Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

As instituições humanas são, por sua natureza, tão imperfeitas, que, para destruí-las, basta, quase sempre, levá-las às últimas consequências.
Tocqueville. Penseés detacheés
16/09/2013

Secessão fiscal

Não são os pibinhos, o dólar caro e a carestia que ti­ram o sono de governadores e prefeitos. O imbró­glio econômico que os inquieta mesmo é a antiga ? e cada vez mais absoluta ? desarmonia federa­tiva em questões tributárias. A concentração nos cofres fe­derais da montanha de recursos recolhida dos contribuin­tes não deixa apenas as administrações estaduais e munici­pais insatisfeitas. Ela também nutre conflitos que podem levar nos próximos anos a graves desdobramentos. Não é de hoje que gestores públicos alertam para o risco de rup­tura do pacto entre os entes da Federação. Até o caldo en­tornar, o cidadão sofrerá mais com indefinições sobre re­ceitas e competências de cada governo.

Os sinais estão aí para quem quiser ver. Eles vão desde as dificuldades da maior cidade do país em rolar a sua dívida de R$ 54 bilhões à crescente redução no número de leitos no Sistema Único de Saúde (SUS). Enquanto todos os esta­dos pressionam o Planalto para renegociar seus passivos dentro da Lei de Responsabilidade Fiscal e para ampliar as suas participações em fundos constitucionais e nos royal­ties do pré-sal, eles também se digladiam numa batalha campal para atrair empreendedores, em meio à pesada car­ga tributária brasileira.

É preocupante constatar que a chamada guerra fiscal não acabou nem mesmo após o Supremo Tribunal Federal (STF) ter mandado, em 2011, os estados ç o GDF acabarem de vez com a famigerada farra dos incentivos ilegais via peadas renúncias do Imposto sobre Circulação de Mercado­rias e Serviços, o controverso ICMS. Em fogo brando, a perspectiva de uma secessão fiscal segue o seu curso em paralelo com as crescentes pressões coletivas pela libera­ção de mais verbas da desnaturada mãe União. A romaria a Brasília de alcaides com pires na mão vai cedendo lugar às manifestações de rua.

O Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz), for­mado pelas secretarias estaduais da Fazenda e responsável pela aprovação ou veto aos incentivos propostos, deveria as­sumir seu papel de regulador dos chamados instrumentos fiscais de desenvolvimento local e regional. Mas parece ser algo longe de ocorrer. Prova disso está na irritação explícita do governo distrital com a desenvoltura de Goiás e outros es­tados vizinhos em continuar oferecendo benesses fiscais pa­ra atrair grandes empresas, como as dos polos farmacêutico e automotivo.

O secretário de Fa­zenda do DF, Adonias dos Reis Santiago, questiona a "desi­gualdade de trata­mento" da Justiça na hora de avaliar con­cessões a projetos privados feitas pelo GDF. "Ao condenar os nossos programas e ao demorar a julgar os de outros, os tri­bunais fomentam diariamente a inse­gurança jurídica e as­sistimos, sem poder reagir, à migração dos investimentos para poucos quilômetros além da divisa", resume. Para piorar, apesar de as isenções pontuais de impos­tos serem inconstitucionais, o Congresso Nacional ainda não definiu como validar contratos de longo prazo já assinados nem fixou eventuais regras de transição.

Portas de saída

Enquanto o governo federal discute com parlamentares a chance de enxugar alíquotas do ICMS cobrado em cada uni­dade da Federação, a Fundação Getulio Vargas (FGV-SP) de­fende os incentivos em estudo encomendado pelo governo goiano, como estratégia para equilibrar regionalmente o progresso e a industrialização do país. O argumento básico é o de que as renúncias de ICMS são a única maneira de des­locar mais rapidamente para o interior parte da produção estacionada próxima dos grandes centros de consumo. A outra alternativa está na melhoria da infraestrutura, que le­va mais tempo e dinheiro.

Os 16 governadores do Norte, do Nordeste e do Centro- Oeste querem, de toda forma, preservar sua artilharia fis­cal. Nesse sentido, tentam mudar o quorum do Confaz pa­ra três quintos, abolindo a atual cláusula pétrea da unani­midade. Isso permitiria novos incentivos estaduais, bas­tando para isso o aval de 17 votos. A fórmula serviria ainda para validar contratos em vigor aprovados à revelia do colegiado. Deixe-me registrar aqui que o grosso da receita dos estados está na cobrança do ICMS sobre três itens: combustíveis, eletricidade e telefonia. Talvez essa seja a

causa de tanta resistência em se desonerar coisas tão pre­sentes na vida das pessoas.

G de gargalo

As falhas na cobertura da telefonia móvel de quarta gera­ção (4G), prometida para todas as cidades sedes da recente Copa das Confederações da Fifa, revelou outro 4G, o dos quatro gargalos dessa tecnologia no país. O preço médio (R$ 200) era o dobro da América Latina e o serviço está res­trito a poucos e caros aparelhos. A velocidade exigida pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) era só 20% da máxima oferecida pelas operadoras. A frequência adota­da no país?2,5 gigahertz (GHz) ? enfraquece o sinal à me­dida que se afasta da torre. Para completar, a maioria dos tu­ristas estrangeiros não usa a faixa.

"A tecnologia 3G ainda tem importante espaço para cres­cer no país, com ampliação de cobertura", afirmou ao Cor­reio o gerente de relações com investidores da TIM, Vicente Ferreira. Ele explicou que as projeções para o 4G são tecni­camente difíceis de implementar e só deve ganhar fôlego quando puder agregar outra faixa de 700 megahertz (MHz), a mesma adotada em larga escala nos Estados Unidos. O leilão dessa faixa pode ocorrer em abril de 2014, e a primei­ra versão do edital deve sair em dezembro. "Quando puder­mos ativar aparelhos como o último iPhone, da Apple, o mercado será outro", prevê.

Fonte: Correio Braziliense - 16/09/2013
 
+ Clipagem

Reforma da Previdência - 44 coisas que você não pode deixar de saber - Leiam a matéria em anexo. Repense, reavalie esta Reforma da Previdência proposta. Faça sua parte, ajude na di

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br