Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

No reinado da lei, o pobre e o rico tem direitos iguais... e o pequeno vence o grande se tem por si a justiça; é uma idéia remota, pois vem de Euripides. Historicamente, porém, é uma idéia falsa: o direito nunca foi outra coisa senão uma organização das desigualdades.
Jean Cruet
23/07/2015

STF pretende retomar negociações sobre reajuste para servidores do Judiciário

O Supremo Tribunal Federal (STF) pretende retomar, a partir de amanhã (23), as negociações com o Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão sobre nova proposta de reajuste para os servidores do Judiciário. Ontem (22), a presidenta Dilma Rousseff vetou integralmente - "por inconstitucionalidade e contrariedade ao interesse público" - o projeto de lei que reajustaria os salários dos servidores em até 78,56%, conforme classe e padrão do servidor. De acordo com o diretor-geral do Supremo, Amarildo Vieira de Oliveira, antes de o projeto de lei ser aprovado pelo Senado, a Corte mantinha contatos com o ministério para fechar um acordo que previa reajuste em quatro parcelas anuais, a partir de 2016.

No entanto, após a aprovação, o governo informou que não teria condições de conceder o aumento conforme aprovado, e as reuniões foram suspensas. Segundo o Ministério do Planejamento, a medida geraria impacto financeiro de R$ 25,7 bilhões para os próximos quatro anos, alterando o equilíbrio fiscal. A questão é tratada pelo STF porque cabe à Corte enviar ao Congresso o projeto de lei que trata do reajuste da categoria.

Na avaliação do diretor-geral, além da situação das contas públicas, o clima de impaciência e de radicalização dos sindicatos dos servidores para pressionar a aprovação do projeto, mesmo sem acordo financeiro com o governo, levou ao veto da presidenta Dilma.

Antes do anúncio do veto, o presidente do STF, ministro Ricardo Lewandowski, rejeitou proposta apresentada pelo governo de reajuste de 21%, em quatro parcelas anuais. No entanto, de acordo com Oliveira,  há consenso de que os servidores terão tratamento diferenciado em relação à nova negociação. Segundo ele, não houve aumento para a categoria em 2009, 2010, 2011 e 2012.

De acordo com dados do Supremo, o Poder Judiciário tem 117.500 servidores. A folha de pagamento é de R$ 28 bilhões, somando magistrados e servidores, e de R$ 24 bilhões, levando-se em conta só servidores.

A Federação dos Trabalhares do Judiciário Federal e Ministério Público da União (Fenajufe) considerou o veto como "grave violação à autonomia do Poder Judiciário e à harmonia e independência entre os Poderes da República". Para a entidade, o reajuste estava dentro dos limites legais. "A falta de previsão orçamentária para o reajuste em 2015 é consequência do corte de recursos no orçamento do Judiciário, realizado pelo governo em 2014. Ainda assim, a execução do projeto estava condicionada, e seria possível sua suplementação em 2015, bem como a inclusão nos orçamentos dos anos seguintes", declarou a federação.

Fonte: Agência Estado
 
+ Clipagem

Reforma da Previdência - 44 coisas que você não pode deixar de saber - Leiam a matéria em anexo. Repense, reavalie esta Reforma da Previdência proposta. Faça sua parte, ajude na di

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br