Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Jamais culpe o seu próximo antes de ter estado em seu lugar.
O Talmude
21/01/2016

Servidor público ganha mais tempo para pagar empréstimo consignado

Por causa da crise, governos e prefeituras ampliaram prazos e limites de pagamento. Mas a vantagem pode virar uma armadilha financeira.

Por causa da crise, governos e prefeituras esticaram os prazos e os limites de pagamento de empréstimos consignados. É uma tentativa de socorrer servidores públicos endividados. Mas economistas alertam para o risco de uma armadilha financeira no orçamento doméstico.

Setenta e seis anos, aposentado e endividado. Há três anos, Edilton Ferreira Lima viu as dívidas aumentarem porque a aposentadoria não estava mais dando para pagar as contas. Aí, ele teve que recorrer a um empréstimo com desconto em folha."Não havia outra alternativa", diz. E não foi o único. Hoje, ele tem dois empréstimos e alguns anos pela frente de prestações a pagar

Bom Dia Brasil: Falta muito?Edilton: Não penso e nem quero pensar.

Os juros do empréstimo consignado são mais baixos porque o banco desconta diretamente do salário, ou seja, não existe risco de calote. Mas não dá para abusar.

Edilton sabe disso. Só que com a aposentadoria de R$ 1,4 mil, ele não teve escolha. Ninguém pega um empréstimo sem haver uma necessidade, é sempre para pagar dívidas, muito pouco para proveito próprio", diz ele.

Com o orçamento apertado, a proposta do gerente do banco pode ser tentadora. "Aí ele diz, 'olha, vamos fazer uma coisa bonitinha, você fica só pagando R$ 50 durante 200 anos', é força de expressão", brinca Edilton.

É, não chega a 200 anos. Mas com a inflação mordendo o poder de compra do brasileiro, servidores públicos passaram a receber prazos mais elásticos para quitação dos empréstimos. E limites maiores.

Foi o caso da prefeitura do Rio, que este mês aumentou o prazo de seis para dez anos. E autorizou o servidor a comprometer até 40% do salário com as parcelas. Aproximadamente quatro em cada dez funcionários da prefeitura do Rio já recebem o contracheque com desconto de pelo menos um empréstimo.

Em São Paulo, o governo também ampliou o prazo. De cinco para oito anos para os servidores estaduais. E elevou o limite de 30% para 40% da renda.

Os servidores federais também têm até oito anos para saldar a dívida. E desde outubro do ano passado, o limite passou de 30% para 35%

Para os aposentados, o prazo de pagamento é de, no máximo, seis anos. Os funcionários públicos estão optando por empréstimos a perder de vista. De acordo com um levantamento do Banco Central, o tempo médio de quitação em novembro de 2015 foi o maior no período de 14 meses.

O problema é que quanto mais se estica o empréstimo, mais alta fica a dívida. "É bom pedir antes ao banco a simulação e olhar a soma de juros que você vai pagar, então uma forma de não cair na armadilha é olhar essa soma de juros porque ela assusta", aconselha a economista Myrian Lund, da Fundação Getúlio Vargas.

Em dez anos, você pode pagar só de juros três vezes mais do que tomou emprestado. E aí vai o conselho da planejadora financeira: fuja de empréstimos muito longos. "Para que isso não afete o seu padrão de vida. Senão, você vai ter que abrir mão de despesas que você hoje tem, como lazer, viagens, restaurantes, você vai ter que abrir mão disso tudo para poder pagar essa prestação", explica Myrian Lund.

Fonte: O Globo
 
+ Clipagem

Brasil vive apagão estatístico sobre mercado de trabalho - Sem dados de IBGE, Caged e seguro-desemprego, país pode ficar sem saber dano do coronavírusFernanda Brigatti

Reforma da Previdência - 44 coisas que você não pode deixar de saber - Leiam a matéria em anexo. Repense, reavalie esta Reforma da Previdência proposta. Faça sua parte, ajude na di

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br