Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

As instituições humanas são, por sua natureza, tão imperfeitas, que, para destruí-las, basta, quase sempre, levá-las às últimas consequências.
Tocqueville. Penseés detacheés
11/02/2015

Congresso sinaliza que não aceitará mudanças nas regras trabalhistas

Eduardo Cunha e Renan Calheiros podem exigir que o governo ceda na questão do seguro-desemprego para que a MP seja votada

Laryssa Borges, de Brasília

Renan Calheiros em reunião com Eduardo Cunha, em Brasília

Renan Calheiros em reunião com Eduardo Cunha, em Brasília (Pedro Ladeira/Folhapress)

Depois de deputados e senadores alinhados ao Palácio do Planalto terem proposto boa parte das 741 mudanças no pacote de ajuste fiscal anunciado pela presidente Dilma Rousseff, os presidentes da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e do Senado Renan Calheiros (PMDB-AL) sinalizaram nesta terça-feira a sindicalistas que não aceitarão que os direitos dos trabalhadores sejam reduzidos. Com isso, o governo terá de ceder em critérios sobre as mudanças de regras no seguro desemprego e no benefício de pensão por morte, por exemplo, para evitar que o Congresso, no limite, devolva ao governo as medidas provisórias (MP) do pacote fiscal e se recuse a votar as alterações trabalhistas.

A queda na popularidade e na avaliação da presidente Dilma, registrada na pesquisa Datafolha, enfraqueceu o poder de negociação do Palácio do Planalto sobre as medidas do pacote fiscal e obrigará o governo a ceder em parte das mudanças. O próprio líder do PT na Câmara Sibá Machado (PT-AC) admitiu que ?não tem como? aprovar o pacote fiscal no Congresso sem alterações. ?Não podemos passar a conta dos ajustes para o trabalhador. Isso seria um retrocesso?, disse Renan Calheiros, que ouviu das centrais sindicais o pedido para que devolva as MPs sem votação.

Leia também:

Planejamento prepara rigoroso corte em gastos federais

Modelo de seguro-desemprego está 'ultrapassado', diz Levy

Ex-ministra do governo Dilma, a senadora Marta Suplicy (PT-SP) participou da reunião com sindicalistas e disse que os resultados da ?má gestão da coisa pública? não devem ser repassados aos trabalhadores. Nas eleições de outubro, a então candidata à reeleição Dilma Rousseff, sufocada pela rápida ascensão da adversária Marina Silva (PSB), havia prometido não alterar direitos trabalhistas ?nem que a vaca tussa?. Mas a três dias do início do novo mandato, confirmou a ideia de fazer tudo ao contrário e determinou que seus ministros anunciassem o endurecimento de regras para a concessão de benefícios como o seguro-desemprego e a pensão por morte.

?Os trabalhadores não são responsáveis pela situação atual da economia. E por isso não devem arcar com o ônus da má gestão da coisa pública. Se for para melhorar o que precisa ser melhorado, não pode ser de forma açodada, sem discussão com os interessados e sem tentativa de enfrentar o problema na raiz?, criticou a senadora Marta.

Leia também:

A investidores, Levy diz que Brasil vai ter crescimento próximo de zero em 2015

Governo aumenta impostos e fala em arrecadar R$ 20 bi

Apesar do aceno de que o pacote fiscal pode ser reajustado no Congresso, as centrais sindicais pressionam para que o assunto não seja sequer votado. Por ter sido enviado por meio de medida provisória, há um prazo de validade para sua votação, o que diminui o poder de negociação para as possíveis alterações nos direitos trabalhistas. ?Essas medidas não têm negociação. Elas têm de ser retiradas para avançarmos em outros pontos. Tem jeito de sanear o que o governo está querendo com outras medidas: diminuir a rotatividade, diminuir os Ministérios. Tem muita coisa que dá para fazer para economizar, mas não dá para economizar só em cima do trabalhador?, disse o presidente da Força Sindical, Miguel Torres. ?Nós estamos trabalhando no sentido de que as duas comissões [formadas para analisar o pacote fiscal] devolvam as MPs. Se a presidente Dilma quiser mandar projetos de lei [que não têm prazo de votação], aí sim nós podemos discutir os projetos. Se ela insistir, vai ser a maior derrota que ela vai ter na Casa de novo?, completou o deputado Paulinho da Força (SD-SP).

Fonte: Folha de São Paulo
 
+ Clipagem

Reforma da Previdência - 44 coisas que você não pode deixar de saber - Leiam a matéria em anexo. Repense, reavalie esta Reforma da Previdência proposta. Faça sua parte, ajude na di

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br