Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

As instituições humanas são, por sua natureza, tão imperfeitas, que, para destruí-las, basta, quase sempre, levá-las às últimas consequências.
Tocqueville. Penseés detacheés
08/10/2013

Insegurança jurídica ameaça portos

Algumas regras de 150 anos atrás persistem no sistema portuário no Brasil, entre as quais a utilização quase compulsória de trabalhadores avulsos, os estivadores, sejam eles necessários ou não para a movimentação de cargas no convés dos navios, depois que as embarcações atracam. Em terra, no cais, as tarefas geralmente são executadas por profissionais contratados, os portuários.

Até o início da década de 1990, os trabalhadores avulsos designados para cada navio atracado eram escolhidos pelos sindicatos locais de estivadores, criando uma espécie de casta nos portos. Estivadores designados muitas vezes "subcontratavam" outras pessoas, conhecidas como "bagrinhos" para substituí-los em tarefas pesadas, ficando para si com parte da remuneração.

Após a Lei de Modernização dos Portos, tal prerrogativa foi substituída pelos, órgãos gestores de mão de obra (Ogmos), ainda com participação dos sindicatos, porém não mais com exclusividade. A criação dos Ogmos foi acompanhada de um programa de redução gradual do número de estivadores, com planos de indenização, aposentadoria e requalificação profissional. O uso crescente de equipamentos aboliu em grande parte o trabalho braçal nos portos, o que tornou desnecessária a mesma quantidade de estivadores. Assim, mesmo com a redução do número de trabalhadores avulsos sindicalizados, o quadro atual é de oferta de mão de obra, e não de escassez.

A utilização de trabalhadores avulsos é quase compulsória no chamado porto organizado (áreas públicas arrendadas ou não). Há operadores privados que preferem contratar permanentemente trabalhadores, respaldando-se em decisões da Justiça, mas sob pressão dos sindicatos. Como aliados, costumam encontrar apoio nas famílias de estivadores quando elas são informadas de benefícios oferecidos aos contratados.

Pela legislação agora em vigor, os terminais privados, situados fora dos limites do porto organizado, têm a opção de contratar profissionais ou utilizar avulsos não necessariamente escalados pelo Ogmo. Um grande terminal privado em Santos (o Embraport), vizinho ao porto organizado, fez isso e tem sido alvo sistemático do sindicato local de estivadores. Suas instalações foram recentemente ocupadas e até mesmo um navio que estava ali atracado, impossibilitando a operação de embarque e desembarque de cargas.

Sob a égide da nova legislação, o governo espera atrair investimentos privados para a construção ou arrendamento de novos terminais. Essa questão precisa ser resolvida, pois os custos da mão de obra pesam no cálculo do investimento. Se a estimativa for feita çonside-rando-se as definições da lei, mas, por imposição sindical, a prática tiver de ser diferente, o potencial investidor deverá se retrair diante de um ambiente de insegurança jurídica.

Fonte: O Globo - 08/10/2013
 
+ Clipagem

Reforma da Previdência - 44 coisas que você não pode deixar de saber - Leiam a matéria em anexo. Repense, reavalie esta Reforma da Previdência proposta. Faça sua parte, ajude na di

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br