Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

A vida que nós recebemos nos foi dada não para que simplesmente a admiremos, mas para que estejamos sempre a procura de uma verdade escondida dentro de nós.
John Milton
05/12/2014

Mantega faz defesa de política econômica

Thiago Resende e Lucas Marchesini

De Brasília

Nostálgico, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, aproveitou um dos menores eventos que participou nas últimas semanas para defender a política econômica do governo. "Tenho a convicção de que fomos bem-sucedidos nessa missão de transformar e desenvolver nossa economia. Mas, sem sombra de dúvidas, meu grande orgulho é ter liderado a economia brasileira durante a mais grave crise financeira em 80 anos e entregar o país com a menor taxa de desemprego da história e com economia mais firme e mais sólida do que quando a recebi." Depois de mais de oito anos, Mantega deixará, em breve, o comando da equipe econômica do governo petista. Ontem, foi homenageado pela Academia Brasileira de Ciências Contábeis, ao lado de Nelson Machado, ex-secretárioexecutivo da Fazenda e, portanto, antigo colega de trabalho.

Lembrou dos tempos em que "ainda era considerado cabeludo" e de quando integrou, junto com Machado, a Prefeitura de São Paulo, em 1988, durante a administração de Luiza Erundina. Mantega era da Secretaria de Planejamento.

Machado pertencia à pasta de Finanças.

"Eu gastava e ele cortava." "Como estou terminado a minha gestão, acabarei fazendo uma avaliação rápida do que foi esse período do governo", continuou ele, durante o discurso. Mantega acredita que a crise econômica mundial está perto do fim, mas esse processo será mais rápido quando "a Europa e outros países deixarem o imobilismo e tomarem iniciativas eficazes para retomar o crescimento e gerar empregos necessários".

"Com o mundo melhorando nos próximos anos, o Brasil tem plenas condições de engatar um novo ciclo de crescimento e geração de emprego e renda", disse.

Diante da crise econômica, alguns países adotaram um "tortuoso caminho da ortodoxia", cortando investimentos, mas o Brasil preferiu políticas anticíclicas.

Assim, para a população brasileira de classe média e de baixa renda "praticamente não houve crise", disse o ministro.

"Quando a crise de 2008 começou, estávamos preparados para enfrentar", afirmou, lembrando que o país detinha à época reserva internacional suficiente, uma situação fiscal sólida e atividade no mercado interno. "Pudemos assim amenizar as consequências sobre o Brasil. Pela primeira vez, em décadas, o Brasil não tombou diante de uma crise internacional." Mantega, disse que, nos últimos anos, o Brasil deixou de ser uma "economia frágil e pouco conhecida" para se tornar o sétimo maior Produto Interno Bruto (PIB) do mundo. Na avaliação dele, atualmente o Brasil é um "país sólido, respeitado e um dos protagonistas da cena internacional". Para o ministro, o saldo dos últimos anos é positivo, apesar de alguns percalços e dificuldades apresentadas, mais recentemente, pela crise econômica mundial.

O ministro afirmou que, no início dos anos 2000, a economia nacional estava "abalada" e as condições sociais eram "precárias".

Com pouca reserva internacional, o país "estava de pires na mão", pedindo empréstimo e a "benção" ao FMI.

Ontem, no fim da tarde, Mantega teve a primeira reunião com o ministro indicado da Fazenda, Joaquim Levy, para definir os parâmetros para a transição. Os dois discutiram os assuntos que serão tratados nos próximos dias e em que ordem, bem como a sistemática de passagem dos dados da economia.

"O encontro de hoje [ontem] foi o começo do processo de transição, que deve se estender por tempo indeterminado", disse uma fonte da nova equipe. A presidente Dilma Rousseff ainda não definiu a data de posse de Levy, que deve ocorrer ainda neste ano.

(Colaborou Ribamar Oliveira)

Fonte: Valor Econômico - 05/12/2014
 
+ Clipagem

Reforma da Previdência - 44 coisas que você não pode deixar de saber - Leiam a matéria em anexo. Repense, reavalie esta Reforma da Previdência proposta. Faça sua parte, ajude na di

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br