Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

... Adieu, monsieur, je vous recommande la vèrité, la liberté,et la vertu trois seules choses pour lesquelles on doive aimer la vie.
Voltaire, Questions sur les miracles, XIe Lettre
14/06/2017

Governo vai manter fim do imposto sindical e não aponta opção de custeio

Brasília - O governo vai manter o fim do imposto sindical, como está no relatório da reforma trabalhista, e não indica alternativa de custeio para a manter os sindicatos de trabalhadores, mesmo que a opção seja contemplada em medida provisória (MP) para corrigir excessos do texto da reforma.

Assim, sem uma resposta concreta, o presidente de uma das principais centrais sindicais do País, a União Geral dos Trabalhadores (UGT), Ricardo Patah, deixou a reunião que manteve com o presidente Michel Temer, e dirigentes da entidade, no Palácio Planalto, ontem (13).

"Acho muito difícil o veto", admite. "Mas pode construir uma MP para contemplar essas questões, inclusive o custeio dos sindicatos", disse Patah, que não levou opções ao governo para enfrentar a questão do financiamento dos sindicatos e está consciente dessa dificuldade.

Além de alternativa ao imposto sindical, Patah levou pedidos para alterar mais quatro pontos previstos no projeto trabalhista: manutenção nos sindicatos da homologação da dispensa do trabalhador, partipação dos sindicatos nas eleições de comissões em empresas com mais de 200 empregados, e restrição ao trabalho intermitente (jornada por horas) apenas para jovens. Patah acredita que partes das solicitações será atendida via MP, com a participação de técnicos do Ministério Trabalho.

Apoio restrito

Filiado ao PSD, Patah representou a única central sindical a manter uma audiência reservada com o presidente da República na reta final de votação da matéria. Contou com o apoio do ministro Gilberto Kassab (Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações), presidente do PSD.

Terá dificuldades, no entanto, para conseguir apoio entre os senadores do próprio partido no Senado. Exceto o de Otto Alencar (BA), que é adversário do governo Temer na condição de aliado que se manteve fiel a ex-presidente Dilma Rousseff no processo do impeachment. "O governo não tem mais credibilidade, acabou", disse Otto Alencar, critico de algumas das propostas incluídas na reforma, como a possibilidade de redução do período de almoço de uma hora para meia hora.

No entanto, o líder do PSD no Senado, Omar Aziz (AM), passou a votar a favor da reforma trabalhista na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE), depois de conseguir a indicação de apadrinhado para a Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa). No dia 25 de abril, a bancada de 37 deputados do PSD na Câmara decidiu fechar questão em favor à reforma trabalhista.

O partido é a quinta maior bancada. Criador e presidente nacional da legenda, Kassab, participou da reunião. Ainda assim, Patah espera mobilizar senadores e deputados de diversos partidos, inclusive do PSD, para fazer o que seria uma espécie de homologação antecipada da MP.

Leitura na CAS

As ideias do presidente da UGT não devem ser atendidas pelo senador Ricardo Ferraço (PSDB-ES), que leu nesta terça-feira, dia 13, na Comissão de Assuntos Sociais (CAS), seu relatório sobre o projeto de reforma trabalhista. Ferraço insistiu em não apresentar alterações ao texto aprovado pela Câmara dos Deputados, recusando as mais de 200 emendas sugeridas na comissão, conforme o acertado com o Palácio do Planalto. O projeto (PLC 38/2017) deve ser votado na CAS na próxima terça (20).

O relator apontou, na leitura, a necessidade de reforma da legislação trabalhista para permitir a inclusão no mercado de trabalho dos desempregados, informais e "desalentados", as pessoas que nem sequer procuram mais emprego. A oposição apresentou votos em separado (relatórios alternativos). O primeiro a ler o texto alternativo foi o senador Paulo Paim (PT-RS). Pediu a rejeição da proposição por acreditar que não permitirá a criação de nenhum novo emprego, ao tornar a legislação mais agressiva contra o trabalhador.

CLT

Proposta da senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), aceita pela presidente da comissão, Marta Suplicy (PMDB-SP), garantiu pelo menos uma hora e meia de debates para o encaminhamento da matéria antes da votação, na próxima semana.

Ao fazer a leitura de seu relatório, o senador Ricardo Ferraço ressaltou que a Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT) é uma lei antiga, gestada nos anos 1940, que "não dialoga mais com as necessidades do mercado de trabalho do país" e precisa de atualização. O principal viés das mudanças propostas, segundo o relatório de Ferraço, é o item "acordado sobre o legislado".

Após apreciado pela CAS, o projeto segue para a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), onde o parecer de Ferraço será lido no dia 21 e votado no dia 28. No mesmo dia, a matéria segue para o Plenário da Casa.

Abnor Gondim

 
+ Clipagem

Vladimir Safatle alerta para o fim do emprego - Nunca na história da República o Congresso Nacional votou uma lei tão contrária aos interesses da maioria do povo brasil

FRENTE EM DEFESA DA DIGNIDADE DO TRABALHO NO FACEBOOK - Colegas.A AGITRA INTEGRA INTEGRA ESTA FRENTE EM DEFESA DA DIGNIDADE DO TRABALHO E TEM SEDIADO AS REUNIÕES PREPARA

Terceirização: Anamatra lamenta aprovação de PL que libera a prática em todas as atividades e pede v - Em nota, entidade pede que presidente da República teve o PL nº 4302/1998 A Associação Nacional dos Magistrados da

Centrais e Ministério do Trabalho criam grupo para aprimorar projeto que altera legislação trabalhis - Em reunião nesta sexta-feira, 20, o ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira, as seis centrais sindicais reconhecidas - CS

PEC 287/16: ANFIP e magistrados produzem nota conjunta contra reforma - O presidente da ANFIP, Vilson Antonio Romero, reuniu-se nesta quarta-feira (18), em Brasília, com representantes da Anam

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br