Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Pode ser perigoso ou ridiculo deixar transparecer a cólera, no rosto ou nas palavras. A raiva e o ódio devem somente se manifestar nas ações: unicamente os animais de sangue frio são venenosos.
Schopenhauer
26/11/2014

Centrais propõem sistema de proteção ao emprego

Lucas Marchesini

De Brasília

Representantes das cinco principais centrais sindicais do país se reuniram ontem com o secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda, Márcio Holland, para propor um mecanismo de proteção ao emprego em tempos de crise.

O presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Vagner Freitas, explicou que a proposta faz com que em vez de demitir, o empregador mantenha o funcionário, mas negocie redução temporária na jornada, nos salários e nos tributos cobrados pelo governo.

A diminuição nos vencimentos dos empregados também poderia ser complementada pelo governo federal a partir de recursos do sistema de proteção ao trabalhador, disse o primeiro- secretário da Força Sindical, Sergio Luiz Leite.

Questionado sobre uma possível incoerência entre a proposta e a disposição aventada pelo governo de reduzir os gastos com o seguro-desemprego, Freitas discordou e disse que o objetivo da política é manter o empregado em vez de demiti-lo. Acrescentou que é "uma alternativa ao layoff", que cessa o contrato de trabalho durante o período de afastamento.

Segundo ele, as centrais não pedem "alteração da CLT e mudança de lei existente".

De acordo com as centrais, para que a proposta possa ser adotada por alguma empresa, será necessário que a política "seja opcional".

Isto é, só poderá ser implementada "após um atestado de crise emitido pelo governo" e após o trabalhador concordar com a medida em assembleia.

O representante da Força Sindical avaliou que a proposta seria especialmente benéfica para a indústria. Ele citou como exemplo o setor automotivo. Leite disse ainda que mais detalhes sobre a proposta serão apresentados em uma nova conversa com representantes do Ministério da Fazenda, no dia 2 de dezembro.

Sobre a correção na tabela do Imposto de Renda, Freitas afirmou que a questão não foi tratada na reunião. "Isso está em processo de negociação, mas não foi discutido", disse ele. Também não foram abordadas as mudanças no seguro- desemprego e abono salarial.

"As centrais desconhecem qualquer proposta de mudança e são contra", disse Freitas.

Além dos dois sindicalistas, participaram da reunião representantes da União Geral dos Trabalhadores (UGT), da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB) e da Nova Central Sindical.

Fonte: Valor Econômico - 26/11/2014
 
+ Clipagem

Reforma da Previdência - 44 coisas que você não pode deixar de saber - Leiam a matéria em anexo. Repense, reavalie esta Reforma da Previdência proposta. Faça sua parte, ajude na di

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br