Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Uma pessoa realmente bondosa não pode ser rica. Uma pessoa rica, sem dúvida, não é bondosa
Provérbio chinês
06/11/2015

Ex-prefeito de Unaí nega relação com chacina

O fazendeiro Antério Mânica negou nesta quinta-feira, 5, participação na chacina de Unaí em interrogatório durante seu julgamento como acusado, pelo Ministério Público Federal, de ser um dos quatro mandantes do crime.

A chacina aconteceu em 28 de janeiro de 2004 na cidade do noroeste de Minas Gerais. Foram assassinados a tiros na zona rural de Unaí três auditores fiscais e um motorista do Ministério do Trabalho e Emprego que inspecionavam fazendas suspeitas de contratação irregular de trabalhadores.

Antério, que foi prefeito de Unaí por dois mandatos, confirmou já ter sido multado em R$ 21 mil por fiscais, valor que classificou como pequeno. "Tive prejuízos maiores com devedores. Matar não é o caminho." No depoimento, o ex-prefeito disse que não tem relação com o irmão Norberto Mânica, também acusado de ser mandante da chacina e condenado a 100 anos de prisão. "Falam de crime dos Mânica. Eu sou Antério. Não sou Norberto. Ele é meu irmão. Os Mânica são cinco irmãos produtores rurais", afirmou o ex-prefeito. A família Mânica têm negócios na região e os irmãos foram grandes produtores de feijão.

Carro Antério confirmou que a família tinha um Fiat Marea azul escuro que, conforme a denúncia do Ministério Público Federal, foi visto próximo ao posto de gasolina em que o grupo de pistoleiros contratados para a chacina se reuniram na noite anterior ao crime. O fazendeiro, no entanto, negou que estava dentro do veículo. "Não era eu quem estava no carro", disse.

O fazendeiro confirmou ter ligado para o escritório regional do Ministério Público do Trabalho, logo depois da chacina, que aconteceu por volta das 9h da manhã, para saber o que tinha acontecido com os funcionários do Ministério do Trabalho.

Conforme a Procuradoria Regional da República, o contato com o escritório demonstraria o interesse do fazendeiro no assassinato dos fiscais. Segundo Antério Mânica, o objetivo do contato era saber o que havia acontecido com os servidores públicos federais.

Fonte: AE
 
+ Clipagem

Reforma da Previdência - 44 coisas que você não pode deixar de saber - Leiam a matéria em anexo. Repense, reavalie esta Reforma da Previdência proposta. Faça sua parte, ajude na di

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br