Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Quanto mais espiritual o individuo faz a sua vida, menos medo ele terá da morte. Para uma pessoa espiritual a morte significa libertar o espírito do corpo. Tal pessoa sabe que as coisas com as quais vive não podem ser destruidas
Leon Tolstoi
05/01/2015

Desavença quanto ao reajuste do salário mínimo é aperitivo da disputa dentro do governo

Opinião - Chama o síndico

Ricardo Melo

O ministro Nelson Barbosa fez o que sabe fazer ao pregar mudanças no salário mínimo. Ele, assim como os dois outros membros da troika da economia nacional - Joaquim Levy, ministro da Fazenda, e Alexandre Tombini, do Banco Central--, perseguem o azul nas contas, custe o que custar. Fugir do prejuízo não está errado. A questão é escolher de onde tirar.

Esperar que eles tenham maiores preocupações sociais é como pedir a um cantor de ópera que faça um concerto de rock. Não funciona. A chance de desafinar é quase total. A troika brasileira é formada na escola que acha porque acha que os salários no Brasil subiram demais. Ponto. Não há Cristo que os faça pensar o contrário. Os três, aliás, não escondem isso de ninguém. Neste ponto, identificam-se com a chamada troika que afundou a Europa, composta pelo Banco Central Europeu, FMI e Comissão Europeia.

Com uma tesoura na mão e a ideia fixa na cabeça, a equipe econômica pretende defender o programa neoliberal ortodoxo. Não lhe cabe culpa: é isso o que ela aprendeu. O problema está em quem a contratou. A troika trabalha como aquelas consultorias que todo mundo já viu nas empresas do dia a dia. Ao primeiro sinal de dificuldade, a providência automática é cortar "custos", diga-se, empregos e salários. Desde que, bem entendido, resguardados o quinhão dos controladores e acionistas majoritários.

Valendo-se de abstrações matemáticas e jargões economicistas, tenta-se vender no Brasil a impressão de que os pobres passaram a ganhar muito e vivem refestelados em benefícios sociais nababescos.

Como se diz, o papel aceita tudo. O fato de o sujeito deixar de ser miserável vira objeto de comemoração, de um lado, e de alerta, de outro. Se alguém deixa de passar fome, mesmo sem nunca ter sido apresentado a uma fatia de carne, vira símbolo da redenção social para governantes. Para outros, os endinheirados, é sintoma de gordura a eliminar.

Chamado às falas pela presidenta, Barbosa teve que soltar uma nota desmentindo mudança nas regras do salário. Alguns viram nisso uma afirmação da supremacia da presidente. Os mais realistas enxergaram aí o começo da guerra de posições que, no limite, ameaça levar à paralisia da administração e, aí sim, a desarranjos difíceis de consertar.

Num momento em que as previsões são de aumento do desemprego e diminuição da renda, soa injustificável, para um governo ungido pelos mais humildes, iniciar "correções" justamente arrochando instrumentos como o seguro desemprego. É muito pra cabeça de qualquer um. Certamente por isso nem mesmo dirigentes de centrais sindicais mais conservadoras compareceram à festa de posse em Brasília.

Independentemente do mérito, existe uma agenda muito clara para o novo governo. Por que, em vez de "ajustar benefícios", o Planalto não anuncia o engajamento de fato em projetos como o de taxação de grandes fortunas, cerco à evasão fiscal das grandes empresas, correção justa na tabela do imposto de renda, imposição de limites à precarização desenfreada do mercado de trabalho e regulamentação da lei anticorrupção? Tudo isso sem falar nos juros nas alturas, feitos sob medida para engordar a banca e emagrecer o orçamento já curto dos assalariados.

Dar bronca em auxiliares pode dar impressão de autoridade; não resolve, porém, o cotidiano das famílias, que no fim é o que deveria importar. Mas tudo parece possível num país em que mesmo biografias são revisadas ao gosto de terceiros. Em que a história de gente como Tim Maia é reescrita ao vivo e em cores para limpar a ficha de quem preferiu "ajustar" seus próprios interesses em vez de olhar para quem ajudou na escalada do Planalto das celebridades.

Fonte: Folha de S. Paulo - 05/01/2015
 
+ Clipagem

Reforma da Previdência - 44 coisas que você não pode deixar de saber - Leiam a matéria em anexo. Repense, reavalie esta Reforma da Previdência proposta. Faça sua parte, ajude na di

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br