Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Há uma regra imutável de que precisamos sempre nos lembrar: se algum objetivo bom puder ser alcançado apenas por meios maus ou afinal ele não é realmente bom, ou então ainda não chegou a sua hora.
Leon Tolstoi
17/03/2014

Opinião FSP - Fundo de Garantia não garante sua aposentadoria

MARCIA DESSEN

O FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) foi instituído em 1966, ainda de forma facultativa, para substituir o regime vigente na época de estabilidade decenal, que considerava estável (demissão somente por justa causa) o empregado que completava dez anos de trabalho em uma empresa.

Anos depois, essa estabilidade foi extinta e todos os trabalhadores regidos pela CLT (Consolidação das Leis Trabalhistas) que firmaram contrato de trabalho a partir de 5 de outubro de 1988 passaram a ter direito ao FGTS, um conjunto de recursos captados das empresas em geral e administrados pela Caixa Econômica Federal.

FINALIDADES

As finalidades do FGTS estão assim definidas: formar um fundo de indenizações trabalhistas; oferecer ao trabalhador a possibilidade de formar um patrimônio em troca da estabilidade no emprego; proporcionar ao trabalhador aumento de sua renda real, pela possibilidade de acesso à casa própria; formar fundo de recursos para o financiamento de programas de habitação popular, saneamento básico e infraestrutura urbana.

DE ONDE VEM O DINHEIRO

O empregado não contribui para essa arrecadação. O custo do FGTS é obrigação integral do empregador que recolhe, mensalmente, o equivalente a 8% do valor do salário do trabalhador em uma conta vinculada ao FGTS.

REMUNERAÇÃO

Mensalmente, os depósitos recebem atualização monetária pela variação da TR (Taxa Referencial) mais juros de 3% ao ano.

A remuneração pífia, equivalente a 50% do rendimento dos depósitos da poupança, impõe significativa perda aos trabalhadores perante os índices de inflação acumulados e a taxa de juros praticada no mercado ao longo do tempo.

A remuneração total das contas vinculadas ao FGTS nos últimos 18 anos, entre 1996 e 2013, foi de 197,72% enquanto a inflação, medida pelo IPCA (índice oficial), atingiu 206,51% e a taxa Selic (juro básico) foi de 1.571,63% no mesmo período.

BOA E MÁ NOTÍCIAs

A boa notícia é que o trabalhador acumula essa reserva sem nenhum esforço de sua parte.

O empregador é o único que assume os custos desse recolhimento, onerando a folha de pagamento em 8% por conta do FGTS.

A má notícia é que a perda do trabalhador, representada pela oportunidade desperdiçada, é alta.

Se analisarmos os números dos últimos 18 anos, fica evidente a desvantagem da remuneração do FGTS em relação a outros indicadores econômicos.

CAMINHOS POSSÍVEIS

Vamos imaginar três amigos acumulando dinheiro para a aposentadoria, por caminhos distintos.

A simulação no quadro assume depósitos mensais de R$ 100 feitos ao longo de 216 meses (18 anos).

Em relação à taxa de juros, adotei, simplificadamente, a taxa média mensal encontrada pela descapitalização da taxa acumulada em 18 anos. Não considerei impacto de inflação e Imposto de Renda (no caso do Pedro).

José optou pelo caminho mais fácil, esforço zero, e se contentou com o FGTS, integralmente pago pela empresa onde trabalha. Nada saiu do bolso de José e seu saldo acumulado é de R$ 39.030.

Maria decidiu fazer o mesmo esforço que a empresa e investiu R$ 100 adicionais em uma conta poupança. Em 18 anos (216 meses), Maria desembolsou R$ 21.600 e conseguiu acumular R$ 93.833. No FGTS tem R$ 39.030, o mesmo saldo de José, e na poupança tem R$ 54.803.

Pedro seguiu o mesmo caminho de Maria e optou por investir R$ 100 adicionais, mas escolheu uma aplicação atrelada à taxa Selic.

Seu saldo (bruto) acumulado é de R$ 158.705. No FGTS, tem R$ 39.030, o mesmo saldo dos amigos, e na outra aplicação financeira tem R$ 119.675.

SUA ESCOLHA

Que caminho você está trilhando? Os números demonstram que, infelizmente, o FGTS agrega muito pouco valor ao seu patrimônio.

Para assegurar uma situação financeira mais confortável, seja na aposentadoria, seja para viabilizar a aquisição da casa própria ou para outra meta qualquer, é necessário fazer um esforço adicional. Pense nisso!

MARCIA DESSEN, certified financial planner, é sócia do BMI (Brazilian Management Institute), professora convidada da Fundação Dom Cabral e diretora do Instituto Brasileiro de Certificação de Profissionais Financeiros. É autora do livro "Cuide Bem do seu Dinheiro" (Editora Pearson, 2013). www.bmibrasil.com.br

Fonte: Folha de S. Paulo - 17/03/2014
 
+ Clipagem

Reforma da Previdência - 44 coisas que você não pode deixar de saber - Leiam a matéria em anexo. Repense, reavalie esta Reforma da Previdência proposta. Faça sua parte, ajude na di

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br