Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

O sabio que tudo sabe é aquele que sabe que nada sabe.
Platão
16/04/2014

Governo prevê ajuste ainda maior em 2015. Azar dos brasileiros

Superávit primário fixado para o próximo ano ficou em 2,5% do PIB, contra 1,9% este ano

Sonia Filgueiras

O governo anunciou ontem o tamanho do ajuste fiscal que está disposto a fazer em 2015 caso a presidenta Dilma Rousseff seja reeleita. A meta de superávit primário para o setor público como um todo será de R$ 143,3 bilhões, ou 2,5% do PIB em sua versão ?cheia? (sem o abatimento de obras do PAC, fixado em R$ 28,7 bilhões). Em sua versão ajustada, ou seja, como abatimento de investimentos do PAC, ela cai para 2% do PIB ou R$ 114,7 bilhões. Nos dois casos, trata-se de um esforço fiscal maior que o deste ano, fixado em 1,9% do PIB. O abatimento, informou o ministro da Fazenda, Guido Mantega, poderá ser usado caso as projeções econômicas do governo se frustrem e levem a uma arrecadação menor de impostos.

Dos 2,5%, 2% serão de responsabilidade do governo central (Tesouro, Previdência e Banco Central) e 0,5%, dos estados e municípios. As metas estão fixadas no projeto da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) para 2015, que fixa orientações gerais para o Orçamento do ano que vem. Mantega afirmou que a meta ?é um compromisso da presidenta Dilma para o futuro?, e acrescentou: ?O que está sendo dito é que vamos perseguir superávits primários maiores, porém realistas, que vão permitir a redução da dívida (pública)?.

Empenhado em demonstrar o comprometimento do governo federal com a responsabilidade fiscal, Mantega informou que, caso os estados e municípios não cumpram sua fatia da meta, o governo federal fará uma economia adicional como compensação. ?Isso não quer dizer que nós não esperamos uma ação proativa dos estados e municípios, mas se, em uma eventualidade, o desempenho fique aquém, nós compensaremos. Então, 2% será o mínimo?, disse Mantega. Neste ano, a lei não obriga o governo federal a cobrir resultados abaixo da meta dos estados. Além disso, não será mais permitido o abatimento de desonerações.

Para fixar a meta, o governo baseou-se em uma estimativa de crescimento de 3% do PIB em 2015, acima das projeções do mercado, hoje em 2%. O governo estimou o IPCA em 5% ao final de 2015 (o mercado prevê 6%), e um salário mínimo de R$ 779,90 (7,71% de aumento), mas o valor ainda será ajustado à variação do INPC acumulada em 2104. O ministro informou que os parâmetros de crescimento estão baseados em uma expectativa de recuperação da economia mundial (com repercussões sobre o Brasil e, consequentemente, sobre a arrecadação), na redução de despesas com a reversão de desonerações fiscais concedidas e a elevação dos juros cobrados pelo BNDES nos empréstimos a empresas, anunciada no final do ano passado e na contenção de gastos.

O ministro também confirmou que haverá mais aumentos de impostos já neste ano, como o PIS/Cofins para produtos importados, mas não deu mais detalhes, para ?evitar reação dos setores afetados?. Entre os analistas de mercado, a avaliação é de que a meta será recebida com cautela pelos investidores, ainda que o cenário externo favorável previsto pelo governo seja factível. ?Esses parâmetros ainda não se configuraram e o início de ano é ainda modesto frente aos desafios atuais?, afirma André Perfeito, da Gradual Investimentos. ?A situação descrita na LDO é factível, mas a falta de credibilidade força a uma atitude mais cautelosa por parte dos investidores?, completa ele.

Fonte: Brasil Econômico - 16/04/2014
 
+ Clipagem

Reforma da Previdência - 44 coisas que você não pode deixar de saber - Leiam a matéria em anexo. Repense, reavalie esta Reforma da Previdência proposta. Faça sua parte, ajude na di

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br