Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

O sabio que tudo sabe é aquele que sabe que nada sabe.
Platão
13/05/2015

Secretário vê 'com preocupação' projeto de reajuste do Judiciário

O secretário-executivo do Ministério do Planejamento, Dyogo Oliveira, disse que o projeto de reajuste do Judiciário é "preocupante e incoerente" em um ano em que as contas do governo passam por forte ajuste. Oliveira entregou ao senador Delcídio Amaral (PT-MS), líder do governo no Senado, um estudo com o impacto do aumento, que é de cerca de 30% e custaria R$ 1,5 bilhão apenas em 2015.

"É incoerente com o momento que o País vive um reajuste dessa magnitude e um custo fiscal desse tamanho", disse. O secretário-executivo defendeu que seja feita uma negociação salarial com todas as carreiras, como o governo fez em anos anteriores. Um aumento agora para o Judiciário poderia abrir caminhos para que os outros poderes apresentem reivindicações semelhantes.

"As carreiras sempre ficam cada uma observando o que é feito para a outra, por isso a gente sempre faz essa estratégia de negociação conjunta. É muito arriscado ter esse aumento agora", completou.

De acordo com Oliveira, há outros projetos de impacto fiscal tramitando no Congresso Nacional que estão no radar da equipe econômica, para evitar surpresas. O PL 7920/2014, que prevê o aumento para os servidores da Justiça, já foi aprovado na Câmara dos Deputados. Está em análise na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado e pode entrar em pauta amanhã. Na semana passada, foi retirado de pauta depois de um pedido de vista de Delcídio.

Estudo O estudo entregue pelo Planejamento mostra que, se o projeto for aprovado, terá impacto de R$ 25,7 bilhões nos próximos anos até 2018. "Atualmente, os servidores do Judiciário já recebem remuneração superior à do Executivo, em todos os níveis. O reajuste em análise na CCJ promoverá um desequilíbrio ainda maior entre carreiras similares dos diferentes poderes da União", afirma o texto.

O estudo alega que o governo já abriu negociação com 40 carreiras e que o reajuste salarial do Judiciário deve seguir os mesmos trâmites. "Sendo assim, o governo federal se posiciona contra a apreciação e votação do PL 7.920/2014", conclui o estudo.

Fonte: Agência Estado
 
+ Clipagem

Reforma da Previdência - 44 coisas que você não pode deixar de saber - Leiam a matéria em anexo. Repense, reavalie esta Reforma da Previdência proposta. Faça sua parte, ajude na di

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br