Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

A vida que nós recebemos nos foi dada não para que simplesmente a admiremos, mas para que estejamos sempre a procura de uma verdade escondida dentro de nós.
John Milton
25/05/2015

Artigo: cegueira deliberada trabalhista

Nos últimos 50 anos, o Direito do Trabalho tem sofrido severos ataques, sob a retórica da modernização e da maior competitividade empresarial. A lei do FGTS e do contrato temporário, o banco de horas, dentre outras, são alterações que objetivaram flexibilizar e reduzir direitos historicamente conquistados.

O mais recente ataque aos direitos trabalhistas atende pelo nome de Projeto de Lei n. 4.330/2004, aprovado pela Câmara dos Deputados e encaminhado ao Senado Federal. A proposta, que agora tramita como Projeto de Lei da Câmara n. 30/2015, permite a terceirização sem limites de toda e qualquer atividade de uma empresa. Atualmente, a permissão é estendida apenas às atividades-meio.

É claro que o fenômeno da terceirização não é recente, do contrário não teríamos 12 milhões de terceirizados no Brasil. Mas engana-se quem pensa que o PLC n. 30/2015 regulamentará a precária situação desses trabalhadores. Se virar lei, provocará a dispensa em massa de muitos dos 35 milhões de brasileiros que têm um emprego direto. Hoje, um trabalhador terceirizado possui salário 24,7% inferior ao pago a um contratado direto, mas trabalha, em média, três horas semanais a mais. São também o maior alvo de assédio moral, discriminação e trabalho escravo.Além disso, a cada 10 acidentes de trabalho fatais, oito envolvem trabalhadores terceirizados. As obras da Copa do Mundo são um exemplo claro dessa matemática: dos 12 acidentes de trabalho com óbito, 11 vitimaram terceirizados.

Para somar-se aos prejuízos, uma lista divulgada pelo Tribunal Superior do Trabalho aponta que dos 100 maiores devedores trabalhistas, 22 são prestadoras de serviços. Ou seja, a terceirização ainda aumenta o risco do "calote", em detrimento do trabalhador.

Por essas e outras razões, o Ministério Público do Trabalho é contra a terceirização da atividade-fim. É seu dever constitucional defender a ordem jurídica e buscar a proteção e o respeito à dignidade dos trabalhadores. E o princípio da independência funcional de seus membros permite que a instituição atue com independência, sem interferência de qualquer Poder. Desse modo, o MPT já ajuizou inúmeras ações civis públicas requerendo a responsabilização solidária dos beneficiários da cadeia produtiva.

Na área têxtil, é comum que pequenas oficinas de costura, para produzirem peças de roupas para grandes grifes a baixo custo, submetam terceirizados a condições degradantes de trabalho. Nesse caso, a omissão da empresa que se beneficiou do trabalho deve ser caracterizada como fraude aos direitos trabalhistas. Enquadra-se na teoria da "Cegueira Deliberada", muito difundida no Direito Penal, segundo a qual o agente que finge ignorar o ilícito também deve ser punido.

Não é por acaso que a mesma Câmara dos Deputados que votou, em sua maioria, favoravelmente ao PL nº 4.330/2004, tem discutido a alteração do artigo 149 do Código Penal, que trata do crime de redução à condição análoga à de escravo, com o objetivo de esvaziar o conceito atual. No ano de 2014, dos 10 maiores flagrantes de trabalho escravo contemporâneo no Brasil, oito diziam respeito a trabalhadores terceirizados. Em outras palavras, terceirização e trabalho escravo andam juntos. Uma vez aprovado pelos senadores e não recebendo o veto presidencial, o Projeto de Lei da terceirização resultará em substancial aumento de acidentes, mortes, trabalho escravo e dispensas, bem como no agravamento da desigualdade social. Na mesma proporção, haverá diminuição de salários e esvaziamento da eficácia dos direitos trabalhistas, em flagrante afronta à luta histórica por trabalho digno. No livro "Ensaio sobre a cegueira", José Saramago adverte acerca da "responsabilidade de ter olhos quando os outros os perderam". Mas, nesse caso, não há cegos. Simplesmente não é conveniente enxergar.

Amanda Fernandes Ferreira Broecker é procuradora do Trabalho em Mato Grosso

Fonte: A Gazeta - MT
 
+ Clipagem

Reforma da Previdência - 44 coisas que você não pode deixar de saber - Leiam a matéria em anexo. Repense, reavalie esta Reforma da Previdência proposta. Faça sua parte, ajude na di

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br