Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

O sabio que tudo sabe é aquele que sabe que nada sabe.
Platão
23/06/2014

Sindicatos e entidades patronais divergem sobre as 40 horas semanais

O debate sobre a redução da jornada de trabalho no país é antigo e provoca divergência entre sindicatos e entidades patronais. Desde 2009 a Proposta de Emenda à Constituição - PEC nº 231/1995, que reduz a carga horária máxima no país de 44 horas para 40 horas semanais, está pronta para ir ao plenário da Câmara. A falta de consenso no Congresso Nacional, no entanto, impede a votação.

A diminuição de jornada é defendida por entidades sindicais, como o Sinait, enquanto os empresários preferem a manutenção da norma atual, que permite a redução por meio de acordos coletivos. Apesar de o debate ter a possibilidade de continuar no próximo semestre, é duvidoso que uma proposta tão controversa seja aprovada em ano eleitoral. A partir de levantamento de dados do Ministério do Trabalho e Emprego ? TEM, feito pela Central Única de Trabalhadores ? CUT, a jornada de 69,9% dos empregados formais do país é de mais de 40 horas. Outros 30,1% trabalham até 40 horas. Com a redução da jornada, a entidade estima que possam ser criados 3,3 milhões de postos formais.

A presidente do Sinait, Rosa Maria Campos Jorge, reforça os números do MTE, ao afirmar que a redução de jornada trará benefícios como a abertura de novos postos de trabalho, redução dos acidentes laborais e melhoria na qualidade de vida do trabalhador. Segundo ela, os Auditores-Fiscais do Trabalho flagram graves excessos de jornada rotineiramente em atividades penosas, insalubres e perigosas em vários setores econômicos como a educação, construção civil, transportes, saúde, frigoríficos, teleatendimento e outros. ?A Fiscalização do Trabalho tem usado todo o seu empenho e força para reduzir ao máximo essas condições que prejudicam os trabalhadores?.

Segundo Rosa Jorge, de acordo com pesquisa feita pelo Sinait no Sistema Federal de Inspeção do Trabalho - SFIT, de janeiro de 2013 a abril de 2014, foram lavrados 21.520 autos de infração referentes a excesso de jornada de trabalho. ?Foram 19.814 empresas autuadas. 54% dessas autuações são de excesso de jornada de mais de dez horas?.

Proposta

O senador Paulo Paim (PT/RS), um dos autores da proposta, relaciona os motivos que dificultam a aprovação do texto ainda este ano. ?O setor empregador é contra e tem muito peso no Congresso. A aprovação é difícil, pois uma PEC precisa de três quintos dos votos nas duas Casas e em dois turnos?. Ele argumenta que a redução da jornada é uma tendência mundial e que, devido ao avanço tecnológico, se não houver diminuição, não será possível garantir acesso ao emprego para todos. Paim afirma que uma carga menor de horas trabalhadas não diminuirá a produtividade e, além disso, terá impacto positivo na Previdência, uma vez que haverá mais contribuintes.

Impacto da mudança

O governo tem se posicionado favorável à manutenção das 44 horas semanais. O principal argumento é de que o Brasil vive um contexto próximo ao pleno emprego e que não haveria necessidade de aumentar o número de postos de trabalho por meio da redução da jornada.

No entanto, para o professor de sociologia do trabalho da Universidade de Brasília (UnB) Sadi dal Rosso, a preocupação do governo com o impacto da redução da jornada na economia é excessiva. ?Reduzir a jornada não é um problema maior para a economia brasileira, porque propicia ao trabalhador melhores condições de trabalho e, portanto, mais qualidade de vida, o que repercute em gastos sociais em hospitais e em outras instituições?, afirma. O professor Sadi já colaborou com o Sinait em vários projetos, incluindo o de formatação do projeto da Escola Nacional da Inspeção do Trabalho ? Enit, que o Sindicato apresentou ao Ministério do Trabalho e Emprego e que hoje já é uma realidade.

O professor explica ainda que a redução da jornada é uma maneira de humanizar o trabalho, que, além de gerar renda, deve propiciar sentido para a vida do trabalhador. Ele comenta a questão do retorno às 12 horas diárias de trabalho dos caminhoneiros, votada na Câmara no último mês, e afirma que essa é uma jornada excessiva. ?Aumentar a carga de trabalho das pessoas contribui para deteriorar a força de trabalho?, defende Sadi dal Rosso. O Sinait acompanha a discussão da matéria na Câmara e no Senado, representado pela Auditora-Fiscal do Trabalho Jacqueline Carrijo (GO), e é favorável à manutenção da Lei nº 12.619/2012, sem modificações.

O que diz a lei Direito social A Constituição Federal inclui o trabalho entre os direitos sociais do cidadão e define, no artigo 7º, que a duração do trabalho normal não deve ser superior a oito horas diárias e 44 semanais. O texto permite ainda que a redução da jornada seja negociada por meio de acordo ou convenção coletiva. Além disso, a norma define que a remuneração por hora extra de serviço seja, no mínimo, 50% superior à normal.

Fonte: Correio Braziliense
 
+ Clipagem

Reforma da Previdência - 44 coisas que você não pode deixar de saber - Leiam a matéria em anexo. Repense, reavalie esta Reforma da Previdência proposta. Faça sua parte, ajude na di

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br