Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

As instituições humanas são, por sua natureza, tão imperfeitas, que, para destruí-las, basta, quase sempre, levá-las às últimas consequências.
Tocqueville. Penseés detacheés
05/09/2013

Efeito preguiça é mito

Autore: Laís Abramo e José Ribeiro

No momento em que o programa Bolsa Família completa 10 anos, é louvável a disposição do governo brasileiro de abrir-se ao diálogo com outras instituições e setores da sociedade para analisar e refletir sobre suas estratégias, resultados, avanços e desafios. O Ciclo de Debates 10 Anos do Programa Bolsa Família: Avanços, Efeitos e Desafios, organizado pelo Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS), Organização Internacional do Trabalho (OIT) e Associação Brasileira de Estudos Populacionais (Abep), realizado em Brasília, discutiu os efeitos dos programas de transferência de renda no trabalho das pessoas.

Para a OIT, o trabalho é um dos principais vínculos entre o desenvolvimento econômico e o social. Segundo dados da Pnad (IBGE/2011), 77% da renda familiar advêm do trabalho, sendo estratégico no combate à pobreza. Não é qualquer trabalho que garante o acesso a uma vida digna, mas um trabalho decente. Além de remuneração adequada, acesso a direitos e à proteção social, combinados com incrementos de produtividade e igualdade de oportunidades, diminui a extrema pobreza por meio do aumento e distribuição da renda. A experiência brasileira recente de redução da pobreza e da desigualdade social, resultado de políticas de caráter redistributivo, objetiva a incluir nos mercados de consumo e de trabalho parcelas da população até então excluídas da cidadania. Os resultados se devem a uma combinação entre políticas sociais e laborais.

A maioria das análises realizadas aponta como responsáveis: Bolsa Família, extensão da proteção so-ciai e fatores relacionados ao mercado de trabalho, como o aumento do emprego formal e a valorização do salário-mínimo. Entre 2003 e 2013 foram gerados 19 milhões de empregos formais, e o salário-mínimo aumentou 70,5% em termos reais. Este aumento foi fundamental no combate à pobreza e à desigualdade, pois atingiu principalmente a população trabalhadora situada na base da pirâmide salarial, predominantemente composta por mulheres e negros. Se na população ocupada o rendimento médio real aumentou 30% (2004-2011), a expansão foi de 36% entre as mulheres, 44% para os negros e 47% entre as negras. Outra questão debatida é o efeito do Bolsa Família sobre a disposição para o trabalho dos seus beneficiários, e suas possibilidades de autonomia econômica pela inclusão produtiva.

Declarações ideologizadas, preconceituosas e destituídas de evidências empíricas sugerem que o Bolsa Família estimula o "efeito preguiça" entre os beneficiários. Mas, segundo a Pnad 2011, entre as famílias com rendimento mensal per capita de até 1/4 do salário mínimo (as mais pobres), 62% da renda familiar advem do trabalho. Este dado corrobora as informações do Cadastro Único do governo federal, de que a maioria da população pobre e beneficiária do programa de fato trabalha. Entretanto, são em sua maioria trabalhos precários e informais.

Urge que o país continue desenvolvendo políticas e iniciativas de combate à pobreza por meio do trabalho decente. Laís Abramo é diretora da Organização Internacional do Trabalho no Brasil José Ribeiro é especialista em estatísticas laborais da OIT

Fonte: O Globo - 05/09/2013
 
+ Clipagem

Reforma da Previdência - 44 coisas que você não pode deixar de saber - Leiam a matéria em anexo. Repense, reavalie esta Reforma da Previdência proposta. Faça sua parte, ajude na di

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br