Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Pode ser perigoso ou ridiculo deixar transparecer a cólera, no rosto ou nas palavras. A raiva e o ódio devem somente se manifestar nas ações: unicamente os animais de sangue frio são venenosos.
Schopenhauer
17/03/2014

Mantega busca maior consumo

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, continua a apostar no aumento do crédito ao consumidor para acelerar o ritmo de crescimento do país. O tema deverá constar da pauta da reunião hoje de manhã com representantes do Instituto de Desenvolvimento do Varejo (IDV) no gabinete do ministro em São Paulo.

Iinstrumentos tradicionais de ampliação do crédito no país, os bancos públicos, enfrenta limitações atualmente. O volume de empréstimos está crescendo com velocidade superior à dos bancos privados, sobretudo os estrangeiros. Em seu conjunto, as instituições estatais já detêm mais de 50% do crédito total do país, incluindo o que é destinado a empresas que investem.

Além de o crescimento do setor oficial incomodar o sistema financeiro privado, há o aspecto fiscal. No ano passado, a Caixa Econômica Federal precisou de capitalização de R$ 8 bilhões do Tesouro Nacional para participar do programa Minha Casa Melhor, que permitiu a pessoas de baixa renda beneficiadas com a casa própria comprar eletromésticos.

Uma das preocupações do governo nessa área é com o risco de rebaixamento da nota brasileira pelas agências de classificação de risco. O tema poderá entrar em pauta em outro encontro que Mantega terá hoje em seu escritório na sede do Banco do Brasil (BB), em São Paulo: às 18h, ele receberá o secretário do Tesouro dos Estados Unidos, Jacob Lew. Após a conversa, ambos farão um pronunciamento.

Por mais que decida, eventualmente, limitar a ação dos bancos estatais, porém, Mantega continua contando com eles. Monitora constantemente o volume de empréstimos do BB. Quando o montante cai, ele liga. "Será que vocês não estão com taxas muito altas?", indaga. A dúvida é uma ordem polida. Significa algo do tipo "cobrem juros mais baixos". Na Caixa, onde sua influência é menor, ele fez o inverso no fim do ano passado. Ligou para o presidente da instituição, Jorge Hereda, e determinou a contenção dos empréstimos a empresas. Assim foi feito.

Na época, o ministro julgou necessário um ajuste. A Caixa, cuja propriedade é integralmente do governo federal, seguiu a diretriz de ampliar o crédito. Mas exagerou na dose, expondo-se excessivamente ao risco, além de ocupar espaços de bancos privados e do próprio BB. Esse tipo de atuação detalhista é algo típico de Mantega.

Fonte: Correio Braziliense - 17/03/2014
 
+ Clipagem

Reforma da Previdência - 44 coisas que você não pode deixar de saber - Leiam a matéria em anexo. Repense, reavalie esta Reforma da Previdência proposta. Faça sua parte, ajude na di

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br