Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

O amor é infalivel; não tem erros, pois todos os erros são falta de amor.
William Law
02/05/2014

Corte de jornada e salários divide centrais

Força teme perda de direitos trabalhistas; já CUT diz que medida em discussão no governo protege emprego

Lino Rodrigues, Renato Onofre, Sergio Roxo, Geralda Doca e Danielle Nogueira

SÃO PAULO, BRASÍLIA e RIO - Em estudo no governo para evitar uma onda de demissões, principalmente no setor automotivo, medida provisória (MP) que permite a flexibilização da jornada de trabalho e a redução de salários divide as duas principais centrais sindicais do país. Enquanto a Central Única dos Trabalhadores (CUT) avalia que a ideia é garantir ao menos o pagamento do salário (descontados impostos e outros débitos), a Força Sindical reclama que não está clara a fonte de recursos que vai financiar o sistema.

Baseado em programa já aplicado na Alemanha, a proposta permite que a jornada seja reduzida à metade por seis meses, conforme antecipado ontem pelo GLOBO. Nesse período, o empregado receberia pouco mais da metade do ordenado. O governo dividiria com as empresas a conta dos salários, complementando os rendimentos até um teto.

O presidente da Força Sindical, Miguel Torres, afirmou ontem que a pressa em apresentar uma MP é temerária. A entidade defende a criação de um fundo utilizando os excedentes arrecadados do FGTS, mas pede mais tempo para a discussão. Segundo Torres, é preciso evitar que se mexa em outros direitos dos trabalhadores como o Fundo de Amparo do Trabalhador (FAT):

- É uma discussão que não pode ser atropelada por uma questão eleitoral. O que sentimos hoje e colhemos dos trabalhadores é que a inflação e o desemprego preocupam, mas ninguém quer perder seus direitos. Do jeito que estão levando a discussão, não terão nosso apoio.

Ministros evitam falar em flexibilização

Já o secretário-geral da CUT, Sérgio Nobre, disse que a proposta vem sendo discutida há pouco mais de um ano por um grupo de economistas, sindicalistas, empresários e representantes do governo e que a expectativa era que fosse anunciado pela presidente Dilma Rousseff em seu pronunciamento em cadeia de rádio e TV, anteontem.

- Hoje, temos um sistema invertido no Brasil, onde o trabalhador recebe um seguro-desemprego por um tempo, mas perde o emprego. Com esse sistema queremos proteger o trabalhador e mantê-lo emprego - disse Nobre.

Para ele, a ideia é também estabilizar o mercado de trabalho, que, apesar de viver um bom momento, sofre com a rotatividade.

A proposta criou embaraço para o próprio governo, que se esforça para evitar a associação da discussão à ideia de uma flexibilização das leis trabalhistas. O discurso oficial é de modernização da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). Esta foi a posição ontem dos ministro Manoel Dias (Trabalho), Gilberto Carvalho (Secretaria Geral da Presidência) e Ricardo Berzoini (Relações Institucionais) durante comemorações do Dia do Trabalho.

- Não há flexibilização. A flexibilização vem para subtrair direitos do trabalhador. Nós temos que modernizar evidentemente. A CLT é uma senhora de 70 anos - disse Dias, em entrevista, ao chegar à festa da Força Sindical, em São Paulo.

Carvalho, por sua vez, alegou que não há risco de corte de postos de trabalho na economia brasileira:

- Não achamos que o cenário é de demissão. Estamos com menos de 7% de desemprego.

Ao ser perguntado, então, porque a MP estava sendo discutida, o ministro da Secretaria-Geral da Presidência encerrou a entrevista.

Na festa da CUT, Berzoini adotou o mesmo tom:

- Não é flexibilização. É um sistema para que as empresas em dificuldades não demitam.

A flexibilização da jornada acompanhada de corte nos salários foi discutida em mais de uma reunião do governo. A última ocorreu na quarta-feira, no Ministério da Fazenda. Participaram do encontro vários integrantes da Secretaria de Política Econômica (SPE), da Fazenda, representantes do Ministério do Trabalho e da Secretaria-Geral da Presidência da República. Até mesmo o braço direito do ministro Gilberto Carvalho, o assessor especial José Lopez Feijóo participou dos encontros. Uma nova reunião foi agendada para a próxima semana.

metalúrgicos são a favor; construção é contra

Metalúrgicos e montadoras são favoráveis à medida. Mas o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, Rafael Marques, defende que o trabalhador não tenha perda salarial:

- (A MP) seria muito oportuna para nós. As horas não trabalhadas seriam custeadas parcialmente por um fundo do governo. Um acordo coletivo entre sindicatos e empresas trataria de custear a outra parte, de modo que o salário nominal do trabalhador seja mantido - disse Marques.

Hoje, as empresas lançam mão de medidas de flexibilização do trabalho como o Layoff, pelo qual trabalhadores ficam afastados da fábrica por até cinco meses, ganhando parte do salário. Muitas vezes, porém, a fábrica não precisa fechar sua linha de produção e, sim, reduzir o ritmo. Por isso, a Anfavea, associação que reúne as montadoras, tem se posicionado a favor de uma solução como a que vem sendo discutida no governo. O setor passa por uma crise, com queda nas vendas.

O presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson Andrade, também se disse favorável à MP. Para ele, a legislação atual engessa as negociações entre patrões e empregados e se sobrepõe aos interesses dos próprios trabalhadores.

Há setores, porém, que não veem a MP com bons olhos. Caso da construção civil, que sofre com a carência de mão de obra qualificada.

- Somos radicalmente contra essa medida. Usá-la como um artifício eleitoral é um absurdo - disse o presidente do Sindicato da Indústria da Construção Civil (Sinduscon-Rio), Roberto Kauffmann.

Fonte: O Globo - 02/05/2014
 
+ Clipagem

Reforma da Previdência - 44 coisas que você não pode deixar de saber - Leiam a matéria em anexo. Repense, reavalie esta Reforma da Previdência proposta. Faça sua parte, ajude na di

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br