Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Assim como a abelha colhe o mel de diferentes flores, o homem sábio aceita a essência das diferentes escrituras e vê somente o bem em todas as religiões.
Srimad Bhagavatam
08/04/2014

Até o fim do mês, 45% dos consumidores terão reajuste de 2 dígitos na conta de luz

Até o fim de abril, cerca de 45% de todos os consumidores de energia do país deverão sofrer um reajuste médio na conta de luz de dois dígitos. O aumento de preço da energia comprada pelas distribuidoras nos últimos 12 meses é o principal vilão da conta de luz. Mesmo com os esforços do governo para conter a elevação das tarifas, com aportes do Tesouro para bancar o acionamento intensivo de usinas térmicas, o valor da eletricidade disparou por conta de fatores como a alta do dólar.

Uma prévia desse aumento foi dado ontem pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), que autorizou altas de 14,24% e 16,46% nas tarifas residenciais da Cemig e da CPFL Paulista, respectivamente. Um conjunto de fatores influenciou a conta. O preço do megawatt-hora da hidrelétrica binacional de Itaipu, negociado na moeda americana, subiu mais de 18% no período. Sozinha, a usina fornece mais de um quinto do suprimento às distribuidoras.

O acionamento das térmicas também pesou na conta, embora CPFL e Cemig não apontem, especificamente, qual foi o montante absorvido dessas usinas.

Segundo uma fonte ligada às distribuidoras, o cenário apresentado por Cemig e CPFL tende a se repetir, com pequenas variações, nas demais empresas do setor que, neste mês, terão pedidos de reajustes avaliados pela Aneel. Um total de nove companhias aguarda a decisão da agência.

A compra de energia pelas distribuidoras é o fator que mais pesa no índice de reajuste. No aumento concedido para a Cemig, 65% está atrelado a aquisição de energia no mercado. Os demais 35% refere-se à parcela de receita da distribuidora, um aumento que costuma ficar em torno da variação acumulada do IGP-M. No caso da CPFL, essa relação chega a ser de 75% para o custo de energia, e 25% atrelados à distribuidora.

Numa demonstração de que pretende atenuar a todo custo os aumentos de tarifas antes da eleição presidencial, a Aneel reduziu de R$ 5,6 bilhões para R$ 1,7 bilhão a estimativa de déficit em 2014 da Conta de Desenvolvimento Energético (CDE), o fundo setorial responsável por bancar as reduções das contas de luz e o acionamento das térmicas. Com isso, diminuiu a necessidade de acréscimos nos reajustes deste ano, que deviam ser de 4,6 pontos percentuais para cada distribuidora, a fim de cobrir o déficit inicialmente previsto. Agora, esse acréscimo atrelado à CDE deve ficar em torno de 1,5 ponto percentual.

O rombo na conta foi reduzido graças à contabilização pela Aneel do aporte adicional de R$ 4 bilhões do Tesouro no fundo. Essa decisão contraria um posicionamento assumido um mês atrás pelo diretor-geral da agência, Romeu Rufino. Durante o anúncio do pacote de socorro ao setor, em março, Rufino havia informado que o déficit de R$ 5,6 bilhões da CDE seria integralmente repassado aos consumidores neste ano.

A perspectiva de aumentos de dois dígitos nas tarifas de 2014 bate de frente com as previsões do último relatório de inflação do Banco Central, que estimava uma alta de 7,5%, em média, para os consumidores residenciais.

Fonte: Correio Braziliense - 08/04/2014
 
+ Clipagem

Reforma da Previdência - 44 coisas que você não pode deixar de saber - Leiam a matéria em anexo. Repense, reavalie esta Reforma da Previdência proposta. Faça sua parte, ajude na di

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br