Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Afastar-se da média é afastar-se da humanidade; a grandeza da alma humana consiste em saber manter-se ali.
Pascal, Pensés, I,9,17
14/04/2014

Aliados querem posição de Dilma sobre economia

Objetivo seria sinalizar rumo da política de um eventual segundo mandato e acalmar mercado

Redação

BRASÍLIA- A presidente Dilma Rousseff precisa dar uma mensagem clara sobre a política econômica que pretende adotar em seu próximo mandato se quiser vencer a disputa nas urnas. Essa é a avaliação que ganha cada vez mais força no governo.

Por isso, já há até quem patrocine a ideia de que ela coloque suas propostas numa nova Carta ao Povo Brasileiro, nos mesmos moldes da divulgada por Lula na campanha eleitoral de 2002, quando o PT firmou um compromisso com o combate à inflação e o equilíbrio das contas públicas.

A reedição do documento teria a mesma finalidade de 12 anos atrás: acalmar o mercado financeiro, que já não acredita numa equipe econômica que deixou a inflação se acomodar perto do teto da meta, de 6,5%, e ainda lançou mão da chamada contabilidade criativa para conseguir pagar parte dos juros da dívida pública. Alguns interlocutores do Palácio do Planalto chegam a defender que a presidente vá além e revele logo quem será o responsável pela condução da economia caso ela seja reeleita.

O argumento dos aliados é que, como a atual equipe já está bastante desgastada, uma indicação mais amigável para o mercado teria reflexos positivos nos investimentos. Algumas corretoras já deixaram de recomendar o Brasil para seus clientes após os dados mais recentes da economia de inflação persistente e generalizada e de crescimento baixo.

- Não precisava anunciar oficialmente quem seria ministro, mas pelo menos deixar vazar para a imprensa os nomes - disse uma fonte sob a condição de anonimato.

- Podia deixar, por exemplo, os fotógrafos dos jornais verem o Nelson Barbosa (ex-secretário-executivo da Fazenda, que tem mais simpatia do mercado) entrando no Planalto para uma reunião - brincou um economista, que também pediu que seu nome não fosse divulgado.

Interlocutores dão como certa a troca na equipe econômica se Dilma se reeleger, o que significa que Guido Mantega não pode ser o principal interlocutor com o mercado se o assunto é a economia no segundo mandato. Assim, o mais provável é que a própria Dilma acabe se tornando a portavoz da futura política econômica quando a campanha esquentar. Até porque, brincam os técnicos, ela sempre achou que sabe mais do que seus subordinados quando o assunto é economia.

- Ela não acha que é a melhor economista deste país; ela tem certeza disso - afirma um interlocutor da presidente.

Analistas, no entanto, dividem-se quanto ao efeito que uma nova Carta ao Povo Brasileiro teria no mercado. O economista-chefe da corretora Gradual, André Perfeito, argumenta que Dilma deixou claro que seu maior desejo era deixar a taxa de juros real no Brasil em 2%. Tentou. Usou todas as armas para pressionar os bancos e não conseguiu.

Por isso, o mercado quer saber o que vem agora. Um documento poderia dirimir dúvidas. E afastar ruídos sobre a condução da política fiscal e do salário-mínimo.

Já Carlos Kawall, ex-secretário do Tesouro, acha que um documento não é necessário, porque o cenário é completamente diferente do conturbado ano de 2002. Dilma não é desconhecida da administração pública. Segundo ele, é muito mais importante cumprir promessas antigas do que fazer novas. E ainda diz que anunciar novo ministro da Fazenda não traria resultados.

- Seria deselegante com o ministro Mantega e ainda criaria dúvidas - alerta. - O que convenceria o mercado é dar sinais claros de mudança, como autorizar o reajuste da gasolina. Outro ponto é barrar a mudança do indexador da dívida dos estados.

- Do ponto de vista político, uma carta seria admitir que tudo o que fez está errado. O que importa não é fazer mais discurso - diz o ex-diretor do BC Alexandre Schwartsman. - Lembra-se de Davos (no Fórum Econômico Mundial, quando a fala de Dilma não convenceu o mercado)? Como dizem os americanos: "Talk is cheap!" ("Falar é fácil").

A oposição sabe que a política econômica é a maior fragilidade do governo, mas não está disposta a explorá-la logo. No PSDB e no PSB, há a percepção de que, se todos os argumentos da má condução da economia forem explorados agora, haveria queda mais acentuada de Dilma nas pesquisas. E isso poderia engrossar o movimento "Volta, Lula".

Fonte: O Globo - 14/04/2014
 
+ Clipagem

Reforma da Previdência - 44 coisas que você não pode deixar de saber - Leiam a matéria em anexo. Repense, reavalie esta Reforma da Previdência proposta. Faça sua parte, ajude na di

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br