Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Trabalha sempre. Não pense que o trabalho seja um desastre para você, nem busque elogios ou premiação por ele.
Marco Aurélio
17/06/2014

Escassez de mão de obra qualificada desafia novos projetos no Brasil

A escassez de mão de obra especializada representa hoje um importante desafio aos planos de crescimento da indústria florestal brasileira. Com o avanço do processo de mecanização, que se iniciou na colheita de pinus e eucalipto, para as diferentes etapas da silvicultura, a migração da população para os centros urbanos e a maior escala dos projetos, está cada vez mais difícil encontrar operadores para as sofisticadas máquinas e equipamentos que dividem espaço com as motosserras nas florestas nacionais.

Somente no Paraná, que em 2012 compreendia a terceira maior área no país de plantio desses dois tipos de árvores, faltam pelo menos 2 mil operadores e 100 mecânicos especializados, de acordo com a Associação Paranaense de Empresas de Base Florestal (Apre). Esse contingente leva em conta apenas o volume atual da colheita no Estado, que está em torno de 38 milhões de metros cúbicos de madeira em tora por ano.

Essa situação, segundo representantes da indústria, se repete em outros Estados onde há produção florestal. Em Mato Grosso do Sul, onde estão instaladas as produtoras de celulose Fibria e Eldorado Brasil, por exemplo, a demanda por mão de obra capacitada levou as duas companhias a firmar parcerias com o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai). É justamente por essa via, a de associação com entidades tradicionais de ensino para promoção de cursos de formação e reciclagem, que a indústria tem se organizado para garantir sua demanda por profissionais.

Migração para centros urbanos e maior escala dos empreendimentos contribuem para falta de profissionais treinados

Dona de 50% da Remasa, produtora independente de toras de pinus que tem plantios no Paraná e em Santa Catarina, a Tree Florestal, controlada pelo Fundo de Investimento em Participações (FIP) Ático Florestal, do grupo Ático, uniu-se à Apre e ao Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar) para contornar a carência de profissionais especializados. Participam ainda do projeto, cujas aulas ocorrem no Centro de Formação de Operadores Florestais (Cenflor), o grupo Dissenha, a Arauco e a Berneck. Até o fim do ano, 120 operadores terão passado por cursos de formação e reciclagem.

"Na verdade, a capacitação nem representa o maior desafio. A disponibilidade de mão de obra para a atividade florestal vem antes disso", afirma o diretor da Tree Florestal, Marco Tuoto. Na década de 90, lembra o executivo, quando teve início a já consolidada mecanização da colheita, ainda havia disponibilidade de trabalhadores no campo. Vinte anos depois, diante da migração dos trabalhadores para as cidades, do porte ampliado dos projetos de reflorestamento e da constante busca por eficiência por parte dos produtores, faltam profissionais à mão das empresas.

"Para as empresas de base florestal, a mecanização é um caminho sem volta, porque reduz custos e acidentes. Mas isso demanda mais capital e mais mão de obra capacitada", afirma o executivo. Atualmente, além da colheita, atividades como a separação de mudas, plantio e irrigação, que antes ocorria planta por planta, já estão mecanizadas. "Ha um outro desafio, relativo à própria capacitação: não há histórico, porque nunca se trabalhou com equipamentos tão sofisticados", acrescenta.

Conforme Carlos Mendes, diretor-executivo da Apre, inicialmente, a demanda das empresas era apenas por profissionais para a etapa da colheita. Agora, há também carência de mecânicos que dominem esses equipamentos, que trazem cada vez mais tecnologia embarcada, e de mão de obra para máquinas de linha amarela, como aquelas utilizadas na manutenção de estradas. "Levaremos mais de um ano para treinar o total necessário de profissionais", diz.

As 45 empresas associadas à Apre, entre elas as fabricantes de celulose e papel Klabin, Arauco, Masisa e Remasa, são donas de 60% das florestas plantadas do Paraná. De acordo com o anuário estatístico da antiga Associação Brasileira de Produtores de Florestas Plantadas (Abraf) de 2013, no ano anterior, o Estado tinha 817,6 mil hectares de florestas plantadas, ou 12,3% do total no país.

Fonte: Valor Econômico - 17/06/2014
 
+ Clipagem

Reforma da Previdência - 44 coisas que você não pode deixar de saber - Leiam a matéria em anexo. Repense, reavalie esta Reforma da Previdência proposta. Faça sua parte, ajude na di

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br