Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Aquele que faz o mal prejudica em primeiro lugar a si mesmo, antes de prejudicar os outros.
Santo Agostinho
05/10/2015

Projeto prevê reforço de R$ 83 bilhões para a Previdência

Por João Villaverde Brasília, 03 (AE) - Diante da grave crise fiscal e do fato de que cerca de 90% dos gastos públicos são obrigatórios, o governo Dilma Rousseff recebeu do relator do Orçamento 2016 no Congresso medidas alternativas que podem gerar uma economia de quase R$ 83 bilhões em um ano. São cinco propostas feitas pela consultoria técnica de Orçamento do Congresso e repassadas pelo relator Ricardo Barros (PP-PR) aos ministros Joaquim Levy (Fazenda), Nelson Barbosa (Planejamento) e Carlos Gabas (Previdência), a que o jornal "O Estado de S. Paulo" teve acesso.

"Entreguei todas as nossas propostas aos ministros Levy, Gabas, Nelson Barbosa Apresentamos alternativas e agora é com o governo definir as questões políticas para estabelecer o que pretende fazer", disse Barros.

A mais dramática dessas medidas é o combate à fraude na aposentadoria rural. Segundo dados da Previdência, o governo pagou aposentadorias e pensões a 8,3 milhões de pessoas em 2013. No entanto, a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) do mesmo ano apontava que somente 5 milhões de homens e mulheres com os pré-requisitos para receberem aposentadorias (60 e 55 anos ou mais, respectivamente) moravam no campo. "O potencial de fraude, no limite, chega a 40%, mas considerando que uma auditoria cancelasse 3% dos benefícios, haveria uma economia anual de R$ 2,7 bilhões", aponta o estudo.

Levy colocou técnicos para estudar a proposta e está entusiasmado, mas a ideia encontra resistência na Previdência Social e na área política do governo. Segundo apurou o jornal, o Palácio do Planalto entende que as aposentadorias rurais constituem muito mais uma política social do que uma estratégia previdenciária, e mudanças devem ser estudadas com ainda mais cautela. Além disso, pesa o fato de que o aposentado rural depende de sindicatos para conseguir o benefício - e essas entidades são majoritariamente ligadas à Contag, braço da Central Única dos Trabalhadores (CUT) e do PT.

Na equipe econômica, mudanças na área previdenciária são consideradas prioritárias para o ajuste fiscal. Aposentadorias e pensões constituem os maiores gastos do governo federal, todos os anos. Além disso, mudanças em uma área sensível para o governo seriam uma sinalização importante para o mercado e as agências de classificação de risco.

Outra medida em estudo é a organização da previdência dos militares. Hoje, os militares recolhem apenas 7,5% dos seus rendimentos à Previdência, ante 11% dos demais servidores civis. A aposentadoria dos servidores civis foi reformada por Dilma em 2012, com a criação da Funpresp, que iguala o regime do funcionalismo ao dos demais trabalhadores na iniciativa privada. Os militares foram deixados de fora por uma decisão política do governo.

A proposta seria manter o regime previdenciário dos militares como está e apenas elevar a alíquota da contribuição exigida dos atuais 7,5% para 11%. Isso aumentaria a arrecadação em R$ 1,1 bilhão por ano. O governo acolheu a ideia, mas somente promoverá alterações após negociações com o Ministério da Defesa, que não começaram.

Dívida Uma terceira medida em estudo é a cobrança administrativa da dívida ativa, com melhoria dos instrumentos de cobrança judicial. Em 2013, a recuperação, mesmo incluindo o Refis criado naquele ano, foi de apenas 1,8% do total. Dívidas de contribuintes com a União inferiores a R$ 20 mil não são sequer ajuizadas porque o Ministério da Fazenda entende que o custo da cobrança e da operação não compensa o resultado. "Especialistas em cobrança tanto da iniciativa privada quanto dos bancos públicos consideram que cerca de 30% da dívida ativa é recuperável", diz o estudo entregue pelo relator ao governo. Considerando a recuperação de 30% de uma parcela equivalente a 20% do montante total da dívida ativa renderia ao governo R$ 78 bilhões.

Outra sugestão encaminhada é fazer a Fazenda repassar todos os créditos abaixo de R$ 20 mil para o Banco do Brasil ou a Caixa para eles iniciarem a recuperação. Finalmente, as duas últimas medidas são a estruturação do regime próprio dos servidores da União e a contribuição previdenciária de servidores da Polícia Civil, Militar e Corpo de Bombeiros do Distrito Federal (DF). No primeiro caso, a proposta é criar uma unidade gestora única de todos os benefícios - hoje, há centenas de unidades na União. Isso poderia trazer uma economia anual de R$ 1,3 bilhão. No segundo caso, a proposta é definir quais são as responsabilidades dos servidores de segurança pública do DF, que recolhem contribuição previdenciária para o Estado, mas o pagamento das aposentadorias sai dos cofres da União.

Fonte: AE
 
+ Clipagem

Reforma da Previdência - 44 coisas que você não pode deixar de saber - Leiam a matéria em anexo. Repense, reavalie esta Reforma da Previdência proposta. Faça sua parte, ajude na di

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br