Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Há uma regra imutável de que precisamos sempre nos lembrar: se algum objetivo bom puder ser alcançado apenas por meios maus ou afinal ele não é realmente bom, ou então ainda não chegou a sua hora.
Leon Tolstoi
05/03/2014

Peso do governo no PIB é recorde; indústria tem menor fatia

Dados mostram sinais de esgotamento do modelo de crescimento baseado no consumo e migração, ainda que lenta, para os investimentos

PEDRO SOARESSAMANTHA LIMADO RIO

Nunca a indústria teve uma fatia tão reduzida da produção nacional como em 2013.

Enquanto a indústria encolheu, o setor de serviços avançou e o consumo do governo alcançou seu maior peso na economia do país, segundo o IBGE.

A análise da composição do PIB a partir das atividades econômicas mostra que, em 2013, as fábricas brasileiras contribuíram com 24,9% do crescimento da economia. É a menor participação desde 2000, início da série. Nesse período, o pico havia sido em 2004, com 30,1%.

Já a avaliação pelos chamados "componentes da demanda", outra forma de ver o PIB, mostra que o consumo do governo chegou a 22%, ante 21,3% em 2012. A participação era de 19,2% em 2000, segundo o IBGE.

Nessa conta, estão todos os bens e serviços usados por União, Estados e municípios para atender à população em saúde, educação, Justiça e na própria administração das esferas de poder, entre outros.

Além do consumo público, a ótica da demanda inclui o consumo das famílias (peso de 62,5% em 2013), investimentos (18%), exportações (12,6%) e importações (-15,1%) --este último é excluído da conta do PIB pois reflete produção realizada fora do país.

O setor de serviços abocanhou 69,4% da economia, maior índice desde 2000. A agropecuária ficou com 5,7%.

É uma tendência das economias mais maduras e desenvolvidas haver um setor de serviços com mais peso, já que, com o avanço do perfil de renda, o consumo de serviços também cresce.

No Brasil, porém, discute-se se houve uma desindustrialização prematura, antes que o país alcançasse um padrão de renda per capita mais elevado --o indicador ficou em R$ 24.065 em 2013, com alta de 1,4% ante 2012.

O PIB de 2013 mostrou ainda que ocorre mudança do padrão de crescimento, com esgotamento do modelo baseado no consumo e uma migração, ainda que lenta, para os investimentos.

O consumo das famílias repetiu o crescimento do PIB (2,3%), abaixo dos investimentos (6,3%). O consumo do governo cresceu 1,9%.

Segundo José Francisco de Lima Gonçalves, economista-chefe do banco Fator, após anos de economia sustentada pelo consumo, a capacidade produtiva esgotou-se e tornou atraente o investimento para eliminar gargalos em ramos como infraestrutura, indústria e serviços.

"A retomada dos investimentos é desejável, já que abre caminho para uma inflação menor."

Segundo Virene Matesco, economista da FGV, esse padrão de expansão era "fruto das escolhas erradas do governo, colocando ideologia à frente da eficiência das forças econômicas". Por isso, diz, o modelo baseado no consumo das famílias mostra agora "sinais de esgotamento".

Fonte: Folha de S. Paulo
 
+ Clipagem

Reforma da Previdência - 44 coisas que você não pode deixar de saber - Leiam a matéria em anexo. Repense, reavalie esta Reforma da Previdência proposta. Faça sua parte, ajude na di

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br