Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

A vida dos justos e dos bons é feita mais de renuncias do que de conquistas.
Assis Brasil
10/04/2015

Barbosa sinaliza que governo pode ceder em MPs que restringem benefícios

Pela primeira vez desde o anúncio, no fim do ano passado, das Medidas Provisórias (MPs) que alteram regras previdenciárias e trabalhistas, o ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, sinalizou nesta quinta-feira, 9, que o governo vai ceder e aceitar a flexibilização de alguns pontos dos textos. Barbosa ressaltou, entretanto, que a margem de negociação com o Congresso e as centrais sindicais é pequena.

"Nós podemos fazer um acordo em torno dessas medidas", disse, durante audiência pública da comissão mista que discutiu as MPs 664 e 665. "Seria um acordo melhorando as medidas, mas preservando o que é necessário", afirmou Barbosa. Até então, ministros envolvidos nas discussões das MPs se limitavam a afirmar que o governo está aberto ao diálogo e que a negociação seria feita no Congresso.

"Nós sabemos que isso é uma proposta do Executivo. Cabe ao Congresso Nacional analisar, aperfeiçoar, corrigir, melhorar essas medidas", disse Barbosa. Ele ressaltou que é possível adaptar as regras, de modo que seja preservado o caráter do texto, o qual classificou como "essencial, necessário e urgente", mas não quis comentar quais pontos poderiam ser revistos.

Questionado sobre o valor que o governo aceitaria reduzir na economia gerada pelas MPs, estimada pelo ministro em R$ 18 bilhões ao ano, Barbosa foi direto. "O limite é muito pouco, mas ele vai ser definido ao longo da negociação", afirmou. "Eu acho que é possível preservar a direção das medidas, adequando a sua intensidade à preocupação dos parlamentares, mas o espaço é muito pequeno", completou.

Barbosa lembrou que foram feitos seis encontros entre governo e centrais sindicais desde janeiro, nos quais os sindicalistas propuseram que um acordo fosse feito já no início. "Eu falei não, vamos fazer um acordo no Congresso Nacional".

Para o ministro, o fato de parlamentares do PT ocuparem os postos de presidentes e relatores da 664 e da 665 é positivo. "Isso indica o comprometimento do Partido dos Trabalhadores de liderar esse processo de diálogo e construção de um acordo em torno dessas medidas", afirmou.

Depois de os parlamentares ouvirem sindicalistas e especialistas no início da semana, esta foi a última audiência pública das comissões mistas. O ministro da Previdência, Carlos Gabas, também participou. A partir de agora, os relatores seguem com a negociação para elaborar os pareceres sobre as matérias. Os textos precisam ser votados no Congresso até 2 de junho, quando perdem a validade.

Durante a sessão, Barbosa justificou a necessidade das medidas, que criam barreiras de acesso a benefícios como seguro-desemprego, abono salarial, pensão por morte e auxílio-doença. "Tivemos um déficit de 0,6% do PIB no ano passado. Mantidas as condições, esse ano iria ter um déficit maior ainda", disse. Afirmou ainda que as mudanças vão permitir o retorno do crescimento econômico, que, segundo ele, virá a partir do segundo semestre, apesar de o mercado apostar em uma resposta mais lenta da economia.

Ele ressaltou, entretanto, que as MPs não foram propostas como uma ferramenta de ajuste fiscal. Justificou que o ajuste é passageiro, mas as medidas, permanentes.

Fonte: AE
 
+ Clipagem

Reforma da Previdência - 44 coisas que você não pode deixar de saber - Leiam a matéria em anexo. Repense, reavalie esta Reforma da Previdência proposta. Faça sua parte, ajude na di

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br