Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Perdoe os outros por muitas coisas, mas não perdoe a si mesmo por nada.
Publilius Syrus
17/08/2015

Operários da Vila dos Atletas são encontrados em condições análogas à de escravidão

Operários são encontrados trabalhando em condições análogas à de escravidão em uma obra de um megaevento esportivo.

Nos últimos anos, nos acostumamos a associar a situação acima à Copa do Qatar-2022, onde milhares de imigrantes já morreram por conta do trabalho extenuante e em péssimas condições. Mas dessa vez, a má notícia vem de um lugar bem mais próximo: Rio de Janeiro, sede da Olimpíada de 2016.

Foi lá que o MPT-RJ (Ministério Público do Trabalho no Rio de Janeiro) e o MTE (Ministério do Trabalho e Emprego) encontraram 11 operários trabalhando em situação semelhante à de escravidão em obras do condomínio que será usado como Vila dos Atletas durante os Jogos.

Os trabalhadores saíram de Maranhão, Paraíba, Bahia e Espírito Santo e trabalhavam para a Brasil Global Serviços, contratada pelas construtoras Odebrecht e Queroz Galvão.

Segundo a procuradora responsável pela investigação, Valéria Correa, eles saíram de seus estados com a promessa de receber alojamento, alimentação e reembolso da passagem. Foram encontrados vivendo em uma casa e duas quitinetes, na comunidade Beira Rio, sem estrutura mínima e condições de higiene, vivendo em meio a ratos, baratas e esgoto. Alguns dormiam foram das casas por conta da sujeira.

A empresa pagou R$ 70 mil em rescisões e vai alojar os trabalhadores em um hotel, além de reembolsar as passagens de ida para o Rio e pagar pelas de retorno. O MPT-RJ entrará com ação para pedir pagamento por danos morais aos trabalhadores.

A notícia é mais uma mancha na organização dos Jogos, que já teve famílias removidas de suas comunidades com ações truculentas, quebra de promessa da despoluição da baía de Guanabara e deve ver nos próximos dias um aumento nos gastos.

Ao UOL, o comitê organizador da Rio-2016 disse que não faria comentários específicos, mas disse repudiar qualquer tipo de trabalho desse tipo.

É pouco. A indignação tem que ser de todos os envolvidos, Rio-2016, COI, prefeitura, atletas. Devem exigir que as obras olímpicas sejam feitas dentro da lei. Não dizem que a Olimpíada é uma ferramenta de transformação? Que seja de fato.

O mundo grita contra a Copa no Qatar, e descobrimos que problemas da mesma natureza estão acontecendo no Brasil. O comitê Rio-2016 vai gastar R$ 254,9 milhões no aluguel dos prédios da Vila -que será explorada depois por quem a construiu- para receber os atletas. A previsão inicial era de R$ 45,8 milhões. Enquanto isso, trabalhadores têm seus direitos básicos desrespeitados, e a Olimpíada, sua imagem manchada.

 
+ Clipagem

Brasil vive apagão estatístico sobre mercado de trabalho - Sem dados de IBGE, Caged e seguro-desemprego, país pode ficar sem saber dano do coronavírusFernanda Brigatti

Reforma da Previdência - 44 coisas que você não pode deixar de saber - Leiam a matéria em anexo. Repense, reavalie esta Reforma da Previdência proposta. Faça sua parte, ajude na di

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br