Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Quanto mais corrupto for o país, mais leis ele terá
Tácito
12/09/2016

Balão furado

Cida Damasco

Colunista jornal Estado de São Paulo

Começou mal o debate sobre reforma trabalhista. Em encontro com sindicalistas de 19 Estados, o ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira, disse que a proposta do governo incluía ampliar a jornada de trabalho para até 12 horas. Foi o suficiente. A declaração incendiou as redes sociais, provocou a ira de trabalhadores e políticos de oposição e, em menos de 24 horas, teve de ser desmentida.

“Orientado” pelo presidente Michel Temer, o ministro explicou que citou apenas um exemplo hipotético e que uma jornada de 12 horas seria mesmo “escravidão”. Mais ainda: garantiu que jornada de trabalho, 13º salário, férias e fundo de garantia são direitos consolidados.

Verdade seja dita, na tal entrevista polêmica, o ministro já havia esclarecido que a ampliação da jornada de 8 para até 12 horas seria apenas uma flexibilização. O limite semanal continuaria em 44 horas, com mais 4 extras: haveria a possibilidade de alterar a distribuição dessa carga pelos dias da semana. Mas, pela reação do público, muitos nem passaram para a segunda parte.

Ainda dentro da reforma trabalhista, o Ministério da Fazenda também teve de fazer o seu recuo. Desmentiu a intenção do governo de mudar as regras do FGTS. Segundo a Fazenda, o lançamento de um edital para a elaboração de um estudo sobre o tema indicaria apenas o objetivo de acumular subsídios para promover discussões internas.

Se não há intenção de mexer em nenhuma dessas duas coisas, foi ruído desnecessário. Ou melhor, ruído prejudicial a um debate consequente. Dando nome aos bois, o ministro do Trabalho foi no mínimo inexperiente ao tratar de uma hipótese tão explosiva na conversa com uma parte dos interessados – na verdade, a que seria prejudicada caso essa “escravidão” vingasse.

Se alguém está pensando nisso dentro do Planalto, e recorreu à velha alternativa do “balão de ensaio”, a complicação é maior ainda. Um desmentido agora seguido de uma confirmação mais tarde pode minar a confiança do governo e emperrar ainda mais o encaminhamento da reforma trabalhista.

Fonte: Estadao
 
+ Clipagem

Reforma da Previdência - 44 coisas que você não pode deixar de saber - Leiam a matéria em anexo. Repense, reavalie esta Reforma da Previdência proposta. Faça sua parte, ajude na di

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br