Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Assim como a abelha colhe o mel de diferentes flores, o homem sábio aceita a essência das diferentes escrituras e vê somente o bem em todas as religiões.
Srimad Bhagavatam
30/03/2015

Projetos de R$ 4,3 bi esperam recursos do FI-FGTS

Pressionada pela crise na indústria de óleo e gás, agravada pela queda na cotação internacional do petróleo e pela Operação Lava Jato, a Petrobrás vê ameaçada a curva de produção que previa alcançar 4,2 milhões de barris de óleo por dia até 2020. Sem a produção, a companhia gera menos receitas e atrasa a recuperação de suas finanças.

Preocupada, a estatal direcionou as novas licitações de plataformas para o exterior e determinou prazos mais rígidos aos fornecedores. O caso mais emblemático é o de seis unidades de produção destinadas a campos prioritários, como Lula, Entorno de Iara e Búzios, no pré-sal da Bacia de Santos. Elas ainda aguardam o resultado de uma nova licitação após o abandono do contrato, em novembro, pelo estaleiro Iesa, citado nas investigações de corrupção. Somente na área de Lula, a estimativa era de produção de 1,4 milhão de barris por dia a partir de 2017, quando dez plataformas deveriam estar em funcionamento.

Desse total, entretanto, duas estão em obras e devem operar no próximo ano. Outras quatro, previstas para 2016 e 2017, integram o pacote suspenso, à espera do resultado da nova licitação. Com uma média de 40 meses para a entrega das unidades, os projetos já estão com cronograma defasado. Parte dos equipamentos e dos módulos está retido com o Iesa, o que pode adiar ainda mais a operação.

A empresa está em recuperação judicial e a Petrobrás tem processos para reaver os módulos. A construção das plataformas, contratada em 2012, exigiu investimento de US$ 720 milhões. Os valores atualizados não foram informados pela empresa. Além das unidades para operação em Lula, o contrato abarcaria plataformas para as áreas de Entorno de Iara e Búzios, referentes aos contratos de cessão onerosa.

Riscos

O caso é também um exemplo dos impactos da corrupção nos contratos da empresa, como citou a agência de classificação de risco Standard & Poors. Em comunicado sobre o rebaixamento da nota individual da estatal, a agência avaliou que os desvios "não apenas estrangularam o financiamento ao plano de investimentos da empresa, como também enfraqueceram seus principais fornecedores, e atrasaram a construção de plataformas de petróleo que poderiam elevar a produção".

As multinacionais que compõem o consórcio de Libra, primeira área do pré-sal a ser leiloada sob regime de partilha, já preveem o adiamento da contratação de uma unidade, prevista para o final do ano, em quatro meses. O esforço agora, segundo fontes, é ajustar com rigidez o cronograma de produção.

Em nota, a Petrobrás informou que "não paralisou, não reduziu e nem pretende reduzir o ritmo de suas obras". Segundo a empresa, entretanto, "o cronograma de seus programas e projetos também encontra-se sob análise". Uma definição sobre os novos prazos para as plataformas e novos investimentos para manter a curva de produção só deve ocorrer com a revisão do Plano de Negócios, após a divulgação do balanço.

Ao todo, a estatal previa em seu plano de negócios de 2014 a 2018 mais de US$ 100 bilhões para contratação de 38 plataformas, 28 sondas de perfuração, 88 navios petroleiros e 146 embarcações de apoio. Também esses investimentos estão sob risco: as sondas dependem de um financiamento para a Sete Brasil, atingida pelas denúncias de corrupção. E metade das embarcações de apoio contratadas para operar já em 2015 ainda não teve obras iniciadas.

A incerteza sobre o plano de negócios prejudica os investimentos em todo o setor. O Sindicato Nacional da Indústria da Construção e Reparação Naval e Offshore (Sinaval) alertou, em relatório distribuído na última semana, para as "incertezas" no ambiente de negócios. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Fonte: 30/03/2015 - Fonte: A Tarde - BA
 
+ Clipagem

Reforma da Previdência - 44 coisas que você não pode deixar de saber - Leiam a matéria em anexo. Repense, reavalie esta Reforma da Previdência proposta. Faça sua parte, ajude na di

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br