Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Assim como a abelha colhe o mel de diferentes flores, o homem sábio aceita a essência das diferentes escrituras e vê somente o bem em todas as religiões.
Srimad Bhagavatam
20/01/2014

Desequilíbrio nas urnas

Os altos custos de uma campanha desequilibram a disputa e tornam mais difícil o sonho de muitos cidadãos se tornarem um representante do povo. Um exemplo na atual legislatura envolve o petista Chico Leite e o petebista Cristiano Araújo. Leite informou ter investido cerca de R$ 310 mil e obteve 36.806 votos (leia quadro). Araújo injetou cerca de R$ 900 mil, que lhe renderam 17.047 votos.

O petista reconhece que o atual sistema de financiamento desequilibra a concorrência. "Dá margem para que o poder econômico prevaleça sobre os ideais. É por isso que eu defendo o financiamento público de campanha. E, quando a mudança for aprovada, acho que teremos que tornar ilícito qualquer recurso privado", defende Chico Leite. Cristiano Araújo não atendeu a ligação do Correio até o fechamento da edição.

Um dos presidentes de partido ouvidos pela reportagem estima que, este ano, quem quiser ser eleito terá que desembolsar R$ 500 mil, no mínimo. O convite para disputar um assento na Câmara Legislativa foi uma surpresa para o servidor público Felipe Teixeira Ribeiro, 34 anos. E o gasto com a campanha é uma preocupação. "Essa foi uma das primeiras perguntas que fiz. O deputado que apresentou o convite para eu concorrer disse que seria necessário algo em torno de R$ 30 mil para fazer uma campanha limpa, sem fechar pré-acordos", conta. Para Felipe, o mais difícil é concorrer com quem já tem mandato e conta com a máquina. Para driblar a falta de dinheiro, o servidor público planeja mobilizar amigos e promover jantares de adesão.

Para o presidente regional do PCdoB, Augusto Madeira, a concorrência de igual para igual só vai acontecer se for aprovado o financiamento público. "O sistema atual torna a eleição quase censitária. É eleito quem tem mais dinheiro. É corrida financeira de quem gasta mais", diz.

Quanto mais desconhecida é a pessoa, maior o gasto, segundo Lucas Kontoyanis, presidente regional do PHS. "Acredito que, este ano, as redes sociais vão representar 40% de uma campanha. Isso aliviará um pouco os custos", afirma. (AB)

Fonte: Correio Braziliense - 20/01/2014
 
+ Clipagem

Reforma da Previdência - 44 coisas que você não pode deixar de saber - Leiam a matéria em anexo. Repense, reavalie esta Reforma da Previdência proposta. Faça sua parte, ajude na di

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br