Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Quando se tem dúvidas a respeito do que se deve fazer, basta imaginar que se pode morrer no fim do dia.
Leon Tolstoi
29/05/2014

O comando do bilionário FI-FGTS, da Caixa

Ou eu ou ele

Disputa entre empresas de 2 dos mais influentes homens de negócios do país cria impasse no comando do bilionário FI-FGTS, da Caixa

DAVID FRIED LANDER JULIO WIZIACK DE SÃO PAULO

Uma disputa entre empresas de dois dos mais influentes empresários do país, Marcelo Odebrecht e o banqueiro André Esteves, criou um impasse no comando do FI-FGTS, o bilionário fundo de investimentos em infraestrutura administrado pela Caixa Econômica Federal.

O ponto de atrito é um investimento de até R$ 500 milhões que o fundo pode fazer para comprar um pedaço da Estre, empresa de saneamento controlada pelo BTG, de Esteves, e pelo empresário Wilson Quintella Filho.

A Odebrecht Ambiental, que é rival da Estre e já é sócia do FI-FGTS, se sentiu traída. Desde o final do ano passado, afirma que haverá conflito de interesses se o fundo for acionista das duas concorrentes ao mesmo tempo.

Mesmo assim, em fevereiro o comitê de investimentos do FI-FGTS resolveu que a operação poderá ser aprovada, desde que a Estre renegocie com seus credores uma dívida de R$ 1,8 bilhão.

A votação final sai em um ou dois meses, mas antes disso a Odebrecht decidiu colocar pressão nos conselheiros do fundo. Duas semanas atrás, enviou uma carta de advertência a cada um deles.

No texto, afirma que a operação com a Estre criará um conflito de interesses e faz um alerta: se o FI-FGTS entrar mesmo na concorrente, estará descumprindo o contrato e seus representantes serão barrados nas reuniões estratégicas da Odebrecht.

O aviso deixou os conselheiros, que já tinham descartado o argumento do conflito de interesses, inseguros.

Segundo a Folha apurou, alguns sentem-se espremidos entre o BTG e a Odebrecht, e pediram pareceres jurídicos externos para orientar o voto final e se proteger contra ações judiciais.

Esse comitê é altamente politizado. Dos 12 integrantes, 9 são ligados aos deputados Eduardo Cunha, líder do PMDB na Câmara, e André Vargas, que está sendo investigado pela Polícia Federal devido a seu suposto envolvimento com o doleiro Alberto Youssef.

Procurados, Eduardo Cunha e André Vargas disseram que não têm nenhuma ligação com o FI-FGTS.

BARREIRA

Na carta enviada dia 12 à casa dos membros do comitê de investimentos, a Odebrecht mostra o que teria feito na última reunião do conselho da Odebrecht Ambiental caso o fundo já estivesse na Estre.

"Os membros indicados pelo FI-FGTS teriam sido alijados da única deliberação de investimento tomada e do conhecimento do andamento de outros três projetos", diz a carta.

Segundo a empresa, esse é um mecanismo previsto no acordo de acionistas.

Procurada, a direção da Caixa informou que discorda da posição da Odebrecht e que não possui "qualquer contrato de exclusividade" com as empresas nas quais investiu.

Pelo lado da Estre, o trabalho de convencimento é feito pelos representantes do BTG, que é sócio da Caixa no banco Pan (ex-Panamericano).

Eles estão o tempo inteiro com a área técnica para adequar sua proposta às pré-condições que o fundo impôs, para evitar que os conselheiros mudem seus votos e rejeitem a operação na fase final.

Contra o argumento do conflito, a Estre insiste que o FI-FGTS já está presente em empresas concorrentes de outros setores, como o de logística e o elétrico.

No mercado, a Odebrecht Ambiental e a Estre são vistas como candidatos a dominar o setor de saneamento, comprando empresas rivais. Numa tentativa de acelerar esse processo, seis anos atrás a Odebrecht Ambiental tentou uma fusão com a própria Estre para criar a primeira gigante do setor.

A Estre preferiu caminhar sozinha e comprou meia dúzia de concorrentes. Endividou-se e agora está se reestruturando para poder receber o aporte do FI-FGTS.

Sem isso, o comitê de investimentos já disse que não entra no negócio.

Procuradas, Odebrecht Ambiental, Estre e BTG não quiseram se manifestar.

Fonte: Folha de S. Paulo - 29/05/2014
 
+ Clipagem

Reforma da Previdência - 44 coisas que você não pode deixar de saber - Leiam a matéria em anexo. Repense, reavalie esta Reforma da Previdência proposta. Faça sua parte, ajude na di

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br