Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Não te afeiçoes demasiado a alguém. Terás menos alegria e menos dor.
Schopenhauer
30/04/2015

Manoel Dias diz que fica no Trabalho enquanto Dilma e o PDT quiserem

O ministro do Trabalho, Manoel Dias, minimizou nesta quarta-feira, 29, as críticas do presidente do PDT, Carlos Lupi, ao PT. O ministro disse que sua permanência no cargo depende da vontade do diretório nacional do PDT e da presidente Dilma Rousseff. "Continuarei ministro enquanto a presidenta entender - porque o cargo é da presidenta - e quando o partido, pelo seu diretório nacional, tomar uma posição diferente", afirmou ao Broadcast Político, serviço em tempo real da Agência Estado.

Ex-ministro dos governos Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff e um dos "faxinados" do primeiro mandato de Dilma, Lupi, em discurso em evento em São Paulo, disse que os petistas "roubaram demais" e que o partido deles "se esgotou". "O PT exauriu-se, esgotou-se. Olha o caso da Petrobras. A gente não acha que o PT inventou a corrupção, mas roubaram demais. Exageraram. O projeto deles virou projeto de poder pelo poder", disse o presidente do PDT. A declaração foi feita durante um encontro com correligionários na quinta-feira e revelada pelo jornal O Estado de S.Paulo.

O ministro afirmou que a declaração de Lupi foi "tirada do contexto" e que ele "nunca" falou que o PT roubou muito. "Ele falou em roubalheira que todo mundo sabe que houve lá com relação a Petrobras", respondeu o ministro.

Dias lembrou que o partido apoia o governo do PT por concordar com as políticas sociais e trabalhistas adotadas por Dilma e pelo ex-presidente Lula e que a permanência ou não na administração petista não "implica em abandonar o apoio a essas políticas". "Discutir se fica (no governo) ou não é livre", ressaltou. O ministro considera que o governo vive um período de ataque de "setores conservadores da direita" para tentar desestabilizá-lo, como aconteceu nos governos de Getúlio Vargas e João Goulart.

Pronunciamento Durante reunião na manhã desta quarta do Comitê Executivo da Agenda Nacional de Trabalho Decente, o ministro lamentou que a população seja influenciada pelo noticiário negativo. "Nós do governo perdemos a batalha da comunicação", comentou.

Sobre a desistência da presidente Dilma em realizar o tradicional pronunciamento de 1º de Maio, Dias considerou que não é ruim ela não ir ao rádio e à TV. "Ela vai se manifestar nas mídias sociais. É uma opção que é mais próxima (da população), uma maneira de manter o diálogo onde hoje milhões de brasileiros se comunicam. Isso não vai diminuir o debate",

avaliou.

Fonte: Agência Estado
 
+ Clipagem

Reforma da Previdência - 44 coisas que você não pode deixar de saber - Leiam a matéria em anexo. Repense, reavalie esta Reforma da Previdência proposta. Faça sua parte, ajude na di

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br