Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

O amor é infalivel; não tem erros, pois todos os erros são falta de amor.
William Law
03/09/2015

Barbosa: problemas do emprego e da Previdência não podem ser resolvidos por MPs

O ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, afirmou nesta quarta-feira, 2, que os problemas relacionados ao emprego e à Previdência não podem ser resolvidos por Medidas Provisórias (MPs) e, sim, por meio de diálogos e grupos de trabalho. Na abertura do Fórum de Debates sobre Política de Emprego, Trabalho e Renda e de Previdência Social, no Palácio do Planalto, Barbosa disse a sindicalistas e representantes de confederações que os debates em torno das questões não podem ser adiados. "Essa discussão não pode mais ser adiada, mas é uma discussão de longo prazo, não é para ser resolvida num fim de semana ou para ser resolvida via medida provisória", disse. "Primeiro tem que ser discutida e depois ser enviada ao Congresso Nacional." O ministro, que fez uma apresentação sobre o cenário fiscal e os desafios da Previdência, disse ainda que todas as medidas adotadas até agora pelo governo, como as alterações no seguro-desemprego, abono salarial, que foram feitas via MP, terão efeitos graduais e ainda não representarão alívio fiscal para o País. "Todas as medidas que a gente adotou, sejam da Previdência, do seguro-desemprego, do abono salarial, têm efeitos graduais que, no início, não vão dar grande alívio fiscal, mas, com o passar do tempo, podem melhorar muito a situação fiscal do Brasil e, o mais importante, podem garantir que a Previdência seja sustentável", disse.

Barbosa não ficou durante todo o Fórum, que durou cerca de três horas. Ele disse que o objetivo do evento é ter um debate "franco e aberto" para construir as soluções nos setores de emprego e previdência social e destacou que todas as propostas que poderão surgir nos debates e, futuramente, vierem a ser implementadas serão graduais. "Vamos sempre respeitar aquela regra que a gente adota de que qualquer ação ou qualquer medida que eventualmente seja adotada terá impacto apenas no futuro, com efeitos bem graduais", afirmou. "O objetivo é garantir que daqui a 40 anos aqueles 25% que serão idosos, e eu espero estar entre eles, tenham um sistema de previdência que tenha capacidade de pagar os benefícios", completou.

Durante sua apresentação, Barbosa disse que o País já começa a vislumbrar uma saída para a crise e que o crescimento do saldo comercial vai marcar o início da uma recuperação. "A boa notícia é que as exportações já começam a se recuperar, mas a má notícia é que o Brasil é tão grande que isso não é suficiente", disse. O ministro disse ainda que na medida em que o governo conseguir controlar a inflação e puder baixar a taxa de juros, o crédito pode voltar a crescer e "um novo ciclo" de crescimento e investimentos vai surgir. "O nome do jogo é produtividade", afirmou.

Barbosa citou o Orçamento de 2016 apresentado esta semana com déficit para dizer que "todo governo tem que trabalhar com o que possui" e que o governo está trabalhando para recompor as despesas primárias. "Para recuperar a estabilidade fiscal é preciso controlar crescimento de previdência e controlar crescimento do gasto de pessoal", afirmou, citando o protesto que acontecia naquele momento de servidores que pediam a derrubada do veto da presidente Dilma Rousseff em relação ao reajuste entre 53% e 78,56% para servidores do Judiciário. "Essa negociação está em curso e explica parte do barulho que vocês estão ouvindo aqui", disse, referindo-se aos buzinaços que aconteciam no gramado do Congresso.

CPMF Coube a representantes de confederações os apelos aos ministros para que o governo evite a criação de novos impostos, como a CPMF. O presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson de Andrade, fez as críticas mais duras ao afirmar que hoje já não há segurança para investir no País e que a elevação de tributos não seria suportada pela economia brasileira. "É bobagem dizer que quem paga imposto é a empresa, quem paga é a sociedade. O que vai resolver os problemas do País são mudanças estruturais sérias", disse. Nem Barbosa nem o secretário-geral da Presidência, ministro Miguel Rossetto, responderam ao empresário, que teve apoio de outras entidades.

Calendário O encontro realizado nesta quarta-feira, 2, aprovou o Plano de Trabalho do Fórum e instituiu um calendário das próximas reuniões. Além disso, ficou definido que a estrutura do Fórum será dividida em dois grupos de trabalho, um que tratará sobre crescimento, trabalho, emprego e renda, e outro que cuidará das propostas e medidas sobre a Previdência Social e aposentados. A coordenação geral ficará a cargo da pasta de Rossetto, já o grupo de trabalho, chamado de GT1, será coordenado pelo Ministério do Trabalho e Emprego e o GT2 será tocado pelo Ministério da Previdência Social. A próxima reunião plenária acontecerá no dia 14 de outubro, também no Palácio do Planalto. A previsão é que todos os meses haja reuniões plenárias até que no dia 17 de fevereiro seja apresentado o relatório final do fórum, que, posteriormente, será encaminhado à presidente Dilma.

Fonte: O Globo
 
+ Clipagem

Reforma da Previdência - 44 coisas que você não pode deixar de saber - Leiam a matéria em anexo. Repense, reavalie esta Reforma da Previdência proposta. Faça sua parte, ajude na di

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br