Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Perdoe os outros por muitas coisas, mas não perdoe a si mesmo por nada.
Publilius Syrus
27/11/2013

Dilma discorda de atrelar produção doméstica a preço externo

A presidente Dilma Rousseff não concorda com a proposta da diretoria executiva da Petrobras, que atrela, na fórmula concebida para reajustes automáticos, os preços dos derivados produzidos internamente ao comportamento dos preços internacionais.

O óleo que é retirado da Bacia de Campos e refinado em Duque de Caxias por trabalhadores que recebem seus salários em reais não pode ter seu preço determinado por cotação externa, explicaram fontes oficiais. Esse é o entendimento do governo, mesmo o petróleo sendo uma commodity, cerca de 60% a 70% dos investimentos dessa indústria serem feitos em dólares e a estatal importar dos Estados Unidos parte da gasolina e do diesel consumidos no país.

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, que é presidente do conselho de administração da estatal, também recusa qualquer metodologia de reajuste que signifique "uma indexação". Mantega está discutindo a situação da Petrobras com os olhos na inflação. Não há previsão, por enquanto, sobre o que vai ser decidido na próxima reunião do conselho.

"O ponto de virada para a presidente foi a notícia de que os preços internos obedeceriam às cotações internacionais do petróleo", comentou uma fonte do governo. Nesse momento, Dilma deixou de apoiar a proposta de Graça Foster, presidente da Petrobras, por entender que a companhia está olhando apenas seus próprios interesses e não os do país, especialmente o controle da inflação. Ontem, Mantega confirmou a próxima reunião do conselho para o dia 29 e disse que ainda está "amadurecendo uma modalidade para eventual reajuste do combustível".

A Petrobras tem que fazer pesados investimentos nos próximos anos. O plano estratégico atual, que vai de 2013 a 2017, prevê investimentos totais de º U$ 236,7 bilhões, ou uma média de US$ 47,3 bilhões por ano.

Sem acompanhar os preços internacionais, a Petrobras acumula prejuízos no abastecimento e refino e não está claro como a companhia terá caixa para financiar esses investimentos. Nos últimos cinco anos, o fluxo de caixa das atividades operacionais da empresa foi de US$ 28,5 bilhões, na média, para investimentos anuais de US$ 42,6 bilhões.

Especialistas em petróleo do mercado financeiro avaliam que na própria construção de uma fórmula de reajuste seria possível contemplar e mitigar as preocupações de Dilma e Mantega.

Fonte: Valor Econômico - 27/11/2013
 
+ Clipagem

Brasil vive apagão estatístico sobre mercado de trabalho - Sem dados de IBGE, Caged e seguro-desemprego, país pode ficar sem saber dano do coronavírusFernanda Brigatti

Reforma da Previdência - 44 coisas que você não pode deixar de saber - Leiam a matéria em anexo. Repense, reavalie esta Reforma da Previdência proposta. Faça sua parte, ajude na di

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br