Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

O sabio que tudo sabe é aquele que sabe que nada sabe.
Platão
04/11/2013

PEC do Trabalho Escravo vai a votação no Senado amanhâ

A PEC do Trabalho Escravo (57-A/99) irá a votação no plenário do Senado nesta terça-feira, 5 de outubro com o sério risco de ser totalmente desfigurada. Sua votação está condicionada a uma manobra do Senado por pressão da bancada ruralista.

Aprovado em maio de 2012 na Câmara dos Deputados como PEC 438/01, o texto autoriza a desapropriação de imóveis rurais e urbanos que explorem trabalhadores em situação análoga à escravidão. Mas os senadores ligados ao agronegócio querem alterar os seus dispositivos, ?abrandando? a sua redação e restringindo a ação dos Auditores-Fiscais do Trabalho.

A falta de consenso sobre a PEC do Trabalho Escravo no Senado fez com que os parlamentares invertessem a ordem de aprovação das matérias: normalmente as mudanças constitucionais são aprovadas para só então passarem por regulamentação, em projeto de lei. A disputa de interesses, porém, fez com que o Congresso Nacional tivesse de se adiantar na elaboração de uma proposta que esclareça as consequências práticas da PEC antes mesmo de sua aprovação, que é a regulamentação do PLS 432/13, cujo relator é o senador Romero Jucá.

Apesar de o Senado ter acatado algumas propostas encaminhadas pelo governo e por entidades vinculadas à luta contra o trabalho escravo, na PEC do Trabalho Escravo, o coordenador Geral da Comissão Nacional para a Erradicação do Trabalho Escravo -Conatrae, José Guerra, entende que o projeto de regulamentação ficou aquém do ideal, principalmente por não conter as hipóteses de jornada exaustiva e condições degradantes na conceituação de Trabalho Escravo para fins de expropriação.

?Entendemos que a aprovação do PLS 432/13 da forma que se encontra anulará o efeito da aprovação da PEC do Trabalho Escravo, havendo inclusive uma grande possibilidade de retrocesso na conceituação de Trabalho Escravo no país?, enfatizou.

Para que o retrocesso seja evitado, a Secretaria de Direitos Humanos, o Ministério do Trabalho e Emprego - MTE, em parceria com as lideranças do PT e do governo no Senado, prepararam um pacote de emendas que, sendo aprovadas, modificam o PLS 432/2013 e recuperam a proposta de regulamentação apresentada pelo governo da PEC do Trabalho Escravo. As propostas estão sendo centralizadas na Casa Civil, que vai discutir com Romero Jucá a inclusão, na lei, da dimensão degradante do trabalho escravo e a jornada exaustiva.

O Sinait junto com as demais entidades que integram a Conatrae vai reforçar a mobilização em defesa da PEC do Trabalho Escravo para promover sua aprovação no Senado e uma regulamentação que represente um real avanço no combate ao Trabalho Escravo no país.

Para as entidades o grande problema desse projeto de lei é que ele quer redefinir o conceito de trabalho escravo, que já está amplamente delimitado em legislações nacionais e internacionais.

A bancada ruralista, porém, argumenta que o conceito de trabalho escravo não está especificado na legislação, o que daria poderes ?exagerados? aos Auditores-Fiscais para punirem empresas que ?apenas? desrespeitam as leis trabalhistas.

PLS 432/13 - O projeto de lei que desfigura a PEC do Trabalho Escravo, elaborado pela Comissão Mista de Consolidação da Legislação Federal e Regulamentação de Dispositivos da CF, desconsidera os conceitos expressos no artigo 149 do Código Penal e em várias normativas, portarias e manuais do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), que detalham o tema à exaustão. Conforme explica o Auditor-Fiscal Renato Bignami, coordenador do Programa de Erradicação do Trabalho Escravo da Superintendência Regional do MTE em São Paulo, todos os documentos relativos ao tema são públicos, estão na internet e regem a atuação dos auditores fiscais.

?Os Auditores não vão para um trabalho desses sem o conhecimento dos instrumentos e sem antes passar por um forte treinamento, que é ministrado a todos os auditores que lidam com o combate ao trabalho escravo. Tenho tranquilidade em dizer que não há a menor possibilidade do trabalho estar sendo realizado de forma arbitrária. Não é verdade que tudo fica na mão do Auditor-Fiscal?, afirma Renato Bignami, contrapondo-se aos argumentos falaciosos da bancada ruralista. Juntos, estes documentos somam mais de 100 páginas delimitando tanto o conceito de trabalho escravo quanto a atuação do Auditor- Fiscal.

Eles servem de parâmetros para o artigo 149 do Código Penal, que foi modificado em 2003 para criminalizar e punir, com dois a oito anos de reclusão, os responsáveis por ?reduzir alguém a condição análoga à de escravo, quer submetendo-o a trabalhos forçados ou a jornada exaustiva, quer sujeitando-o a condições degradantes de trabalho, quer restringindo, por qualquer meio, sua locomoção em razão de dívida contraída com o empregador ou preposto?. Já o projeto do senador Romero Jucá descarta todo esse arcabouço legal e administrativo para lançar mão de uma limitada definição de trabalho escravo.

Tramitação ? O Projeto de Lei do Senado 432/2013 encontra-se no plenário do Senado, onde foram apresentadas nove emendas. Por se tratar de matéria especial, a proposição deverá passar por mais uma sessão de debates, a primeira já ocorreu, depois seguirá à Comissão Especial para analisar as emendas apresentadas. Só após a análise das emendas, a matéria poderá ser apreciada no plenário do Senado.

Fonte: Rede Brasil Atual e da Conatrae
 
+ Clipagem

Reforma da Previdência - 44 coisas que você não pode deixar de saber - Leiam a matéria em anexo. Repense, reavalie esta Reforma da Previdência proposta. Faça sua parte, ajude na di

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br