Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Pessimista é um otimista bem informado.
Autor Desconhecido
12/08/2016

Barroso devolve vista no julgamento sobre desconto de salário em caso de greve

"Na ausência de lei específica que regulamente o direito de greve no serviço público, deve ser aplicada, por analogia, a Lei 7.783/89, que disciplina paralisações dos trabalhadores da iniciativa privada, e prevê o desconto de dias não trabalhados."

O ministro Roberto Barroso devolveu, na semana passada, o recurso extraordinário – com repercussão geral reconhecida – em que o Supremo Tribunal Federal (STF) vai decidir se é ou não constitucional o desconto nos vencimentos dos servidores públicos dos dias não trabalhados em virtude de adesão a greves. Barroso havia pedido vista do processo há quase um ano.

O RE 693.456 foi autuado em junho de 2012, e o julgamento pelo plenário foi suspenso pelo pedido de vista de Barroso em 2 de setembro do ano passado, depois dos votos conflitantes dos ministros Dias Toffoli (relator) e Edson Fachin.

No caso concreto, o recurso foi interposto contra acórdão do Tribunal de Justiça fluminense (TJ-RJ) que determinou à Fundação de Apoio à Escola Técnica do Estado do Rio de Janeiro (Faetec) que se abstivesse de efetuar desconto em folha de pagamento dos trabalhadores em decorrência de greve realizada entre março e maio de 2006. A fundação alega que o exercício do direito de greve por parte dos servidores públicos implica automaticamente o desconto dos dias não trabalhados.

Na sessão em que se iniciou o julgamento do RE, no ano passado, o relator Dias Toffoli concordou com os argumentos da Faetec, nos seguintes termos: “Ao admitir o desconto dos dias paralisados, esta Corte, com o devido respeito àqueles que pensam em contrário, não está a negar o exercício do direito do servidor público de realizar greve. Pelo contrário, pois a participação do servidor público em um movimento paredista não implica a prática de um ilícito. Entretanto, esse direito possui limites e ônus, em especial, por se tratar o serviço público de atividade de importância estratégica para o Estado em prol da sociedade”.

O voto do relator seguiu o parecer da Advocacia-Geral da União na linha de que, na ausência de uma lei específica que regulamente o direito de greve no serviço público, deve ser aplicada, por analogia, a Lei 7.783/89, que disciplina as paralisações dos trabalhadores da iniciativa privada, e prevê o desconto dos dias não trabalhados.

Ao abrir a divergência, o ministro Edson Fachin entendeu que o desconto violaria o direito de greve dos servidores públicos, e que eventual desconto poderia ser feito com base em decisão judicial.

Naquela oportunidade, os ministros Ricardo Lewandowski e Gilmar Mendes praticamente anteciparam os seus votos favoráveis ao entendimento do relator Dias Toffoli. O primeiro comentou que oserviço público “não pode parar”; o segundo que “é preciso respeitar os cidadãos que precisam do serviço público”.

Liminar

Um mês depois do início do julgamento do RE 693.456, o ministro Edson Fachin manteve a sua posição, ao deferir liminar em mandado de segurança (MS 33.782) para suspender decisão do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) que determinara o corte de remuneração dos servidores em greve no Tribunal Regional do Trabalho (TRT) da 1ª Região, no Rio de Janeiro.

Ele lembrou que a questão do desconto nos vencimentos de servidores grevistas estava em suspenso, até a conclusão do julgamento do RE com repercussão geral, e que a liminar no mandado de segurança proposto pelo Sindicato dos Servidores das Justiças Federais no Estado do Rio de Janeiro (Sisejufe) devia ser concedida, até que o plenário da Corte desse a palavra final sobre a controvérsia.

Fonte: UOL/Jota
 
+ Clipagem

Reforma da Previdência - 44 coisas que você não pode deixar de saber - Leiam a matéria em anexo. Repense, reavalie esta Reforma da Previdência proposta. Faça sua parte, ajude na di

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br