Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

O sabio que tudo sabe é aquele que sabe que nada sabe.
Platão
25/04/2014

Domésticos que moram no emprego caem de 23% para 2%

Folha de S. Paulo - 25/04/2014

Envelhecimento de trabalhador e extinção do quarto de empregada foram principais motivos para mudança em SP de 1992 a 2013

DE SÃO PAULO

A mudança no perfil dos empregados domésticos --mais velhos e com filhos-- fez o total desses trabalhadores que moram no emprego despencar em duas décadas.

Segundo estudo da Fundação Seade, o percentual de domésticos que moravam no trabalho, de 22,8% em 1992, caiu para 2,2% no ano passado na Grande São Paulo.

O estudo foi feito a partir da Pesquisa de Emprego e Desemprego realizada com o Dieese (Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos socioeconômicos).

Para o coordenador da equipe de análise da pesquisa, Alexandre Loloian, o desinteresse de jovens por esse tipo de emprego fez com que a idade média do doméstico aumentasse.

A maioria dos trabalhadores (31,8%) tem entre 25 e 39 anos, mas a faixa dos que têm de 40 a 49 também é expressiva (31,3%).

"Os jovens têm mais alternativas por causa da melhora da economia. Esse trabalho foi deixado de lado porque não oferece perspectiva de crescimento profissional."

A baixa popularidade da ocupação fica clara no estudo. No ano passado, as domésticas correspondiam a 14% das mulheres ocupadas na Grande São Paulo --em 2000, eram 19,2%.

Para Loloian, outro fator que influencia a queda do número de domésticos que dormem no trabalho é o tamanho de apartamentos construídos a partir dos anos 1990.

Com a valorização imobiliária e o metro quadrado caro, os quartos de empregada foram excluídos das plantas. "Edifícios novos não têm espaço para a doméstica", diz.

RENDIMENTO

O estudo indica que, em 2013, o rendimento médio por hora para diaristas e mensalistas com carteira assinada na Grande São Paulo teve a maior alta em 17 anos.

No primeiro caso, o aumento foi de 10,5%, para R$ 7,55 por hora trabalhada. No segundo, a alta foi de 9,7%, para R$ 6,15. Os rendimentos das mensalistas sem carteira tiveram alta de 3,8%.

De acordo com Loloian, o aumento é consequência das altas do salário mínimo e do maior reajuste feito por São Paulo entre 2012 e 2013 em relação a outros Estados.

No começo do ano passado, as três faixas do mínimo paulista passaram a ser de R$ 755, R$ 765 e R$ 775. Em âmbito federal, o mínimo em 2013 era R$ 678

Além disso, a escassez desses trabalhadores no mercado teria aumentando o poder de negociação com os patrões.

Fonte: Folha de S. Paulo - 25/04/2014
 
+ Clipagem

Reforma da Previdência - 44 coisas que você não pode deixar de saber - Leiam a matéria em anexo. Repense, reavalie esta Reforma da Previdência proposta. Faça sua parte, ajude na di

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br