Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

As instituições humanas são, por sua natureza, tão imperfeitas, que, para destruí-las, basta, quase sempre, levá-las às últimas consequências.
Tocqueville. Penseés detacheés
28/04/2014

"Dilma não percebeu a armadilha do consumo"

Entrevista - Luis Carlos Mendonça de Barros

Octávio Costa

Marcelo Loureiro

Economista e ex-presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Luiz Carlos Mendonça de Barros participou ativamente do governo Fernando Henrique Cardoso nos anos 90, quando foi presidente do BNDES e ministro das Comunicações. Hoje, é sócio da gestora Quest Investimentos e assumiu uma postura independente no debate sobre a economia, fugindo do clima apocalíptico da oposição. Em entrevista ao Brasil Econômico, afirma que "a política monetária está no caminho certo". A redução no ímpeto do consumo "já aconteceu", diz, e se a inflação ainda resiste, é porque há gargalo na oferta. "Não estamos à beira de um colapso, mas, sim,no meio de uma armadilha clássica de demanda crescendo acima da oferta". No mercado financeiro dizem que Luiz Carlos se tornou simpatizante do PT. O ex-ministro se diverte com essas reações. E, apesar de aplaudir a ação do Banco Central, prevê que, num segundo governo Dilma, a equipe econômica precisará "de um nome que tenha peso"

Crescimento baixo, desequilíbrio fiscal, inflação resistente às doses altas de juros. O sr. Concorda que a economia brasileira está vivendo um mau momento?

O momento da economia é difícil. Crescimento bem mais baixo, com inflação alta... A diferença é que eu olho para essa situação como resultado de duas coisas básicas. Primeiro, há uma componente conjuntural clássica. Todos os países, desenvolvidos ou emergentes, passam por momentos de desequilíbrio entre oferta e demanda que levam à inflação mais alta.Neste momento, a demanda precisa de um freio, um choque para que a oferta seja corrigida, avance e a economia volte a crescer. O controle da inflação está nesse equilíbrio. Esses são os ciclos curtos da economia capitalista. O Brasil vive um desses ciclos, mas com uma peculiaridade. Viemos de um período longo de crescimento bastante sustentável. Se pegarmos a renda per capita média do brasileiro, tanto formal quanto informal, calculada pelo IBGE desde o Plano Real até o fim do mandato do Lula, cresceu 4,7% ao ano, na média. Mais do que dobrou no período ?não se encontra algo parecido na história do Brasil.

A nova classe média surge daí?

Isso. Aí vem a crítica de que essa nova classe média tem pés de barro e renda baixa. Eu prefiro dividir a sociedade brasileira de outra forma. Vejo dois grandes grupos: o que vive na formalidade econômica e o que está fora dela. Classes A, B e C no primeiro grupo, D e E na informalidade. A diferença é a segurança em termos de renda e cobertura social. O sujeito que vive na formalidade tem um controle muito maior sobre o futuro. Ele pode se endividar, comprar a prazo, porque consegue projetar a renda futura. Foi trazendo para a formalidade que o Brasil conseguiu expandir a renda em 4,7%..

E criou pressão na oferta...

Exatamente. Até porque houve um desvio no governo Lula, ao passar o foco para o estímulo ao consumo. Embora não tenha deixado de investir, como ele parou as privatizações no serviço público, acabou reduzindo o investimento. Ficamos com a infraestrutura sucateada. Mas a mudança mais importante foi a seguinte: tínhamos um terço da população na formalidade, e teremos 75% nesse grupo até 2016, de acordo com o Itaú. Uma mudança extraordinária. Mesmo a crítica sobre o baixo valor da renda da classe média não cabe. O "Financial Times" já falou exatamente sobre a criação de uma classe média nova no mundo todo. Mas na Índia e na China, essa nova faixa é qualificada com uma renda muito menor do que aqui.

Mas essa mudança se deveu só à economia?

Tivemos uma sequência de governos democráticos que mudaram a sociedade. Uma pesquisa recente revelou que 75% das pessoas querem mudanças. É o mesmo pessoal que ascendeu. Falta entender que mudança eles querem. Todos os indicadores, como o das cestas básicas compradas com um salário mínimo, melhoraram. Não me choca nem surpreende que, ao fim do processo, tenhamos entrado nessa armadilha econômica clássica.

O sr. se refere ao gargalo da oferta?

É, a demanda andou na frente da oferta. O investimento não andou no governo Lula, que privilegiou os gastos sociais. O investimento puro do governo está em torno de 1% do PIB, o que criou o gargalo. A renda do sujeito aumenta, a mudança é muito rápida e não há resposta a isso. A moça não ia ao cabeleireiro e passou a ir. O erro foi quando Dilma Rousseff assumiu e não atentou para a armadilha do consumo. Tentou apostar no mesmo modelo, forçou os bancos públicos a dar mais crédito, tirou IPI de alguns produtos, não entendeu o que acontecia. Aplicou uma terapia oposta ao que era necessário, em 2011, e só modificou ano passado quando o BC passou a aumentar os juros. Em 2010, as vendas do varejo estavam crescendo 10% ao ano. Hoje, avança perto de 3% com perspectiva de zerar o crescimento.

Minha diferença para o mercado é que vejo o movimento como natural, enquanto outros acham que é o fim do mundo, comparam com a Venezuela.

O mercado diz que o governo demorou a corrigir o caminho. O "Financial Times", recentemente, criticou a matriz da expansão pelo consumo, que estaria esgotada.

O "Financial Times"...me poupe. Gosto muito do jornal inglês, da revista "The Economist" também. Mas falando do Brasil? Eles não nos conhecem. Falam como se a Inglaterra não tivesse passado por isso. A matriz econômica baseada no consumo, câmbio desvalorizado, juro baixo, funcionou lá como Lula. Ela não tem nada de nova e apresentou o mesmo resultado que se previa depois de tanto tempo. O crescimento recuou, a inflação subiu, a conta corrente piorou. O BC tomou a atitude necessária do freio de arrumação através dos juros. Tanto é verdade que, como disse, o consumo que crescia a 10%, hoje avança quase 3%.Evidentemente, aqueles indicadores deteriorados vão melhorar.E essa é a diferença entre o que penso e o entendimento do mercado.Não vejo nenhuma crise de ruptura ou qualquer beira de abismo. Ainda. Vamos ver como o próximo presidente reagirá a esse sentimento de mudança. O discurso da oposição ainda não convenceu. Até agora, o sentimento de mudança de 75% das pessoas não está refletido nos candidatos de oposição.

As pessoas, quando dizem que querem mudança, estão querendo dizer que querem mais saúde e educação, por exemplo?

Elas sentiram intuitivamente que a política que as fez crescer se esgotou. A oposição está confundindo isso com mudança radical. Essa não é minha leitura.

Mas querem uma troca de guarda?

Não, não. Para mim, elas estão dizendo que "não é a Dilma do primeiro mandato o que a gente quer". Dilma pode responder a isso. Além dessa possibilidade, as pessoas vão ouvir o que a oposição tem a oferecer. Mas a oposição deve tomar cuidado. Outro dia, ouvi o Armínio Fraga dizer que uma das coisas a se fazer é reduzir a meta de inflação para 2,5%. Não me parece o discurso adequado a ganhar corações e mentes dos eleitores. Me parece uma meta absurda para um país que não consegue fazer 4,5%.

Qual discurso conquistaria corações e mentes?

Eu gosto do discurso do Eduardo Campos. Algo como "para preservar os ganhos do passado, é preciso mudar o jeito de governar". É um discurso que acomoda as duas situações. Defende o governo do Lula, o ganho de renda. Mas diz também que a presidenta está pondo as coisas a perder. Me parece um raciocínio razoável. O discurso errado, para mim, é o da ruptura total.

Há quem defenda uma nova carta ao povo brasileiro, como a de 2002, dizendo quais serão as linhas mestras da política econômica de um novo governo. Seria ocaso?

A grande questão para a Dilma não é o que ela fará, mas com quem ela irá governar. A turma dela, da Unicamp, está queimada com a matriz do consumo. Esse pessoal vai ser enterrado junto como desgaste do modelo.

Se reeleita, Dilma mudará a política econômica?

Dilma já deu algumas indicações. Aparentemente, no segundo mandato dela as privatizações vão voltar com toda a carga. Foi um sinal que deu. Os contratos novos de privatização das estradas estão muito bem feitos. Digo até que estão melhores do que os feitos pelos tucanos. Os governos do PSDB aproveitavam a privatização para cobrar do vencedor antes de começar a obra. Sempre fui contra esse modelo. Não me parece justo porque quem está pagando esse montante é o usuário. A privatização de estradas é o fluxo de caixa. O governo obriga a empresa a pagar R$ 1 bilhão na frente. O modelo da Dilma não cobra nada. Essa é a primeira indicação que nós temos sobre um segundo mandato dela. O que é correto, porque vamos precisar de investimento privado para melhorar a infraestrutura.

Há outros sinais?

O segundo sinal que ela precisa dar é um voto de confiança na economia de mercado. Uma das causas para a redução no volume de investimento no país é que, vamos dizer assim, ela foi agressiva como capital.

O que significa exatamente esse "agressiva"?

Por exemplo, ao dizer que a opinião do governo sempre deveria prevalecer e também as medidas autoritárias no setor de energia elétrica, antecipando concessões que estavam em vigor...Outros membros da equipe também falavam no mesmo tom: "Quem manda na economia é o Estado, e vocês são atores secundários".

Essa visão é mais do que keynesiana...

É verdade. Eu chamo de soviética. Mas, você sabe, a escola keynesiana é a mais soviética de todas. Agora, Dilma vai ter que desdizer: "Olha, a economia brasileira é privada". E contar também quem vai trabalhar com ela.

Isso está em linha coma idéia de uma carta aberta compossíveis nomes para um segundo mandato?

Olha, a história nunca se repete a não ser como farsa. A carta aberta foi um instrumento inteligente usado pelo Lula para vencer o pânico, que naquela época era com o PT. O partido hoje é uma fera domada perto daquele lá. Mas Dilma poderia reconhecer que fez uma análise errada da economia, tentou superar os problemas e hoje tem uma visão diferente para tentar avançar.

"É PRECISO CONFIANÇA DO MERCADO E UM NOME DE PESO NA FAZENDA"

É importante o governo dizer que dará mais peso ao mercado?

O fator crucial dos próximos quatro anos é investimento, ao invés do consumo. Dilma vai precisar do setor privado, cuja confiança está abalada. A prova mais importante dessa falta de credibilidade foi o Pedro Passos, do Iedi (Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial), romper com o governo em fevereiro. Logo o Iedi, criado sob a influência do pensamento da Unicamp e bastante alinhado ao PT. Ali, ela perdeu o último elo de confiança do mercado.

Os juros estão caminhando para onde o mercado quer, as rodadas de leilões e as privatizações foram retomadas. O que mais seria necessário?

O nome da jogada é investimento. A primeira coisa é criar um clima de confiança com o mercado. A segunda é ter uma equipe econômica que funcione como uma âncora de investimento. Precisa, portanto, de um nome de peso. Não pode ser o Nelson Barbosa, que é um grande desconhecido de todo o mundo.

E o Alexandre Tombini, do BC?

Acho que o Tombini vai muito bem onde está. Digo isso porque o grande desafio dos próximos quatro anos é de natureza microeconômica, e não macro. O investimento precisa de condições básicas. Primeiro, é a confiança no futuro. Segundo, uma política econômica consistente e conhecida de todos, estável. Em terceiro vem a demanda. Essa já existe, tanto que estamos com um problema de oferta. O quarto ponto é a perspectiva de ganho, rentabilidade na operação. Aí, temos um problema sério na indústria, de competitividade. Como a estrutura de custos no Brasil é muito mais elevada do que no exterior, os setores que não têm proteção estão minguando. É necessário dar fôlego a esse pessoal. Só conheço um jeito: reduzir a carga tributária.

O sr. defende a redução para algum setor específico?

Por setores, não. Reduzir carga tributária depende de o governo diminuir despesas. Sabemos que há uma rigidez muito grande por esse lado. Por isso, é necessário reduzir a carga dos tradables, esses produtos industriais que podem elevar as expor-tações. Inclusive, já propus pegar o PIS/Cofins, o imposto mais deletério para a indústria, e o reduzir até a eliminação.É como se desse ao beneficiário uma desvalorização do real, sem afetar a inflação. Em troca, adotaria uma contribuição em cima do pagamento de dividendos. Dessa forma, há o incentivo para o empresário reaplicar uma parte maior do lucro na produção, melhorando a oferta.

Mas o problema da indústria hoje não é a expectativa, que está negativa?

É negativa por causa da estrutura de custos.OPIS/Cofins representa de 5% a 6% do custo da produção. Com a fórmula que propus, a indústria ganha margem no mercado interno e externo, aumenta a rentabilidade do negócio e, por consequência, o investimento. Para mim, é melhor uma idéia dessas do que mexer no sistema de metas do BC.

A alta dos juros é suficiente para evitar que a inflação passe do teto este ano?

A inflação brasileira tem, de novo, características inerciais fortes. Dificulta trazer o índice para baixo. Mas a alta dos juros reduziu o consumo de forma importante, fazendo a demanda recuar. O BC tirou lenhada fogueira inflacionária, o que vai melhorar a conta corrente. Tem outro instrumento,que está sendo usado agora, o câmbio.No ano passado, o governo fez uma barbeiragem ao desvalorizar o câmbio quando as outras moedas emergentes não estavam se desvalorizando. Ali, a inflação mudou de patamar. Mas a condição necessária para controlá-la é reduzir a demanda. Necessária, mas não suficiente para trazer a inflação para 4,5%. Precisa de outros instrumentos e de tempo. Os preços defasados também precisam ser corrigidos. Represados, pressionam a inflação.

E se forem corrigidos agora?

Não vai acontecer, por causa da eleição. O presidente competente faz isso no primeiro dia após a eleição, não antes.

O sr. Acha que a inflação está sob controle, como diz o governo?

A inflação está louca para sair do controle...

Há necessidade de um novo aumento nos juros?

Por mim, teria parado, porque o sinal que precisava ter era a redução no ímpeto do consumo. Isso já aconteceu. Só um demente acharia que o juro, sozinho, levará a inflação ao centro da meta. O pior é que tem alguns dizendo isso. Gostei do que disse a Fitch (agência de rating), que não espera aperto por parte do governo emano de eleição. É da natureza da política. Não estamos à beira de um colapso, e sim no meio de uma armadilha clássica de demanda crescendo acima da oferta. Mas, agora, a política monetária está no caminho certo. É possível estabilizar a inflação entre 6,5% e 7%, o que não faz muita diferença. O próximo governo, sim, terá de investir muito tempo para mudar esse cenário.

Nessas condições, a presidenta se reelege?

Não sei. Se perguntarem à nova classe média como se sente, ela responderá que está bem de vida, que vai assistir à Copa numa TV nova. Mas se perguntarem se está preocupada, vai dizer que sim, porque sente que a melhoria começa a perder força.A melhor interpretação que vi sobre as manifestações é a de que a população começa a perceber que tudo o que depende do setor privado melhorou nesses anos, e tudo o que depende do setor público, como o transporte, está uma porcaria. Essa talvez seja uma armadilha que o PT não percebeu.

E a oposição?

No PSDB, tem gente que não reconhece a melhoria dos últimos anos. Chega a ser engraçado. Está difícil pensar assim sem ser considerado petista.

O sr. Tem sido rotulado assim?

Já fui e estou pouco me lixando. Sempre digo que esse período de crescimento deve ser entendido como uma combinação entre os governos FHC e Lula. Todo mundo me pergunta quem foi mais importante. Minha resposta: inverta a ordem dos governos e pense no que aconteceria. Ponha o Lula primeiro e acho que não chegaríamos aqui. Para essa nova classe média, o Lula é mais importante pelo crescimento recente da renda. Agora, isso tudo pode ser jogado no lixo se não vier um governo em 2015 que trate das questões substantivas. O medo que tenho é que o PSDB entenda esse desejo de mudança como radical e passe a propor coisas que as pessoas não estão demandando.

O sr., obviamente,não é petista. Ainda se identifica como PSDB?

Do ponto de vista amplo sobre um partido, o PSDB é mais completo. Tenho uma discórdia com o PT que é a dominação da sociedade. Essa linha do PT clássico morreu quando o José Dirceu foi para a cadeia. O PT de hoje é muito articulado em torno do Lula e do poder. O Leôncio Martins Rodrigues, que conhece o partido, disse bem: quando o Lula deixar de ser o fator agregador, o PT vai se dividir em dois ou três. O que será bom para a democracia.

A alternativa ainda é o PSDB?

O PSDB tem demudar também. Não apareceu nenhuma liderança nova. Os quadros são bastante concentrados em São Paulo. Eu acho que a política vai mudar é com a classe média nova. Se fosse montar um partido hoje, ele seria de centro-direita, porque essa classe emergente terá um discurso mais conservador.

O sr. fica espantado com os casos de corrupção recentes?

Me espanto coma incompetência dos corruptos. A Polícia Federal esses dias recolheu dezenas de pen drives com indícios...

O mercado está muito nervoso com a eleição. O que explica essa volatilidade?

O mercado hoje tem uma consistência muito diferente daquela de dez anos atrás. Olhávamos muito para a análise dos fundamentos. A molecada hoje, talvez por efeito da internet, está mais interessada nas notícias pontuais da imprensa. Dou um exemplo. O mercado embarcou na tese de que o enxugamento da liquidez nos EUA provocaria uma fuga de capitais dos emergentes. Foi um erro de diagnóstico medíocre. Apostaram que o dólar iria a R$ 3:nunca vi um erro de diagnóstico tão homogêneo. Só o pessoal de mais idade não comprou isso. A geração com30, 35 anos, que junta ignorância com agressividade, reagiu errado. Aí veio o investidor estrangeiro, que nas últimas semanas se aproveitou para corrigir o preço dos ativos. É evidente que eleição é um evento importante na precificação do mercado, mas não da maneira que estamos vendo.

A Petrobras é o papel que mais oscila nesse cenário?

O que essa movimentação diz é: a Petrobras, com uma gestão correta, eficiente, em três anos recupera o valor que já teve. Não me parece crível que a Petrobras vá replicar no próximo governo os mesmos erros desses últimos anos. Vai ter de tirar o monopólio da operação do pré-sal, rever a regra de conteúdo nacional na política de compra que só fez quebrar empresas. São coisas simples. Por isso, não acredito em catástrofe.

Fonte: Brasil Econômico - 28/04/2014
 
+ Clipagem

Reforma da Previdência - 44 coisas que você não pode deixar de saber - Leiam a matéria em anexo. Repense, reavalie esta Reforma da Previdência proposta. Faça sua parte, ajude na di

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br