Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Aconselho que se case.Se o faz será um homem feliz, se não o faz será filósofo.
Sócrates
02/09/2013

Comissão de direitos humanos da OAB diz que desaparecimento de ossadas é "inaceitável"

O presidente da Comissão Nacional de Direitos Humanos da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), Wadih Damous, classificou de "inaceitável" o desaparecimento de ossadas com indícios de serem de guerrilheiros executados pelo Exército brasileiro durante a guerrilha do Araguaia (1972-74), o maior conflito entre a esquerda armada e militares durante a ditadura.

Conforme revelou a Folha neste domingo (1º), cinco ossadas e um crânio localizados, em 2001, em Xambioá (TO), desapareceram em Brasília. A suspeita é de que os ossos, que apresentavam sinais de violência na época em que foram encontrados, pertencem a integrantes da guerrilha do Araguaia.

Órgãos oficiais não sabem explicar sumiço de ossadas encontradas no Araguaia

"É inaceitável que uma coisa dessas aconteça", afirmou, em nota, Wadih Damous, que também preside a Comissão da Verdade do Rio de Janeiro.

Segundo ele, o caso demonstra que o governo brasileiro não tem real interesse em "passar a limpo a história da ditadura".

"Esse episódio demonstra que existem segmentos do estado brasileiro que não querem revelada a verdade dos fatos da guerrilha do Araguaia e de todos os outros ocorridos na ditadura militar. Não abertura dos arquivos militares, destruição impune de documentos, sumiço de ossadas não são atitudes que demonstrem estar o governo brasileiro realmente interessado e passar a limpo a história da ditadura", diz a nota assinada por Damous.

As ossadas recolhidas ao longo dos anos, desde a década de 90, têm circulado por vários órgãos em Brasília. Não raro, são transportadas em caixas de papelão, próprias para biscoitos, por exemplo. Não há informação sobre o local onde essas ossadas se perderam, já que circularam por diversos órgãos federais antes de serem armazenadas em uma sala-cofre na UnB (Universidade de Brasília).

O desaparecimento das ossadas consta de um relatório assinado por quatro peritos do INC (Instituto Nacional de Criminalística), de novembro de 2012, que fez um inventário das 25 ossadas retiradas da região e que estão em Brasília, à espera de exames de DNA

Fonte: FSP/UOL
 
+ Clipagem

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

Vladimir Safatle alerta para o fim do emprego - Nunca na história da República o Congresso Nacional votou uma lei tão contrária aos interesses da maioria do povo brasil

FRENTE EM DEFESA DA DIGNIDADE DO TRABALHO NO FACEBOOK - Colegas.A AGITRA INTEGRA INTEGRA ESTA FRENTE EM DEFESA DA DIGNIDADE DO TRABALHO E TEM SEDIADO AS REUNIÕES PREPARA

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br