Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Assim como a abelha colhe o mel de diferentes flores, o homem sábio aceita a essência das diferentes escrituras e vê somente o bem em todas as religiões.
Srimad Bhagavatam
01/04/2014

Silêncio nos quartéis

Coluna - Tereza Cruvinel

O céu cinzento de ontem foi propício à recordação do dia em que o Brasil morreu na praia e embrenhou-se num túnel escuro, do qual sairia 21 anos mais tarde. Em verdade, no dia 31 apenas começaram, com a movimentação das tropas do general Mourão Filho, a partir das 5h da manhã, as 44 horas cruciais, que terminarão pouco depois da 1h da madrugada de 2 de abril. Foi mais ou menos àquela hora que, já estando a situação militar praticamente dominada pelos golpistas, um senador da República fez o serviço sujo institucional, apossando-se da Presidência num golpe de mão (e de falácias) para entregá-lo a um presidente da Câmara que se prestou ao fingimento no cargo, até que fosse empossado o primeiro general ditador. A exatidão da data não mudará a História, mas é parte dela, e assim devia ser ensinada.

Para os marcados pela ditadura, que pensaram tanto nela nestes últimos dias de tanta evocação, mais eloquente que alguns discursos e as poucas manifestações foi o silêncio dos quartéis. Por tantos anos, a Ordem do Dia nesta data foi uma bula a ser decifrada. Por ela, sabia-se quando o vento soprava a favor da distensão ou do endurecimento, se haveria trovoadas ou seria mantida a paz dos cemitérios. Mesmo após a redemocratização, elas continuaram sendo editadas, para recordar a ?revolução gloriosa de 1964?. Há pouco tempo, deixaram de ser divulgadas mas não faltariam ontem, se não tivesse o ministro da Defesa, Celso Amorim, transmitido a determinação da presidente Dilma: não seriam admitidas celebrações por parte do pessoal da ativa. Os reformados, sim, que digam o que quiserem, desfrutando da liberdade de expressão garantida pela democracia. O silêncio dos quartéis no cinquentenário do golpe teve sua profecia musical. Apesar de você, de Chico Buarque, sempre foi cantada nas aflições da resistência. ?Apesar de você/Amanhã há de ser/Outro dia. Inda pago pra ver/o jardim florescer/Qual você não queria./Você vai se amargar/Vendo o dia raiar/Sem lhe pedir licença.? Embora tão sutil, foi censurada.

Falaram ontem os que deviam falar. A presidente Dilma fez um bom discurso, contido na autorreferência, apesar do que sofreu no porão da tortura, restrito ao significado maior da data: ?Nós podemos olhar para esse período e aprender com, ele porque nós o ultrapassamos?. Falaram os que viveram a hora crucial, como Waldir Pires e Almino Afonso, octogenários, mas donos de uma lucidez impressionante, na lembrança e na avaliação. O Congresso, que foi algoz e vítima, e ainda os que, tendo resistido, puderam governar o país na democracia, Lula, Sarney e Fernando Henrique. Aos mortos, que não falam, as evocações de ontem e de hoje eram devidas.

Jango

Mesmo nestes dias de revisitação dos idos de 1964, o papel do ex-presidente João Goulart segue deslocado do lugar que lhe cabe na história. Os conservadores de ontem e de hoje continuam responsabilizando-o por um golpe do qual foi apenas vítima. Parte da esquerda ainda lamenta que ele não tenha comandado a resistência enquanto era tempo, quando havia ainda forças militares leais. Errático, frustrou os aliados que esperaram por uma ordem que ele não deu. Mas o comportamento de Jango no golpe já fora esboçado lá atrás, na crise do veto militar à sua posse, depois da renúncia de Jânio, em 1961. Brizola comandou a resistência com uma metralhadora no ombro, uma rádio no porão do Palácio Piratini, cabeça da cadeia da legalidade, e as tropas prontas para agir. Na sinuosa volta da China, passando por Paris, Nova York, Buenos Aires e Montevidéu, Jango acabou aceitando o acordo para tomar posse sob o sistema parlamentarista, abdicando de parte dos poderes presidenciais. Assim contornava o veto militar e evitava derramar sangue. Decepcionou Brizola. Ali, depois de tudo resolvido, falou ao povo gaúcho: ?Que Deus me proteja, que o povo me ajude e que as armas não falem?. Em 1964, não quis novamente que as armas falassem, sabedor que era das graves consequências de uma intervenção militar americana, que apontava inclusive para a cisão territorial do Brasil. Foi o que ele contou a Waldir ter ouvido de San Thiago Dantas.

Jango, fazendeiro na origem, não era um intelectual refinado, mas não era um político estúpido nem irresponsável. Elegeu-se deputado, foi ministro do Trabalho, duas vezes vice-presidente, com votações maiores do que as do titular da chapa, antes de suceder a Jânio. Não armava golpe, não era comunista nem entregaria o poder a eles. ?Não serei o Kerenski de vocês?, disse, num encontro em que havia sindicalistas do PCB. Kerenski governou a Rússia entre a deposição da monarquia, em fevereiro, e a revolução bolchevique, em outubro. O PCB, ou melhor, Prestes, é que se iludia com a conjuntura brasileira.

Juremir Machado, em seu livro Jango, vida e morte no exílio, recompõe sua nostalgia no exterior, tão perto do Brasil em que não podia entrar. Voltou morto. Seu corpo exumado voltou recentemente a Brasília para a coleta de material para análises, no âmbito da investigação sobre as causas de sua morte. É importante sanar essa dúvida. O regime não tinha limites e era sócio da Operação Condor. Mas ele era cardiopata, já tivera pelo menos dois enfartes antes. Não é isso, entretanto, que lhe dará o devido lugar na História. É o resgate do significado de seu governo e da emergência do povo em defesa das reformas de base, da radicalização democrática que era ensaiada, despertando as reações que levaram a um regime que, apesar de sua resignação, acabou correndo sangue. E muita dor.

Fervor tucano

Vem aí uma série de programas de tevê do PSDB, que serão lenha pura em Dilma. ?Queremos saber como é que ela, que assusta os auxiliares com seu gosto por espancar projetos, aceitou como uma cordeirinha um contrato danoso ao país como o da refinaria?, diz o deputado tucano Marcus Pestana. A guerra da instalação da CPI terá seu dia decisivo hoje.

Fonte: Correio Braziliense - 01/04/2014
 
+ Clipagem

Reforma da Previdência - 44 coisas que você não pode deixar de saber - Leiam a matéria em anexo. Repense, reavalie esta Reforma da Previdência proposta. Faça sua parte, ajude na di

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br