Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

É claro que meus filhos terão computadores, mas, antes disso, terão livros.
Bill Gates
23/06/2016

Para Planalto, pior decisão (sobre Previdência) é não fazer nada

Ciente das resistências que a reforma da Previdência enfrenta e enfrentará, o governo adotou como estratégia a responsabilização dos sindicalistas e do Congresso sobre o futuro do sistema. Nas discussões em torno da proposta antes de seu encaminhamento ao Legislativo, a ideia é mostrar, em números, a consequência das opções que serão escolhidas.

Quanto mais brandas as medidas, menor a eficiência em atacar o problema do déficit e maior o risco de se repetir, no Brasil, o que se viu na Grécia, em Portugal e na Espanha: os aposentados terem de amargar uma redução em seus benefícios. A situação que se vê em alguns Estados, como o Rio de Janeiro, Minas Gerais e Distrito Federal, onde os aposentados do setor público estão recebendo com atraso, ajuda a mostrar que não se trata de um blefe.

Assim, o governo vai pressionar pela reforma mais eficiente possível. A ordem é não abrir mão de apresentar caminhos. Mas a proposta poderá até ser abrandada, se ficar claro que não há chances de passar no Congresso. Nesse caso, porém, a ideia é informar à sociedade as consequências disso. No Planalto, a avaliação é que a pior reforma é a que não acontece.

Há, porém, um limite até onde o governo pode recuar. Ele é dado pela projeção futura das contas da Previdência. "A curva do déficit não pode apontar para o alto", disse um técnico.

Cautela Se há urgência no encaminhamento da reforma por causa da economia, a política recomenda justo o contrário. O presidente em exercício Michel Temer tem sido aconselhado por ministros a só encaminhar a proposta após a definição quanto ao impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff. Há ainda os que recomendam enviar o texto só no fim do ano, após as eleições, para não dar munição à oposição.

Até o momento, as discussões com os sindicalistas produziram ao menos um consenso, segundo avaliação do governo: o de que é preciso reformar o sistema. A concordância acaba aí. Há divergências sobre o tamanho, a intensidade e o timing das mudanças.

O presidente da Força Sindical, Paulo Pereira da Silva, também deputado federal (SD-SP), defende que a reforma da Previdência seja discutida depois de o governo corrigir os "erros do passado", como a concessão da desoneração da folha, as isenções às entidades filantrópicas, a tributação do agronegócio, os parcelamentos concedidos por meio do Refis. "Se fizer tudo o que nós propusemos, o rombo fica menor e aí nós poderemos discutir", disse.

Fonte: AE
 
+ Clipagem

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

Vladimir Safatle alerta para o fim do emprego - Nunca na história da República o Congresso Nacional votou uma lei tão contrária aos interesses da maioria do povo brasil

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br