Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Perdoe os outros por muitas coisas, mas não perdoe a si mesmo por nada.
Publilius Syrus
02/05/2016

Esquivel chama a atenção para um “golpe branco” em toda América Latina

Ele chegou ao meio-dia na Praça da Redenção. No 1º de Maio, o prêmio Nobel da paz, o escultor e militante da não-violência argentino, Adolfo Pérez Esquivel, subiu no caminhão de som para falar de um golpe branco em curso não apenas no Brasil, mas em toda a América Latina. Levou seu abraço solidário às cerca de 10 mil pessoas que circularam no entorno do Monumento ao Expedicionário. No domingo, os trabalhadores definiram uma jornada de luta contra o golpe que aponta para greve geral em 10 de maio.

Esquivel diz que os tempos são difíceis para a democracia e que há um movimento de ataque aos direitos dos trabalhadores em toda a América Latina“A unidade dos trabalhadores e do povo é muito importante no Brasil e na América Latina frente ao golpe de estado branco. Antes necessitavam de exércitos para dar golpes. Hoje não precisam mais. Basta levantar os meios de comunicação”, disse Esquivel.

Quanto à sua visita ao Senado, ele teceu um breve comentário. Esquivel falou durante um minuto, no parlamento, e foi interrompido por deputados da oposição ao governo Dilma, mas que aquele tempo valeu a pena. “Falei um minuto no Senado em Brasília. Esse minuto deu a volta ao mundo denunciando o golpe. Quando há censura, não há liberdade. O povo tem direito à sua soberania, à sua identidade, à sua diversidade. Para isso, é preciso um modelo de desenvolvimento justo”, explicou.

Os exemplos trazidos por Pérez Esquivel mostram que a metodologia do golpe no Brasil repete aquilo que já funcionou em Honduras, com a deposição do presidente Manoel Zalaya, e no Paraguai, com o presidente Fernando Lugo, ambos derrubados por interesses em recursos dos dois países. “A coisa mais importante é a defesa da democracia no Brasil. Se não a defendermos, vai se desenvolver o autoritarismo e o pensamento único”.

Outra questão levantada pelo Nobel da paz diz respeito à motivação dos partidos conservadores em conseguir dar o golpe. Além dos recursos nacionais, há o interesse nas estatais. “Estamos num momento em toda a América Latina de ameaça à diversidade. A grande riqueza dos povos é a diversidade. Eles têm pressa e rapidamente conseguem vender todo o patrimônio público e a diversidade dos povos. Nunca de joelhos, sempre de pé para defender a soberania dos povos”.

Fonte: PT e O Globo
 
+ Clipagem

Reforma da Previdência - 44 coisas que você não pode deixar de saber - Leiam a matéria em anexo. Repense, reavalie esta Reforma da Previdência proposta. Faça sua parte, ajude na di

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br