Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

O amor é infalivel; não tem erros, pois todos os erros são falta de amor.
William Law
09/09/2015

Para FGV, mercado de trabalho mantém tendência de deterioração

Os indicadores de emprego da Fundação Getulio Vargas (FGV) mostram que o mercado de trabalho deverá continuar se deteriorando. O Indicador Antecedente de Emprego (IAEmp), que mede o apetite de empresários para contratar, caiu 2,6% em agosto ante julho. Já o Indicador Coincidente de Desemprego (ICD), que reflete a percepção dos brasileiros sobre o mercado de trabalho, caiu 1,4% - isso significa uma melhora, na visão dos consumidores, mas a tendência ainda é de piora, segundo a FGV.

A equipe do Instituto Brasileiro de Economia (Ibre/FGV) projeta a taxa de desemprego, calculada pela Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad Contínua), em 8,5% na média de 2015 e em 9,5%, em 2016 - ante uma média de 6,8% em 2014. No segundo trimestre, a Pnad Contínua registrou taxa de 8,3%, maior nível da série da nova pesquisa do IBGE, iniciada em 2012. "A tendência é continuar aumentando", afirmou Moura.

Com o recuo de 2,6%, o IAEmp atingiu, aos 64,2 pontos, o menor nível desde janeiro de 2009 (62,8 pontos), auge da crise internacional iniciada em 2008. Moura chamou a atenção para o quadro no setor de serviços. O indicador que retrata a situação atual dos negócios para o setor de serviços (-7,0%) foi um dos que puxaram a queda no IAEmp. Outro componente que teve contribuição negativa foi a tendência dos negócios para os próximos seis meses na indústria (-5,1%).

"Foi o setor onde a crise chegou por último, afetado pela piora na massa de rendimentos", disse o pesquisador do Ibre/FGV, lembrando que o desempenho do setor de serviços é muito dependente do consumo das famílias, que, em 2015, começou a puxar o Produto Interno Bruto (PIB) para baixo.

Por outro lado, o recuo de 1,4% do ICD, a primeira queda após sete meses seguidos de alta, significa que a percepção dos consumidores sobre o mercado de trabalho melhorou, mas Moura minimizou o movimento e destacou que dificilmente o índice escapa da tendência de alta, ou seja, de piora.

Para o pesquisador, o recuo no ICD foi apenas uma "oscilação normal da série", que vinha subindo desde o início do ano. Quando se olha para a média móvel trimestral, o indicador médio de junho a agosto ainda apresenta queda em relação ao período imediatamente anterior.

Fonte: AE
 
+ Clipagem

Reforma da Previdência - 44 coisas que você não pode deixar de saber - Leiam a matéria em anexo. Repense, reavalie esta Reforma da Previdência proposta. Faça sua parte, ajude na di

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br