Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

O que é um amigo? Uma única alma habitando dois corpos.
Aristóteles
14/06/2017

Com ou sem Temer, só o que vai variar é o tipo de instabilidade política

A economia será afetada de qualquer jeito

A sensatez manda buscar o ‘centro radical’

O presidente Michel Temer Sérgio Lima/Poder360 -

MONICA DE BOLLE

O fim da globalização tem sido proclamado por diversos cientistas políticos, economistas e “public intellectuals” desde o Brexit, há um ano, e da vitória de Donald Trump em novembro de 2016.

A exceção a essa regra é o economista e escritor Stephen D. King –não confundir com o xará, autor de livros de terror. King acaba de lançar o livro “Grave New World: The End of Globalization, the Return of History”. Visionário, o autor antecipou a discussão sobre os rumos da globalização em pelo menos um ano e meio: a obra, afinal, foi escrita em 2014 e 2015, portanto muito antes de Brexit e Trump virem à tona.

A tese de King é que a nova geopolítica global tenderá a ser comandada pela Ásia, pela Rússia, e pelo Oriente Médio, à medida que o eixo ocidental EUA-Europa continue a se esgarçar diante dos movimentos nacionalistas, contrários ao livre comércio e à imigração, promotores do isolacionismo e do protecionismo.

Não há dúvida de que a globalização esteja em xeque. Não há dúvida de que a tese de Francis Fukuyama sobre a inevitabilidade da disseminação da globalização e da democracia liberal, o chamado “fim da história”, mostrou-se um equívoco ante as mais recentes reviravoltas ocidentais. Mas, é precisamente por essa razão que há que ter cautela ante proclamações do “fim” do que quer que seja, da globalização à história.

Apesar do Brexit e da ascensão de Trump, existe a sensação nas democracias maduras de que a sedução do nacionalismo, dos extremismos à direita e à esquerda, talvez seja menor do que parece.

Na Grã-Bretanha, o pleito afoito de Theresa May resultou não no fortalecimento esperado para que se levasse à cabo o “hard Brexit”, a versão mais radical da saída da União Europeia. Ao contrário, a população insatisfeita com o referendo de junho de 2016 foi às urnas para impedi-lo, tentando impor uma saída que melhor reflita o caráter cosmopolita e aberto de parcela da população que ainda é majoritária no Reino Unido.

Nos EUA, o desastre que tem sido o governo de Donald Trump –5 meses iniciais que mais se parecem com os derradeiros meses de um mandato– reflete-se nos níveis históricos de desaprovação e nas perspectivas de que os Democratas ganhem terreno nas eleições de 2018 para a Câmara e para o Senado. A agenda legislativa do governo trumpista está completamente paralisada pelas investigações sobre a Rússia, pelas inúmeras brigas do presidente norte-americano com países aliados, com integrantes de seu próprio governo, e, agora, com o ex-diretor do FBI. Paralisada deve permanecer.

Em comum, o Reino Unido e os EUA experimentam um vácuo político relevante por causa da falta de uma visão de centro. Os partidos tradicionais –conservadores, trabalhistas, republicanos, democratas– têm flertado abertamente com o extremismo ideológico. Deixam a população com poucas opções atraentes.

É cedo para afirmar que a França de Macron apontou o caminho para fugir dos “populismos”, mas caso seja de fato assim, a verdade é que a globalização será eventualmente resgatada pelo centrismo radical. Centrismo esse que, nas democracias maduras, tem amplo amparo na solidez institucional, na força e na independência dos poderes Executivo, Legislativo, e Judiciário.

Eis, portanto, a lição para o Brasil destroçado pela corrupção endêmica e pelos inevitáveis abalos institucionais sofridos nos últimos 3 anos. A travessia até outubro de 2018 acaba de se tornar mais nebulosa e complicada, os rumos da economia mais incertos, depois das revelações sobre a cúpula do governo Temer –sobre o próprio Temer.

Não há “ruim com ele, pior sem ele”, como insiste parte da imprensa, do mercado, do empresariado. Há tão somente instabilidade. Sem Temer, teríamos um tipo de instabilidade. Com Temer, teremos outro tipo de instabilidade. A economia seria afetada de um modo ou de outro, por certo não para o bem.

As reformas podem até ser aprovadas, mas tão diluídas estão que nada mais garantem. Terão de ser revistas à frente para que se retome a sustentabilidade das contas públicas. Enquanto isso, é preciso que os poucos políticos não envolvidos na Lava Jato e as raras vozes sensatas do país unam-se para encontrar o centro radical, à la Macron. Somente assim será possível afastar o espectro do populismo e dos oportunistas aventureiros que assombra 2018.

A economia, como tem mostrado o grave mundo novo, é indissociável da política. Precisamos saber lidar com isso com a máxima urgência para evitar que o Brasil permaneça no atoleiro de suas próprias vicissitudes.

Fonte: Poder360
 
+ Clipagem

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

Vladimir Safatle alerta para o fim do emprego - Nunca na história da República o Congresso Nacional votou uma lei tão contrária aos interesses da maioria do povo brasil

FRENTE EM DEFESA DA DIGNIDADE DO TRABALHO NO FACEBOOK - Colegas.A AGITRA INTEGRA INTEGRA ESTA FRENTE EM DEFESA DA DIGNIDADE DO TRABALHO E TEM SEDIADO AS REUNIÕES PREPARA

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br