980, nosso PIB equivalia a 28% do dos EUA e era 26% maior que o da Coreia do Sul, segundo dados do economista Armando Castelar. Já em 2020, diz o FMI, nosso PIB per capita será menos de 20% do dos EUA e 36% do coreano. E vai agravar-se, com o PIB acumulando retração de 7,5% no ultimo biênio e tendendo à estagnação neste ano. A renda per capita murchou 9,2% em dois anos. Como virar esse jogo?

O que está à frente é uma tarefa altamente complexa e muito pouco percebida pelas lideranças políticas e empresariais. Sempre é possível contar com o imponderável.

Por ora, à luz do que sabemos, é mais prudente apertar o cinto porque a crise vai demorar.

Fonte: Folha de S. Paulo Online
 
+ Clipagem

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

Vladimir Safatle alerta para o fim do emprego - Nunca na história da República o Congresso Nacional votou uma lei tão contrária aos interesses da maioria do povo brasil

FRENTE EM DEFESA DA DIGNIDADE DO TRABALHO NO FACEBOOK - Colegas.A AGITRA INTEGRA INTEGRA ESTA FRENTE EM DEFESA DA DIGNIDADE DO TRABALHO E TEM SEDIADO AS REUNIÕES PREPARA

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br