Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Jamais culpe o seu próximo antes de ter estado em seu lugar.
O Talmude
01/06/2017

Agenda do governo é a do mercado, não a do povo

Nesta terça (30), o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, escancarou a quem serve o governo. Segundo ele, a agenda do Congresso está em sintonia com a de Michel Temer e tem como foco o mercado. Para Flávio Tonelli Vaz, especialista em orçamento e políticas públicas, é a isso que Temer se refere quando diz que pôs o país nos trilhos: “Nos trilhos do mercado. E a agenda do mercado não é a do emprego, da produção. É a do mercado financeiro. Não tem a ver com o povo, com inclusão social e cidadania”.

Ao discursar para empresários no Fórum de Investimentos Brasil 2017, em São Paulo, Rodrigo Maia não usou meias palavras. “A Câmara vai manter a defesa da agenda do mercado”, disse. No momento em que o presidente enfrenta uma grave crise, o parlamentar opinou que Temer garante “uma estabilidade muito maior” para o Congresso aprovar as reformas propostas pelo governo.

No mesmo evento, o presidente Michel Temer ressaltou o compromisso nesse sentido e afirmou que “não há plano B” para o país. De acordo com ele, o seu governo recolocou o Brasil nos trilhos e o devolveu ao “caminho do desenvolvimento”. Entre os empresários, o sentimento majoritário tem sido o de que o importante é levar adiante as reformas, independentemente de quem as conduza.

Em entrevista ao Vermelho, Tonelli Vaz – que é assessor técnico da Câmara dos Deputados – avaliou que é preciso identificar quem se beneficia com os rumos definidos pela atual gestão.

“Quando Temer diz que não tem plano B, significa que o governo segue firme nas reformas, na destruição do Estado e das políticas sociais. Essa é a única agenda que esse governo tem. O caminho que está traçado é este: desemprego de 13%. Para ele, o país está nos trilhos porque a bolsa vai muito bem, algumas empresas lucram. Não é um projeto para o povo, com emprego, cidadania. Esse não é parâmetro que ele usa para dizer se o país vai bem ou mal”, declarou.

De acordo com o Valor Econômico, durante sua fala aos empresários, Temer disse ainda que deu “uma injeção de profissionalismo” nas estatais, colocou fim “ao equívoco da política dos chamados campeões nacionais” no BNDES e introduziu “racionalidade econômica” em “setores-chave, como o de petróleo e gás”.

“A racionalidade e a profissionalização de que ele fala quer dizer colocar as estatais a serviço do lucro e, não, a serviço da sociedade, de um projeto nacional. É por isso que a Petrobras não é mais obrigada a entrar na exploração do pré-sal, é por isso que o BNDES passa e ter mais dinheiro para a privatização que para investimentos”, apontou Tonelli.

Na sua avaliação, o fim da política de campeões nacionais é, na verdade, o fim da política de crescimento das empresas nacionais. “O que está colocado aí é a destruição da indústria nacional, da indústria naval, das grandes construtoras. É a desnacionalização da economia: não precisa ter empresa brasileira. O que estamos vivendo é a desnacionalização brutal da economia”, reiterou.

Segundo ele, toda a lógica da atual gestão é a de ampliar lucros de acionistas, independentemente das necessidades da população. “Um exemplo primário disso é que, durante o racionamento de água em São Paulo, a Sabesp distribuía lucro aos seus acionistas. Não tinha água para entregar ao povo, mas lucro tinha. É como a Petrobras, que pode estar vendendo ativos e produzindo lucros. Quando ela faz isso, os acionistas, especialmente os que estão em Nova York, adoram. Mas, para o governo, o que não pode é a Petrobras pegar seu lucro e investir no país, que aí os acionistas não gostam”, criticou.

Para Tonelli, quando Temer fala que há avanços, é preciso ver para quem são estes avanços. “Não investir no pré-sal e ter lucro é avanço para quem? Para os donos das ações em Nova York? Porque para o país não é. Avanço para o povo brasileiro seria continuar com a nacionalização da produção do petróleo, desenvolvendo a indústria naval, da construção civil, o emprego no Brasil”, opinou.

“Temer defende a agenda de menos Estado para o povo, portanto pode destruir os direitos sociais, os direitos trabalhistas, para que os empresários tenham mais lucro. Pode precarizar saúde e educação para que sobre mais dinheiro para os mesmos”, condenou.

Tonelli defendeu, contudo, que se o atual governo conseguirá ou não levar adiante essa agenda só depende do povo nas ruas. “O presidente faz uma análise de conjuntura e de futuro que exclui o povo como agente político, detentor de direitos e vontades. Esse tipo de análise não leva em conta que o povo na rua pode querer ditar o seu futuro. Para eles, não existe nós, o povo; existe nós, o banco, o mercado”, afirmou.

O especialista em políticas públicas analisou que as recentes mobilizações já têm surtido efeito no debate sobre as reformas e que o crescimento dos protestos é decisivo. “O povo na rua muda essa agenda, como já mudou. Houve o ato em Brasília no dia 24, a greve geral, o ato pelas Diretas Já no Rio, que agora vai ter em São Paulo no domingo. O movimento pelas diretas cresce. Esse são elementos que vão construir o futuro e suas alternativas. Assim a sociedade pode exigir do governo um outro futuro. Se esse governo não quiser dar, que saia da frente”, encerrou.

 
+ Clipagem

Reforma da Previdência - 44 coisas que você não pode deixar de saber - Leiam a matéria em anexo. Repense, reavalie esta Reforma da Previdência proposta. Faça sua parte, ajude na di

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br