Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Olhando de longe, tudo é belo.
Tácito
11/12/2014

Trabalhadores que investiram via FGTS vão à Justiça contra Petrobras

Força Sindical se prepara para reivindicar perdas de 300 mil pessoas que investiram o FGTS em ações da estatal. Papéis da empresa despencam mais de 4%. Recursos para investimentos no pré-sal estão comprometidos

SIMONE KAFRUNI

Diante das denúncias de corrupção e dos processos na Justiça, a Petrobras já perdeu um terço do valor de mercado este ano. Ontem, as ações preferenciais (PN) caíram mais 4,67%, e as ordinárias (ON), 4,17%, abalando a Bolsa de Valores de São Paulo (BM&FBovespa), que fechou em queda de 1,29%. O pregão registrou 49.555 pontos, menor patamar desde 26 de março, quando chegou a 47.966 pontos. Os investidores estão fugindo dos papéis da petroleira, com medo de que as indenizações cobradas nos tribunais sejam altas demais e pressionem o combalido caixa da estatal.

Ontem, a Força Sindical informou que ingressará na próxima semana com ação coletiva contra a Petrobras, exigindo ressarcimento de perdas geradas a pelo menos 300 mil trabalhadores que investiram recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) na compra de ações da estatal. Miguel Torres, presidente da Força, afirmou que técnicos da central vão calcular as perdas aos acionistas decorrentes da corrupção na petroleira, que excedem ao risco próprio do mercado de capitais, seguindo o argumento dos investidores norte-americanos.

Para piorar, a Petrobras planeja captar R$ 45 bilhões no mercado em 2015 para levar adiante o seu ambicioso plano de investimentos no pré-sal. A intenção era levantar 70% do valor no primeiro trimestre, período em que, normalmente, se faz um esforço para vender títulos de dívida a investidores estrangeiros. As atuais condições tornarão a tarefa difícil e cara.

Até agora, pelo menos seis grupos de investidores protocolaram ações civis públicas contra a estatal nos Estados Unidos. Dois escritórios de advocacia, um norte-americano e outro brasileiro, representam acionistas que compraram papéis da Petrobras na Bolsa de Nova York, os chamados ADRs, de maio de 2010 a novembro de 2014. Ambos sugerem que qualquer investidor, pessoa física ou empresa, que tenha comprado o título se junte ao processo, o que pode levar a indenizações bilionárias. O prazo para a adesão é 6 de fevereiro próximo.

Com a imagem bastante arranhada e correndo o risco de pagar bilhões aos investidores lesados pela falta de informações claras, não resta muita alternativa à Petrobras para se capitalizar. O mercado financeiro internacional está fechado para a empresa, que ainda não publicou o balanço do terceiro trimestre. Na avaliação de Demetrius Borel Lucindo, economista da DMBL Investimentos, as contas não fecham. ?É impossível a Petrobras investir agora. Terá que rever investimentos e apelar para a venda de novas ações?, assinalou.

Saídas

Para Clodoir Vieira, economista da Compliance, é normal que os investidores estejam correndo dos papéis da Petrobras, derrubando assim o seu valor. ?Com os processos em Nova York depois de tanta corrupção, não há perspectiva no curto prazo?, esclareceu. Em um ano, as ações PN se desvalorizaram 34,51% e as ON, 32,52%. Os papéis valem pouco mais de R$ 10, e a companhia tem o maior endividamento do setor, acima de R$ 300 bilhões. ?Acredito que uma saída seria emitir debêntures, porque não é o melhor momento para a companhia no mercado acionário. O único problema é que terá que pagar prêmios (remunerações) muito altos?, pontuou.

No entender do consultor Robson Pacheco, as investidas judiciais nos EUA terão, no curto prazo, efeito nulo sobre o caixa da Petrobras. ?Este tipo de processo demora muito e afeta mais a imagem?, ressaltou. Segundo ele, ainda há a chance de funcionários-acionistas entrarem com ação contra os processos de estrangeiros. ?Não se pode prejudicar uma empresa inteira, com mais de 50 mil funcionários, também acionistas, em razão de meia dúzia de responsáveis pela corrupção?, observou.

Fonte: Correio Braziliense
 
+ Clipagem

Brasil vive apagão estatístico sobre mercado de trabalho - Sem dados de IBGE, Caged e seguro-desemprego, país pode ficar sem saber dano do coronavírusFernanda Brigatti

Reforma da Previdência - 44 coisas que você não pode deixar de saber - Leiam a matéria em anexo. Repense, reavalie esta Reforma da Previdência proposta. Faça sua parte, ajude na di

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br