Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

É claro que meus filhos terão computadores, mas, antes disso, terão livros.
Bill Gates
24/03/2015

União não consegue levar discussão sobre aumento do SAT ao Supremo

Ministra Laurita Vaz: ofensa meramente reflexa à Constituição A Fazenda Nacional não conseguiu, em uma primeira tentativa, levar para o Supremo Tribunal Federal (STF) a discussão sobre o aumento do Seguro de Acidente do Trabalho (SAT) - que passou a se chamar Riscos Ambientais do Trabalho (RAT) -, gerado pelo Decreto nº 6.957, de 2009. A ministra Laurita Vaz, vice-presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), não admitiu recurso extraordinário (RE) apresentado contra decisão favorável a uma companhia do grupo Fiat. Com o entendimento da 1ª Turma do STJ, a FPT - Powertrain Technologies, que fabrica autopeças, deixará de pagar uma alíquota de 3% sobre a folha de salários, conforme previa o decreto, e passará a recolher 2%. E poderá fazer a compensação dos valores pagos indevidamente. A norma reenquadrou as 1.301 atividades econômicas previstas na legislação nas alíquotas da contribuição - que variam entre 1% e 3%, de acordo com o risco de cada setor -, elevando o recolhimento para muitos contribuintes. No recurso, a Fazenda Nacional alegou que a decisão do STJ desrespeitou o princípio da separação dos poderes - previsto na Constituição - ao restabelecer sentença que manteve a alíquota de contribuição da empresa, por considerar que a União não apresentou motivos para a alteração. A União irá recorrer do entendimento da ministra Laurita Vaz. "Quando se edita um decreto, sempre se faz um estudo prévio. Mas ninguém anexa à norma. E agora vem o Judiciário e chega a uma conclusão distinta?", questiona o procurador João Batista de Figueiredo, coordenador-geral da representação judicial da Fazenda Nacional (PGFN/CRJ). O argumento, porém, não foi suficiente para a ministra Laurita Vaz. Para ela, "o reconhecimento da alegada ofensa à Carta Magna demandaria necessariamente o exame de normas infraconstitucionais aplicáveis ao caso, configurando situação de ofensa meramente reflexa à Constituição da República". Na decisão, a magistrada destaca ainda que o objeto do recurso é "diverso" daquele presente no RE nº 684.261, de relatoria do ministro Luiz Fux, que "reconheceu a existência de repercussão geral na matéria relativa à impossibilidade de haver calibragem de alíquotas por decreto". Em 2003, o Supremo decidiu que o governo federal poderia estabelecer por decreto os critérios para enquadramento dos setores econômicos previstos na legislação nas alíquotas do SAT. No caso da FPT - Powertrain Technologies, o relator, ministro Napoleão Nunes Maia Filho, acolheu os argumentos trazidos pela companhia. Ele apontou que, desde a primeira instância, a União não apresentou as estatísticas que justificariam o aumento da alíquota. O ministro Arnaldo Esteves Lima, que também votou de forma favorável à empresa, declarou durante o julgamento que "mudança [na alíquota] deve ser motivada, caso contrário é uma verdadeira carta branca para a administração". Está na pauta do Supremo, porém, um processo que discute a constitucionalidade do Fator Acidentário de Prevenção (FAP), mecanismo adotado para aumentar ou reduzir as alíquotas do SAT.
Fonte: Valor Online
 
+ Clipagem

Brasil vive apagão estatístico sobre mercado de trabalho - Sem dados de IBGE, Caged e seguro-desemprego, país pode ficar sem saber dano do coronavírusFernanda Brigatti

Reforma da Previdência - 44 coisas que você não pode deixar de saber - Leiam a matéria em anexo. Repense, reavalie esta Reforma da Previdência proposta. Faça sua parte, ajude na di

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br