Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Aconselho que se case.Se o faz será um homem feliz, se não o faz será filósofo.
Sócrates
23/06/2016

Para Planalto, pior decisão (sobre Previdência) é não fazer nada

Ciente das resistências que a reforma da Previdência enfrenta e enfrentará, o governo adotou como estratégia a responsabilização dos sindicalistas e do Congresso sobre o futuro do sistema. Nas discussões em torno da proposta antes de seu encaminhamento ao Legislativo, a ideia é mostrar, em números, a consequência das opções que serão escolhidas.

Quanto mais brandas as medidas, menor a eficiência em atacar o problema do déficit e maior o risco de se repetir, no Brasil, o que se viu na Grécia, em Portugal e na Espanha: os aposentados terem de amargar uma redução em seus benefícios. A situação que se vê em alguns Estados, como o Rio de Janeiro, Minas Gerais e Distrito Federal, onde os aposentados do setor público estão recebendo com atraso, ajuda a mostrar que não se trata de um blefe.

Assim, o governo vai pressionar pela reforma mais eficiente possível. A ordem é não abrir mão de apresentar caminhos. Mas a proposta poderá até ser abrandada, se ficar claro que não há chances de passar no Congresso. Nesse caso, porém, a ideia é informar à sociedade as consequências disso. No Planalto, a avaliação é que a pior reforma é a que não acontece.

Há, porém, um limite até onde o governo pode recuar. Ele é dado pela projeção futura das contas da Previdência. "A curva do déficit não pode apontar para o alto", disse um técnico.

Cautela Se há urgência no encaminhamento da reforma por causa da economia, a política recomenda justo o contrário. O presidente em exercício Michel Temer tem sido aconselhado por ministros a só encaminhar a proposta após a definição quanto ao impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff. Há ainda os que recomendam enviar o texto só no fim do ano, após as eleições, para não dar munição à oposição.

Até o momento, as discussões com os sindicalistas produziram ao menos um consenso, segundo avaliação do governo: o de que é preciso reformar o sistema. A concordância acaba aí. Há divergências sobre o tamanho, a intensidade e o timing das mudanças.

O presidente da Força Sindical, Paulo Pereira da Silva, também deputado federal (SD-SP), defende que a reforma da Previdência seja discutida depois de o governo corrigir os "erros do passado", como a concessão da desoneração da folha, as isenções às entidades filantrópicas, a tributação do agronegócio, os parcelamentos concedidos por meio do Refis. "Se fizer tudo o que nós propusemos, o rombo fica menor e aí nós poderemos discutir", disse.

Fonte: AE
 
+ Clipagem

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

Vladimir Safatle alerta para o fim do emprego - Nunca na história da República o Congresso Nacional votou uma lei tão contrária aos interesses da maioria do povo brasil

FRENTE EM DEFESA DA DIGNIDADE DO TRABALHO NO FACEBOOK - Colegas.A AGITRA INTEGRA INTEGRA ESTA FRENTE EM DEFESA DA DIGNIDADE DO TRABALHO E TEM SEDIADO AS REUNIÕES PREPARA

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br