Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

O amor é infalivel; não tem erros, pois todos os erros são falta de amor.
William Law
10/09/2014

Procurador se posiciona contra o Sut

Francisco Gérson Marques de Lima, procurador do Trabalho

O Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) vem sobrevivendo com dificuldade há alguns anos, por falta de investimento do Governo Federal e porque se transformou no Ministério menos valorizado, passando por várias crises e trocando de Ministro com certa frequência. A fiscalização trabalhista, atualmente, agoniza, por falta de auditor fiscal e de condições de trabalho. Outros setores do mesmo Ministério não tem tido sorte diferente, o que prejudica, diretamente, os trabalhadores. Tanto que, no primeiro semestre deste ano (2014), sindicatos representantes dos funcionários deste Ministério apresentaram Queixa na OIT- Organização Internacional do Trabalho, no sentido de que o Brasil adote providências para resgatar a funcionalidade e lhe conceder condições reais de funcionamento. As relações de trabalho ficam bastante comprometidas sem os funcionários deste Ministério, que precisa ser federal, a fim de ficar infenso às politicagens locais e influências de grupos locais.

Contudo, a resposta do Governo brasileiro não poderia ser pior, na medida em que desconsiderou as reivindicações e passou a imaginar um outro organismo, que o sucederá. Trata-se da elaboração de um Projeto, alimentado pela cúpula do próprio MTE, prestes a ser enviado à Casa Civil, de onde será encaminhado ao Congresso Nacional, o qual está de braços abertos para recebê-lo.

Engendrado pelo Governo Federal, tramita projeto de criação do Sistema Único do Trabalho (SUT), inspirado no modelo do SUS (que, sabidamente, é uma lástima), para substituir a atual estrutura do Ministério do Trabalho e Emprego - MTE. Em síntese, o projeto sorrateiro municipaliza e estadualiza competências trabalhistas, distribuindo-as em Conselhos municipais e estaduais. O Conselho Nacional do Trabalho terá funções de normatizar e deliberar assuntos gerais, em sua composição tripartite (governo, empresários e trabalhadores). Os recursos federais, despesas financeiras e servidores do moribundo MTE serão repassados aos Estados e Municípios, a fim de manter a estrutura e atribuições locais dos Conselhos, que serão criados. São recursos que poderiam ser investidos, direta e racionalmente, na estrutura atual do MTE, cuja fiscalização arqueja por falta de condições de funcionamento adequado.

Os Conselhos nacional, estaduais e municipais cuidarão da política do trabalho, administrados por pessoas não concursadas, provavelmente os apaniguados locais, ao estilo do velho cabide de emprego, com representantes do governo, das empresas e dos trabalhadores, cada um indicado por suas respectivas representações. Sem nenhuma independência real, esses conselheiros irão decidir sobre recursos federais e matérias trabalhistas, cada um no seu ramo. O leitor deve se lembrar da máfia do seguro desemprego. Agora, imagine sendo os recursos confiados a conselheiros escolhidos politicamente, sem concurso. O Projeto se utiliza de termos amplos e abertos, o que remete uma infinidade de interpretações para a prática futura.

Esse modelo tem tudo para não funcionar, a não ser desmontar de vez o MTE e justificar o repasse de verbas federais para Estados e Municípios. O FAT, o primeiro atingido, será chamado de FNT - Fundo Nacional do Trabalho, administrado por tais Conselhos. E, o mais preocupante: é um projeto engendrado dentro do Governo federal, sem nenhuma discussão prévia com a população.

É chegada a hora de indagar aos candidatos (à Presidência, ao Governo e às Casas Legislativas) o que acham desse projeto. E quem deve fazer essa indagação são os sindicatos, porque a alteração atingirá em cheio as relações de trabalho e, mais uma vez, prejudicará sensivelmente o trabalhador.

Francisco Gérson Marques de Lima

Possui graduação em Direito pela Universidade Federal do Ceará (1990), Mestrado em Direito (Constitucional) pela Universidade Federal do Ceará (1996) e Doutorado em Direito pela Universidade Federal de Pernambuco (2000). Atualmente é Procurador Regional do Trabalho, lotado na Procuradoria Regional do Trabalho da 7ª Região (Ceará) e professor adjunto da Universidade Federal do Ceará (UFC). Tem experiência na área jurídica, com ênfase em Direito Constitucional e Trabalhista, atuando principalmente nos seguintes temas: Justiça do Trabalho, direitos trabalhistas, Constituição de 1988, direitos fundamentais, Processo do Trabalho, processo constitucional e estudos sobre o Supremo Tribunal Federal. Vem aprofundando estudos em Sociologia Constitucional, tema objeto da Tese de Doutorado, que consistiu em análise crítica das decisões do STF. No campo trabalhista, destaca-se a atuação no Direito Sindical.

Fonte: Procurador Regional do Trabalho da 7ª Região
 
+ Clipagem

Reforma da Previdência - 44 coisas que você não pode deixar de saber - Leiam a matéria em anexo. Repense, reavalie esta Reforma da Previdência proposta. Faça sua parte, ajude na di

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br