Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Assim como a abelha colhe o mel de diferentes flores, o homem sábio aceita a essência das diferentes escrituras e vê somente o bem em todas as religiões.
Srimad Bhagavatam
18/12/2014

Transferências já são 37,5% da renda entre os mais pobres

Parcela de Bolsa Família e outros benefícios quase dobrou em 9 anos

Cássia Almeida

As transferências do governo ganharam espaço no orçamento dos mais pobres. De acordo com a Síntese de Indicadores Sociais 2014, nas famílias nas quais o rendimento domiciliar Per capita é de até um quarto do salário mínimo - o correspondente a R$ 170 em 2013 -, 37,5% da renda vêm dessa fonte pública, que podem ser Bolsa Família, Benefício de Prestação Continuada (BPC) para idosos e deficientes mais pobres e as bolsas estaduais. Em 2004, essa parcela era de 20,3%. A participação praticamente dobrou em nove anos.

- Mais que dobrou o número de famílias atendidas pelo Bolsa Família. E o BPC paga salário mínimo, que se valorizou muito nos últimos dez anos. Houve crescimento no número de beneficiários e no valor, o que explica essa participação maior - afirmou João Saboia, professor da UFRJ e especialista em mercado de trabalho.

Com isso, a renda do trabalho para essa população perdeu espaço: caiu de 73,6% para 57%. Na média das famílias, a participação da renda dos benefícios, que também inclui aluguel e juros, caiu de 5,5% para 4,5%. Já a renda do trabalho caiu de 76,4% para 72,2%. Os pesquisadores do IBGE não veem relação entre a queda na força de trabalho que as pesquisas de emprego vêm mostrando e o aumento do alcance do benefício.

- As transferências garantem que a renda da família não vai zerar num momento de crise, como aconteceu em 2008. Além disso, permite que o trabalhador não aceite ocupações degradantes para sobreviver. Pela distância no valor do Bolsa Família e do salário mínimo, a pessoa não vai recusar um emprego formal, com carteira assinada por causa do benefício - disse a pesquisadora Barbara Coco, coordenadora geral da Síntese.

No Nordeste, o peso das transferências na renda é ainda maior. Chega a 43,8% entre os que ganham até R$ 170 por pessoa da família.

Mas a renda do trabalho continuou crescendo para os mais pobres, mesmo perdendo participação nos ganhos totais. Enquanto o salário de 2004 a 2013 subiu 42,1%, na média, para os 20% mais pobres a alta foi de 84,8%.

Mesmo assim, a concentração de renda ainda é muito alto no Brasil: os 10% mais ricos acumulam 41,7% da renda total, enquanto os 10% mais pobres, apenas 1,2%. Essas proporções eram de 45,8% e 1% em 2004, respectivamente.

Fonte: O Globo - 18/12/2014
 
+ Clipagem

Reforma da Previdência - 44 coisas que você não pode deixar de saber - Leiam a matéria em anexo. Repense, reavalie esta Reforma da Previdência proposta. Faça sua parte, ajude na di

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br