Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Pessimista é um otimista bem informado.
Autor Desconhecido
09/12/2013

Opinião O Globo - Espelho nacional

Fábio Giambiagi

Na hora de voltar para casa, sempre escuto a "Hora do Brasil" O programa é uma verdadeira aula da Nação e seu título espelha a forma como o país pensa. Com certa imaginação, vou criar alguns exemplos da programação (as notícias e os nomes são fictícios).

"Poder Executivo. O ministro João da Silva assinou hoje o convênio com o estado X para transferência de recursos ligados ao esforço de combate à seca. Na ocasião, o ministro ressaltou que o convênio indica o compromisso do governo federal com a solução definitiva do problema que há tantas décadas assola o sertão. Passamos agora para o noticiário sobre o Poder Legislativo, começando pela Câmara dos Deputados. O deputado Pedro Dantas discursou hoje em defesa de um aumento de 10% para os aposentados e pensionistas que ganham acima do salário mínimo. O deputado salientou que o fato de os aposentados que recebem mais de um salário mínimo terem tido ao longo dos últimos anos reajustes inferiores ao daqueles que ganham o mínimo cria dois tipos de aposentadorias, estabelecendo uma discriminação que o deputado qualificou como "injustificada e odiosa" Ele foi apartado pelo líder do governo na Câmara dos Deputados, que disse se sentir sensibilizado com a proposta e que iria se encarregar de levar a reivindicação à Presidência da República. Vamos agora para o Senado Federal.

O senador Romualdo Antunes defendeu seu projeto que muda os contratos de renegociação da dívida das entidades subnacionais com o governo federal, passando a adotar a partir de agora uma taxa nominal de juros de 4% e eliminando qualquer indexação. O senador alegou que os juros são muito elevados e que as finanças estaduais encontram-se estranguladas, razão pela qual é essencial para o equilíbrio da Federação que os juros pagos pelos estados sejam iguais ao que ele entende que poderia ser considerada uma taxa de inflação de longo prazo e sem qualquer acréscimo adicional."

Os exemplos são inventados, mas representam aproximadamente o que milhões de brasileiros ouvem todos os dias. Quando escuto tais bondades, lembro das palavras de FHC, expressas com "chapéu" de sociólogo, ao preparar Armínio Fraga para a sabatina no Senado e reproduzidas no seu livro "A arte da política" (Civilização Brasileira, página 428): "Não se esqueça do seguinte: o Brasil não gosta do sistema capitalista. Os congressistas não gostam do capitalismo, os jornalistas não gostam do capitalismo, os universitários não gostam do capitalismo... O ideal, o pressuposto, que está por trás das cabeças, é um regime não capitalista e isolado, com Estado forte e bem-estar social amplo."

Nos exemplos acima, num caso o ministro está fazendo o que o país vem fazendo há cem anos, sem ir à raiz do problema e sem que ele seja equacionado em bases estruturais; o deputado fica bem com milhões de pessoas, sem se dar ao trabalho de definir de onde sairiam os recursos; e o senador faz um agrado às suas bases estaduais, propondo um disparate, mesmo que isso dinamite as finanças da União.

A "Hora do Brasil" é um relato de utopias. Ela espelha a alma nacional, onde os planos mirabolantes e a retórica das promessas ultrapassam o esforço em dimensionar o que se pode fazer, com o melhor retomo possível, dada certa restrição de recursos. Diz-se que Jean Daniel, diretor de "Le Nouvel Ob-servateur" teria dito: "Prefiro me enganar com Jean-Paul-Sartre a ter razão com Raymond Aron" (ambos protagonistas de intensas controvérsias ideológicas nos anos da Guerra Fria). Na cultura nacional onde, no terreno da retórica, tudo é possível, a grande maioria de nossos políticos prefere "se enganar com Sartre ao invés de ter razão com Aron" ou seja, prometer coisas que não fazem o menor sentido, para não correr o risco de incorrer em um raciocínio que possa ser qualificado de "neoliberal" "tec-nocrático" ou "ortodoxo" Um antigo diplomata dizia que "políticos preferem lidar com sonhos e não com a realidade, porque esta necessariamente impõe limites, enquanto nos sonhos tudo é possível" O Brasil terá feito um avanço cultural no dia em que a "Hora do Brasil" deixar de ser o que sempre foi e levar o ouvinte a entender a dificuldade de fazer escolhas entre políticas, em vez de se limitar a ser um enunciado de ideais. ?

Fabio Giambiagi é economista

Fonte: O Globo - 09/12/2013
 
+ Clipagem

Reforma da Previdência - 44 coisas que você não pode deixar de saber - Leiam a matéria em anexo. Repense, reavalie esta Reforma da Previdência proposta. Faça sua parte, ajude na di

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br