Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Quanto mais corrupto for o país, mais leis ele terá
Tácito
20/02/2015

Governo acena com correção de pelo menos 4,5% na tabela do IR

Para evitar mais uma derrota no Congresso, a presidente Dilma Rousseff fará na próxima semana um aceno em que se prontificará a corrigir em pelo menos 4,5% a tabela do Imposto de Renda da pessoa física.

O governo tentará sensibilizar sua base de apoio argumentando que um reajuste maior, neste momento, fragilizaria o ajuste fiscal, esforço do governo para reduzir o gasto público.

A correção da tabela em 4,5% foi promessa de campanha, mas a deterioração nas contas fez o Executivo reconsiderar, nos bastidores, a conveniência de aplicá-la.

Segundo a Folha apurou, há duas correntes mais fortes na Esplanada. Uma que defende a correção em exatos 4,5% e outra que sugere um índice um pouco maior, mas não superior a 5%. A defesa por um reajuste zero, feita por integrantes da equipe econômica, não vingou.

A concessão seria necessária para evitar que o Legislativo derrube um veto presidencial, de janeiro passado, contra um reajuste de 6,5%.

Nas avaliações internas, ou Dilma faz um gesto ao Congresso ou muito possivelmente terá seu veto derrubado.

Um desfecho assim fragilizaria a imagem do Planalto e da própria equipe econômica em relação à sua capacidade de evitar a aprovação de verdadeiras "bombas fiscais" no Legislativo.

Na fila de votações no Congresso há nada menos que o pacote fiscal prometido pelo Ministério da Fazenda para cumprir a meta de 1,2% do superávit primário (economia para arcar com o pagamento dos juros da dívida).

Sem essas medidas, o país corre o risco de mergulhar em uma crise de confiança capaz de afugentar investidores e, com isso, agravar a situação da economia.

ATÉ R$ 7 BILHÕES

Nas contas do governo, se a correção da tabela ficar em 4,5%, o impacto será de R$ 5,3 bilhões. Se subir para 6,5%, custará aproximadamente R$ 7 bilhões.

Nas últimas semanas, alguns ministros chegaram a defender que a presidente concordasse com a correção de 6,5% para tentar apoio das centrais sindicais ao pacote fiscal. A Fazenda, contudo, apresentou forte resistência.

Neste momento, o Tesouro tenta economizar no que pode. Até mesmo programas sociais prioritários têm passado por pente fino, além de atrasos de pagamentos, caso do Pronatec, noticiado pela Folha nesta quinta-feira (19).

A correção de 4,5% foi prometida por Dilma em pronunciamento sobre o Dia do Trabalho, às vésperas da campanha eleitoral. À época, a presidente editou uma MP sacramentando o reajuste, mas o recesso parlamentar fez a medida caducar em agosto.

Fonte: Folha de São Paulo
 
+ Clipagem

Reforma da Previdência - 44 coisas que você não pode deixar de saber - Leiam a matéria em anexo. Repense, reavalie esta Reforma da Previdência proposta. Faça sua parte, ajude na di

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br